FOSFOETANOLAMINA SINTÉTICA: DISCURSO DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA, EFEITOS DE CIENTIFICIDADE E APELO SOCIAL, NA MEDIAÇÃO TELEVISIVA

  • Antônio Inácio dos Santos de Paula Universidade Estadual de Campinas - Unicamp
  • Marluza Terezinha da Rosa Universidade Federal de Santa Maria - campus de Frederico Westphalen (UFSM-FW) https://orcid.org/0000-0002-3590-1752
Palavras-chave: Análise do Discurso; Jornalismo e Divulgação Científica; Fosfoetanolamina Sintética

Resumo

É sabida a problemática do espaço (não) destinado pela mídia brasileira para tratar de assuntos relacionados às ciências da saúde. Por isso, instigado pelo discurso jornalístico, mais precisamente, por reportagens televisionadas nas quais essa propagação ocorre, este estudo ampara-se na Análise do Discurso (A.D) Pêcheutiana e analisa o discurso da divulgação científica construído nas edições sobre a Fosfoetanolamina Sintética, exibidas pelos programas televisionados: Conexão Repórter - SBT e Domingo Espetacular - Record, nos dias 18 de outubro e 14 de novembro de 2015, respectivamente, quando acontece o ápice do debate sobre essa nova substância como possível tratamento contra o câncer. Ao questionar os artifícios utilizados na produção do jornalismo científico, Burkett (1990) atribui-lhe a responsabilidade, muitas vezes, pela espetacularização da ciência e pela fomentação de ilusões, como no caso da ciência médica. Para compreender isso, reflete-se sobre o processo de produção da prática jornalística quando se diz fazer divulgação científica. Identifica-se de que modo a heterogeneidade discursiva se manifesta nos dizeres e problematiza-se os possíveis efeitos de sentido dessa heterogeneidade discursiva em reportagens televisionadas. Nesse sentido, o trabalho reflete sobre o processo de produção e circulação do discurso do jornalismo científico, considerando a inter-relação da tríade apelo social, cientificidade e mediação televisiva.

Biografia do Autor

Marluza Terezinha da Rosa , Universidade Federal de Santa Maria - campus de Frederico Westphalen (UFSM-FW)

Pesquisadora visitante no Centre d'Étude des Mouvements Sociaux da École des Hautes Études en Sciences Sociales (CEMS/EHESS). Professora-Adjunta do Departamento de Ciências da Comunicação da Universidade Federal de Santa Maria, Campus Frederico Westphalen (UFSM/FW), onde coordena o projeto de pesquisa DISPOLI - Discurso, Poder e Políticas da (In)Visibilidade e o projeto de extensão Compreender os letramentos locais para (in)formar novos leitores. Possui Graduação em Letras Português/Inglês e respectivas literaturas pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Mestrado em Letras, na área de Estudos Linguísticos, pela mesma instituição e Doutorado em Linguística Aplicada pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), com período de estágio doutoral na Université Sorbonne Nouvelle - Paris 3. Atuou como Professora-Leitora na École Normale Supérieure de Lyon (ENS/Lyon) e como pesquisadora (PNPD/CAPES) junto ao Departamento de Linguística Aplicada da UNICAMP. É membro do G.T. Práticas Identitárias na Linguística Aplicada, da ANPOLL, e do Grupo de Pesquisa Vozes (in)fames: exclusão e resistência. Suas pesquisas dedicam-se à compreensão dos processos de subjetivação nas formas diversas de in-visibilidade social nos/pelos discursos universitário-científico e midiático.

Referências

AUTHIER-REVUZ, J. Heterogeneidades enunciativas. Cadernos de estudos linguísticos, 19. Campinas, IEL. 1990.

A DROGA DA ESPERANÇA. Jornalista: Roberto Cabrini. Produção: Conexão Repórter: SBT, 2015. Youtube. A droga da esperança – parte 1 (21min 52seg). Disponível em: < https://www.youtube.com/watch?v=yDfR8fPIC_A>. Acesso em: 16 set. 2019.

