MÚSICA POP, AFETOS E COMUNIDADES EMOCIONAIS LATINO-AMERICANAS NOS EUA EM TEMPOS SOMBRIOS: A CANÇÃO HAVANA DE CAMILA CABELLO E OS DREAMERS

Palavras-chave: Música Pop;, Comunidades emocionais, Canção, Identidade Latino-americana, História do Tempo Presente

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo discutir as relações da música pop com o apelo emocional e os afetos, procurando entender especialmente seu papel na constituição de comunidades emocionais. Partindo da expansão do reggaeton no mainstream através dos últimos anos, e das discussões relativas à retirada de direitos de migrantes latino-americanos nos Estados Unidos durante o governo de Donald Trump, pretende-se analisar o papel desempenhado pela canção Havana (ft. Young Thug), da cantora cubana Camila Cabello, como modo de expressão e reafirmação da identidade latina. Com temática romântica, a canção narra o envolvimento romântico heterossexual entre dois jovens, sendo um dos personagens cubano e outro estadunidense, tendo como pano de fundo a própria relação entre a ilha e os EUA, assim como a identidade migrante. Entendendo as identidades como constituídas a partir de identificações e representações expressas, por exemplo, através produtos culturais, pretende-se observar os usos da canção pela/para comunidade migrante atingida pelas novas políticas estadunidenses. Nesse sentido, compreendemos Havana não apenas como produto, mas também como processo, analisada por meio de performances e de espaços de escuta e compartilhamento como os digitais, relacionada diretamente a comunidades emocionais nos Estados Unidos para compreender os possíveis impactos sociais e políticos da música pop, em especial quando associada a ritmos latinos na contemporaneidade.

Biografia do Autor

Igor Lemos Moreira, UDESC

Doutorando em História pelo programa de Pós-Graduação em História da Universidade do Estado de Santa Catarina (PPGH-UDESC), na linha de pesquisa Linguagens e Identificações. Mestre e Graduado em História (Licenciatura) pela mesma instituição. Integrante do Laboratório de Imagem e Som (LIS/UDESC) e da Equipe de Apoio Editorial da Revista Tempo e Argumento. Bolsista CAPES-DS, associado a ANPUH-SC e a IASPM-AL. Tem experiência na área de História, com ênfase em História das Américas, Teoria da História, História Moderna e Contemporânea. Atua principalmente nos seguintes temas: Relações entre Estados Unidos e Caribe; Biografias e Trajetórias Artísticas; Representações; Música Latino-americana; História da Música e Musicologia Histórica; História, Mídia e Internet; Música Pop; Audiovisual e Canção; História Pública e História do Tempo Presente.

Referências

BHABHA, H. O bazar global e o clube dos cavalheiros ingleses. Rio de Janeiro: Rocco, 2011.
CANCLINI, N. G. Latino-americanos à procura de um lugar neste século. São Paulo: Iluminuras, 2008.
CARNEIRO, D. F.. Os usos da biografia pela micro-história italiana: Interdependência, biografias coletivas e network analysis. In: AVELAR, A. de S.; SCHMIDT, B. B. (Orgs.). O que pode a biografia. São Paulo: SP, 2018.
CHARTIER, R. O mundo como representação. Estudos Avançados. Vol. 5, n.11. São Paulo. Jan/Abr. 1991.
__________. A História ou a Leitura do Tempo. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.
CHOMSKY, A. História da Revolução Cubana. São Paulo: Veneta, 2015.
GONZÁLEZ, J. P. Pensando a música a partir da América Latina: problemas e questões. São Paulo: Letra e Voz, 2016.
GUMBRECHT, H. U. Produção de presença: o que o sentido não consegue transmitir. Rio de Janeiro: Contraponto, 2010.
HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. 11. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.
____. Pensando a diáspora: reflexões sobre a terra no exterior. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.
____. Quem precisa da identidade? In: SILVA, T. T. (Org.); HALL, S.; WOODWARD, K. Identidade e diferença. A perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Editora Vozes, 2000.
KOSELLECK, R. Estratos do tempo: estudos sobre a História. Rio de Janeiro: Contraponto, Ed. PUC-RJ, 2014.
___________. Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio, Contraponto 2006.
LEVI, G. A herança imaterial. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.
LÓPEZ CANO, R. Juicios de valor y trabajo estético en el estudio de las músicas populares urbanas de América Latina. In: SANZ, J. F.; LÓPEZ CANO, R. Música popular y juicios de valor: una reflexión desde América Latina. Caracas: Fundación Cearg, 2011.
MOREIRA, I. L. Uma estrela em ascensão: O Portal Popline e a rápida ascensão na carreira multimídia da cantora Camila Cabello. Revista Transversos, v. 11, p. 81-97, 2017.
NAPOLITANO, M. História & música: história cultural da música popular. 5. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.
____________. A relação entre arte e política: uma introdução teórico-metodológica. Temáticas (UNICAMP), v. 37-38, p. 25-56, 2011.
PEREIRA, S. L. Matrizes e mediações das canções românticas na América Latina. In: ULHOA, M.; PEREIRA, S. L. (Org.). Canção romântica: Intimidade, mediação e identidade na América Latina. 1. ed. Rio de Janeiro: Folio Digital/Letra e Imagem, 2016, p,25-46.
REYNOLDS, S. Retromania: Pop Culture's Addiction to Its Own Past. Nova Iorque: Macmillan, 2011.
ROJAS, Y. P. Lenguajes del poder. la música reggaetón y su in uencia en el estilo de vida de los estudiantes. Plumilla Educativa. n. 10, 2012, págs. 290-305.
ROUSSO, H. A Última catástrofe: a história, o presente, o contemporâneo. Rio de Janeiro: Fundação Getulio Vargas, 2016.
SANTOS, M. O poder norte-americano e a América Latina no pós-Guerra Fria. São Paulo: Annablume; FAPESP, 2007, p. 145-174.
SARDO, S. Guerras de Jasmim e Mogarim: Música, Identidade e Emoções em Goa. Alfragide: Texto Editores LDA, 2010.
SOARES, T. Percursos para estudos sobre música pop. In: SÁ, S. P. de; CARREIRO, R.; FERRARAZ, R. (Orgs.) Cultura Pop. Salvador: EDUFBA ; Brasilia : Compós, 2015.
SCOTT, J. W. Experiência. In: Falas de Gênero. Florianópolis: Editora Mulheres, 1999. P 21-55
VIEIRA, R. A. Os cubanos querem deixar cuba? In: SANTOS, F. L. B. dos; VASCONSELOS, J. S.; DESSOTTI, F. R. (Org.). Cuba no século XXI: Dilemas da revolução. São Paulo: Elefante, 2017.
VICENTE, E. Da vitrola ao iPod: uma história da indústria fonográfica no Brasil. São Paulo: Alameda, 2014.
WOLFF, M. Fogo e Fúria: Por Dentro da Casa Branca De Trump. Rio de Janeiro: Objetiva, 2018.
Publicado
2020-09-07
Como Citar
Moreira, I. L. (2020). MÚSICA POP, AFETOS E COMUNIDADES EMOCIONAIS LATINO-AMERICANAS NOS EUA EM TEMPOS SOMBRIOS: A CANÇÃO HAVANA DE CAMILA CABELLO E OS DREAMERS. TROPOS: COMUNICAÇÃO, SOCIEDADE E CULTURA (ISSN: 2358-212X), 9(2). Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/tropos/article/view/3462
Seção
Dossiê - Potências políticas do pop: gênero e ativismo na cultura pop