LITERATURA CONTEMPORÂNEA E MÍDIA: A VIOLÊNCIA EM UMA SOCIEDADE DO TERROR

  • Fernanda Motter Universidade Estadual do Centro-Oeste
  • Rafael Ricardo de Oliveira Universidade Estadual do Centro-Oeste (Unicentro)
Palavras-chave: Literatura, Mídia, Violência contra a mulher

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar a aproximação da Literatura Contemporânea com a Comunicação a partir do livro Sul de Veronica Stigger (2016). Por meio de capas de revistas fictícias criadas pela ONG Catapult, que circularam pelo espaço digital e evidenciam as diversas formas de violência pelas quais mulheres por todo o mundo são submetidas, buscou-se ressaltar que a Literatura, a Linguística e a Comunicação preocupam-se com esse problema social. Para isso, utilizou-se o aporte teórico de Giorgio Agamben (2012; 2013), Stuart Hall (2005; 2016) e outros estudiosos das Letras, da Comunicação e de questões relacionadas à violência contra a mulher.

Referências

10 países mais perigosos do mundo para as mulheres. Forbes Brasil, São Paulo, 26 de jun. de 2018. Disponível em: . Acesso em: 10 mai. 2020.
AGAMBEN, Giorgio. O aberto: o homem e o animal. Tradução de Pedro Mendes. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2013.
______. Ninfas. Tradução de Renato Ambrosio. São Paulo: Hedra, 2012.
BARBOSA, Marialva Carlos. Modos de comunicação e práticas de leitura dos escravos do século XIX. Revista Comunicação, mídia e consumo. São Paulo, v. 14, n. 39, p. 152-171, 2017. Disponível em: . Acesso em 06 mai. 2020.
BATAILLE, Georges. A literatura e o mal. Tradução de Suely Bastos. Porto Alegre: L&PM, 1989.
BRASIL. Código Civil. Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002. Art. 186. Disponível em: . Acesso em: 10 mai. 2020.
BRASIL. Lei Maria da Penha. Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006. Art. 2º. Disponível em: . Acesso em: 10 mai. 2020.
BRIZUELA, Natalia. Depois da fotografia: uma literatura fora de si. 1° edição. Rio de Janeiro: Rocco, 2014.
DELEUZE, Gilles. GUITTARI, Felix. Mil platôs. Tradução de Aurélio Guerra Neto. 5. Ed. Rio de Janeiro: Editora 34, 1996.
CARVALHO, Candice. Vítima de tráfico de pessoas, brasileira conta como escapou de cárcere privado nos EUA. Globo News, Nova Iorque, 13 de nov. de 2019. Disponível em: . Acesso em: 10 mai. 2020.
CATAPULT. Action for equality. Disponível em: . 2020. Acesso em: 10 mai. 2020.
______. Cover stories. Disponível em: . 2014. Acesso em: 10 mai. 2020.
FRANCO, Luiza. Violência contra a mulher: novos dados mostram que 'não há lugar seguro no Brasil'. BBC News Brasil, São Paulo, 26 de fev. de 2019. Disponível em: . Acesso em: 10 mai. 2020.

FREYRE, Gilberto. Casa-grande & Senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. 50. Ed. rev. São Paulo: Global, 2005.
HALL, Stuart. Cultura e representação. Tradução de Daniel Miranda e Willian Oliveira. Rio de Janeiro: Editora PUC-Rio, 2016.
______. A identidade cultural na pós-modernidade. São Paulo: DP&A, 2005.
HOUAISS, Antônio. Minidicionário da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2010.
MARTINS, Georgina. Narradores da exclusão ou a infância pobre na literatura brasileira contemporânea. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea. Brasília. n. 41, p. 119-148, jan./jun. 2013. Disponível em: . Acesso em: 19 mar. 2019.
Quase um terço do total de vítimas de tráfico de pessoas no mundo são crianças, segundo informações do Relatório Global sobre Tráfico de Pessoas 2016. Escritório das Nações Unidas Contra o Crime e Drogas - UNODC, Brasília, 17 de mar. de 2017. Disponível em: Acesso em: 07 mai. 2020.
PAVIANI, Jayme. Conceitos e formas de violência. In: MODENA, Maura Regina (Org.). Conceitos e formas de violência. Caxias do Sul, RS: Educs, 2016. p. 08-20. Disponível em: . Acesso em: 19 abr. 2020.
RANCIÉRE, Jacques. O destino das imagens. Tradução de Mônica Costa Netto. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.
RAMOS, Silvia; PAIVA, Anabela. Mídia e violência: tendências na cobertura de criminalidade e segurança no Brasil. Rio de Janeiro, Editora UPERJ, 2007.
SARDENBERG, Cecília. Da Crítica Feminista à Ciência a uma Ciência Feminista? In: COSTA, Ana Alice. SARDENBERG, Cecília. (org.). Feminismo, Ciência e Tecnologia. Salvador: REDOR/NEIM-FFCH/UFBA, 2002, p. 89-120.
SILVA, Rosângela Lopes. Corpos vigiados, assuntos segregados: a representação da menstruação em Insubmissas lágrimas de mulheres, de Conceição Evaristo. Revista Intercâmbio dos Congressos Internacionais de Humanidades. Brasília, nº 6, p. 1018-1036, 2016.
MARTINS, Georgina. Narradores da exclusão ou a infância pobre na literatura brasileira contemporânea. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea. Brasília. n. 41, p. 119-148, jan./jun. 2013. Disponível em: . Acesso em: 19 mar. 2019.
TONDATO, Marcia Perencin. Violência na mídia ou violência na sociedade? A leitura da violência na mídia. Revista Famecos, n. 32. Porto Alegre, p. 126-133, abr. 2007. Disponível em: . Acesso em 10 mai. 2020.
Publicado
2020-07-07
Como Citar
Motter, F., & Ricardo de Oliveira , R. (2020). LITERATURA CONTEMPORÂNEA E MÍDIA: A VIOLÊNCIA EM UMA SOCIEDADE DO TERROR. TROPOS: COMUNICAÇÃO, SOCIEDADE E CULTURA (ISSN: 2358-212X), 9(1). Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/tropos/article/view/3693
Seção
Artigos