A DROGA DA ESPERANÇA. Jornalista: Roberto Cabrini. Produção: Conexão Re-pórter: SBT, 2015. Youtube. A droga da esperança – parte 2 (19min 15seg). Disponível em: < https://www.youtube.com/watch?v=WXMSZypimDQ>. Acesso em: 16 set. 2019.

A DROGA DA ESPERANÇA. Jornalista: Roberto Cabrini. Produção: Conexão Repórter: SBT, 2015. Youtube. A droga da esperança – parte 3 (12min 18seg). Disponível em: < https://www.youtube.com/watch?v=B2DgcAOA6Lk>. Acesso em: 16 set. 2019.

BURKET, Warren, 1929 – Jornalismo científico: como escrever sobre ciência, medicina e alta tecnologia para os meios de comunicação - tradução Antônio Trânsito. – Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1990.

FOUCAULT, Michel, 1926-1984 7.ed. A arqueologia do saber/Michel Foucault; tradução de Luiz Felipe Baeta Neves, -7ed. - Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. Tradução de Laura Fraga de Almeida Sam-paio. São Paulo: Edições Loyola, 2012.

GRIGOLETTO, Evandra. O discurso de divulgação científica: um espaço discursivo intervalar, 2005. 269 f. Tese de doutorado. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2005.

INDURSKY, Freda. Da heterogeneidade do discurso à heterogeneidade do texto e suas implicações no processo da leitura – cap. 2. In: ERNST-PEREIRA, Aracy (Org). A leitura e a escrita como práticas discursivas. Susana Bornéo Funck. – Pelo-tas: Educat, 2001, p. 27 – 42.

NAVARRO, Pedro. O pesquisador da mídia: entre “a aventura do discurso” e os dispositivos de interpretação da AD. In: NAVARRO, Pedro (Org.). Estudo dos textos do discurso: mapeando conceito e métodos. São Carlos: ClaraLuz. 2006.

NOVAS revelações sobre a fosfoetanolamina. Jornalista: Patrícia Ferraz. Produção: Domingo Espetacular: Record, 2015. Youtube. (17min 22seg). Disponível em: . Acesso em: 16 set. 2019.

ORLANDI, Eni Puccinelli. Análise do discurso: princípios e procedimentos. 7ª edição. Campinas, SP: Pontes, 2007.

ORLANDI, Eni Puccinelli. Discurso e Texto: formação e circulação dos sentidos – Campinas, SP: Pontes, 2001.

ORLANDI, Eni Puccinelli. Discurso em Análise: sujeito, sentido e ideologia. 2ª edição. Campinas, SP: Pontes, 2012.

PÊCHEUX, Michel. O discurso: estrutura ou acontecimento. Trad. Eni Orlandi. Campinas, SP: Pontes, 1990.

PÊCHEUX, M. A Análise do Discurso: três épocas. Tradução de Jonas de A. Romualdo. In: GADET, F. & HAK, T. (orgs.) Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Campinas, Editora da Unicamp, 1997. [1983]

SCHWAAB, Reges; ZAMIN, Angela. O discurso Jornalístico e a noção-conceito de interdiscurso. Revista Vozes e Diálogos. Itajaí, v. 13, n. 01, jan/jun. 2014. Pp 49-62.

ZAMBONI, Lilian Márcia Simões. Cientistas, jornalistas e a divulgação científica: subjetividade e heterogeneidade no discurso da divulgação científica. Campinas, SP: Autores Associados, 2001.
Publicado
2019-11-29
Como Citar
dos Santos de Paula, A. I., & Terezinha da Rosa , M. (2019). FOSFOETANOLAMINA SINTÉTICA: DISCURSO DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA, EFEITOS DE CIENTIFICIDADE E APELO SOCIAL, NA MEDIAÇÃO TELEVISIVA. TROPOS: COMUNICAÇÃO, SOCIEDADE E CULTURA (ISSN: 2358-212X), 8(2). Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/tropos/article/view/2891
Seção
Artigos