PARÓDIAS DO “SENHOR DAS TREVAS”: REINVENÇÕES SIMBÓLICAS E ARQUETÍPICAS DA SÉRIE LUCIFER

  • Robéria Nádia Araújo Nascimento UEPB
  • Valtyennya Campos Pires
Palavras-chave: Ficção Seriada; Complexidade Narrativa; Imaginário Cultural; Paródias.

Resumo

O texto expõe os resultados de uma pesquisa que analisou a Primeira e a Segunda Temporadas da série americana Lucifer. O objetivo foi compreender as simbologias e os arquétipos em torno do diabo disseminados no imaginário cultural (DURAND, 2002) através das representações populares (CHARTIER, 2002). Do ponto de vista metodológico, a realização de um Grupo Focal (COSTA, 2005) expandiu as impressões obtidas na Análise Narrativa (MOTTA, 2013) a fim de avaliar a percepção dos espectadores sobre os mitos cristãos reproduzidos na série. A observação dos episódios sinalizou que a imagem do diabo é desconstruída por paródias e paráfrases humorísticas (NOGUEIRA, 2010), nas quais o sarcasmo e o viés da ironia acentuam a complexidade narrativa (MITTEL, 2012). Quanto à apropriação estética, o protagonista aparece como um ser belo, dotado de personalidade sensível, contrariando os signos e os estereótipos comuns às identificações culturais (HALL, 2004) relativas ao diabo. Tais artifícios corroboram um processo narrativo não linear que embaralha as características da vilania e concede carisma ao anti-herói. Nesse sentido, a série subverte os códigos sociais compartilhados sobre a figura do diabo apelando à sensorialidade contraditória do gênero ficção, tanto no viés discursivo quanto no imagético.

Publicado
2020-04-22
Como Citar
Nascimento, R. N. A., & Pires, V. C. (2020). PARÓDIAS DO “SENHOR DAS TREVAS”: REINVENÇÕES SIMBÓLICAS E ARQUETÍPICAS DA SÉRIE LUCIFER: . TROPOS: COMUNICAÇÃO, SOCIEDADE E CULTURA (ISSN: 2358-212X), 9(1). Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/tropos/article/view/2785
Seção
Dossiê - A nova Era Dourada da Televisão: as séries contemporâneas