LÉXICO E CULTURA NAS OBRAS “A SAGA DO SERINGUEIRO” E “VIDA DO SERINGUEIRO”

  • Airton de Mesquita Silva Secretaria de Educação do Estado do Acre.
  • Alexandre Melo de Sousa Universidade Federal do Acre Programa de Pós-Graduação em Letras: Linguagem e Identidade Mestrado Profissional em Letras _ PROFLETRAS
Palavras-chave: léxico, cultura, glossário, seringueiros, linguagem regional

Resumo

O léxico de determinado grupo de falantes traz em seu bojo os reflexos da cultura e da identidade linguística dos falantes e da região onde o usuário da língua habita. O presente trabalho tem como objetivo identificar o léxico do seringueiro e compreender aspectos culturais e lingüísticos em dois textos de expressão regional: A saga do seringueiro e Vida do seringueiro. O artigo apresenta, ainda, um glossário com o léxico próprio da referida atividade laboral, extraído das obras referidas, desenvolvido a partir da macroestrutura e da microestrutura (SOUSA, 2008). Além da seleção dos verbetes nas obras regionais, procedemos a confirmação dos itens linguísticos por meio de visitas  à colocação Lago Grande, localizada no Seringal Iracema, pertencente à Reserva Extrativista Cazumbá-Iracema em Sena Madureira – Acre, ao Parque Capitão Ciríaco em Rio Branco, à Reserva Chico Mendes na BR 317, km 75. O estudo se fundamenta nos estudos de Antunes (2012), Biderman (1998, 2001), Isquerdo (1998, 2001), Geraldi (1996), Oliveira (1998) – que discutem a relação do léxico e cultura, do léxico regional, e da utilização do léxico em sala de aula. Como resultado do estudo, organizamos 31 verbetes no glossário.

Biografia do Autor

Airton de Mesquita Silva, Secretaria de Educação do Estado do Acre.

Mestre em Letras pelo Mestrado Profissional em Letras da Universidade Federal do Acre. professor de Língua Portuguesa no município de Sena Madureira - Acre.

Alexandre Melo de Sousa, Universidade Federal do Acre Programa de Pós-Graduação em Letras: Linguagem e Identidade Mestrado Profissional em Letras _ PROFLETRAS

Doutor em Linguística pela Universidade Federal do Ceará.

Professor de Língua Portuguesa e Linguística na Universidade Federal do Acre. Lotado no Centro de Educação, Letras e Artes (CELA). Professor e pesquisador no Programa de Pós-Graduação em Letras: Linguagem e Identidade e no Mestrado Profissional em Letras (PROFLETRAS).

Referências

ANTUNES, Irandé. O território das palavras: estudo do texto em sala de aula. São Paulo: Parábola Editorial, 2012.
BARROS, L. A.; ISQUERDO, A. N. (Orgs.). O léxico em foco: múltiplos olhares. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010.
BIDERMAN, M. T. Os dicionários na contemporaneidade: arquitetura, métodos e técnica. In: OLIVEIRA, Ana Maria Pinto Pires de; ISQUERDO, Aparecida Negrini (Org.). As ciências do léxico: lexicologia, lexicografia, terminologia. Campo Grande: UFMS, 1998.
BIDERMAN, M. T. C. Filologia e Linguística Portuguesa: dimensões da palavra. São Paulo – UNESP, 1998.
CARVALHO, Nelly de. Publicidade:A linguagem da sedução.3 ed. São Paulo: Ática, 2001.
CHAUI, Marilena: Convite à Filosofia. São Paulo: Ática, 2000.
GERALDI, José Wanderley. Linguagem e ensino: Exercícios de militância e divulgação. 1 ed. Campinas: Mercado de Letras, 1996.
ISQUERDO, A. N. Vocabulário do seringueiro: campo léxico da seringa. In: OLIVEIRA, A. M. P. P.; ISQUERDO, A. N. (Org.). As ciências do léxico: lexicologia, lexicografia, terminologia. Campo Grande: UFMS, 2001.
MATORÉ, George. La MéthodeenLéxicologie. Paris: Didier, 1953.
PAULA, Maria Helena de. Rastros de velhos falares – léxico e cultura no vernáculo catalano. 2007. 521f. Tese (Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa) - Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2007.
POZENATO, J. C. Algumas considerações sobre região e regionalidade. In: FELTES, H P de M, ZILLES, U. (Org.). Filosofia: diálogo de horizontes. Porto Alegre/Caxias do Sul: Edipucrs/Educs, 2001.
SOUSA, Alexandre Melo de. O uso do dicionário em sala de aula. In: Anais da III Jornada Nacional de Linguística e Filologia de Língua Portuguesa – Trabalhos completos. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2008. Disponível em: . Acesso em: 15.fevereiro. 2020.
VILELA, Mario. Estruturas léxicas do português. Coimbra: Livraria Almedina, 1979.
WELKER, H. A. Dicionários: uma pequena introdução à lexicografia. Brasília: Thesaurus, 2005. 287.
Publicado
2020-06-20
Como Citar
Silva, A. de M., & Sousa, A. M. de. (2020). LÉXICO E CULTURA NAS OBRAS “A SAGA DO SERINGUEIRO” E “VIDA DO SERINGUEIRO”. TROPOS: COMUNICAÇÃO, SOCIEDADE E CULTURA (ISSN: 2358-212X), 9(1). Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/tropos/article/view/3680
Seção
Artigos