Chamada para o Dossiê ESSE TAL DE ROQUE ENROW: perfis que amplificam o gênero musical em suas dimensões midiáticas, sociais, políticas e performáticas

2021-02-02

ESSE TAL DE ROQUE ENROW: perfis que amplificam o gênero musical em suas dimensões midiáticas, sociais, políticas e performáticas

Caroline Govari Nunes (Universidade do Vale do Rio dos Sinos), Jonas Pilz (Universidade Federal Fluminense) & Thiago Pereira Alberto (Universidade Federal Fluminense)

Data limite para envio dos trabalhos: 20 de julho de 2021

Lançamento do dossiê: dezembro de 2021

Como apreender as corporalidades e facetas performáticas de Elvis Presley, Poison Ivy, Lemmy Kilmister, Kate Bush e Kurt Cobain? Quais são as percepções possíveis sobre o feminino/feminismo a partir da vida e da obra de Sister Rosetta Tharpe, Patti Smith, Rita Lee e Pitty? Onde as dimensões políticas presentes nas letras de Pussy Riot, Bob Dylan, Charly Garcia, L7, Raul Seixas e Ratos de Porão se cruzam com seus compositores e intérpretes? O que as performances de Jimi Hendrix, Ma Rainey, Phil Lynott, Bad Brains e Clemente nos falam sobre a negritude? De que maneiras Cássia Eller, David Bowie, Laura Jane Grace, Joan Jett, Secos & Molhados e Little Richards provocam tensionamentos de gênero? Como manifestações e alinhamentos recentes ou recuperados do passado ressignificam biografias de Courtney Love, Johnny Rotten, Lobão ou Morrissey? Quais desdobramentos são vistos hoje das iniciativas de U2, Alanis Morissette, Metallica e Radiohead sobre a indústria musical?

Presença marcante da paisagem global de mídia e consumo, visceralmente conectado à indústria fonográfica como uma de suas commodities centrais, o rock’n’roll, em suas dimensões transculturais, apresenta impactos histórico-sociais e constitui-se em uma importante linguagem específica dentro do contexto da cultura pop. Mais do que isso, também marca a partilha de princípios identitários e sensíveis de amantes do gênero musical no mundo inteiro. Fundamental para a popularização da música pop desde a década de 1950, ao se misturar às transformações e agendas comportamentais sociais e políticas e às novas possibilidades de performances artísticas desde então, vem se recriando como um organismo vivo: desmembrou-se para diferentes subgêneros como glam rock, hard rock, indie rock, e incitou movimentos musicais e culturais como o punk rock, além de ter incorporado influências de gêneros como a soul music e o funk.

Empenhando-se em gerar um levantamento expressivo de pesquisas que interseccionam comunicação, música, história, sociologia e demais áreas das Ciências Humanas e Sociais, a organização do dossiê ESSE TAL DE ROQUE ENROW: perfis que amplificam o gênero musical em suas dimensões midiáticas, sociais, políticas e performáticas convida autoras e autores para a submissão de artigos que reflitam, através de um(a) artista (singular ou coletivo) com aderência no rock, sobre os tensionamentos, atravessamentos, problematizações e transformações que estas e estes produziram ou ainda produzem em questões sociais e culturais que extrapolam o gênero musical.

A baliza para este dossiê tem inspiração em uma prática típica do jornalismo: o perfil biográfico. Nesta direção, a proposta da chamada reside em um olhar microanalítico, como exercício de percepção e sensibilidade para determinados aspectos das vivências de uma ou um artista/grupo, que se concatenam com discussões a respeito de gênero, raça, nacionalidade, etarismo, consumo etc. A partir da visibilidade exclusiva sobre determinados artistas e seus episódios específicos (sejam eles discos, músicas, apresentações, indumentárias, acontecimentos, eras, declarações, liderança de movimentos), vislumbra-se a possibilidade para a composição de um quadro instigante de análise sobre o gênero musical em si. 

Nessa direção, o objetivo é jogar luz sobre possíveis protagonistas destas conexões arteriais entre o gênero musical e as ressonâncias culturais e engajamentos subjetivos das mais diversas ordens que, literalmente, fazem o mundo rolar, quando filtrados pelos discursos e performances do rock. Assim, a noção de perfil serve para sugestionar que, focalizando exames em certos protagonistas, é possível reunir um corpus de objetos que, perfilados, apresentem um breve inventário do rock na sociedade a partir de alguns de seus atores.

O dossiê será composto de artigos que, delimitados em uma personalidade roqueira, explorem de que modos os eventos e marcas notáveis de sua construção lírica, sônica ou imagética, suas performances ou suas carreiras por inteiro se impregnaram a determinadas macro narrativas. Assim, diferentes reflexões e abordagens teórico-metodológicas são bem-vindas. 

Os tópicos sugeridos incluem, especialmente:

- BIOGRAFIAS: exames que contemplem fatos históricos (movimentos por direitos civis das minorias, a libertação sexual, o anti establishment, o conservadorismo), relativos à memória (individual e social) e a vivência de artistas; cinebiografias (como elas ressignificam entendimentos, imaginários e afetos); biografias literárias (como elas desenvolvem — ou não — a figura da e do protagonista, por exemplo); formações identitárias e estruturas de sentimento (como compreendemos a experiência dos indivíduos e grupos com as disposições sociais em determinado contexto);

- PERFORMANCES: compreensão dos comportamentos de atores sociais em diferentes situações; análises de performances como uma forma de conhecer, através das encenações, as culturas, suas teatralidades e corporalidades; reflexões a partir de álbuns, turnês, revivals, videoclipes, shows, redes sociais;

- MATERIALIDADES: experiências estéticas potencializadas por usos de elementos tecnológicos e midiáticos; produção de presença a partir da execução de uma canção, em eventos musicais, entre outras possibilidades; ensaios sobre capas de discos, artefatos técnicos, descrição de objetos, vestuário, instrumentos musicais etc.

O dossiê aceitará propostas entre 12-25 páginas, em português ou inglês. Para submeter a sua proposta, acesse o link: https://tinyurl.com/troposrock 

Dúvidas e outras questões podem ser enviadas à organização através do e-mail oficial deste dossiê: troposrock@gmail.com

Referências

AMARAL, Adriana et al (Org.). Mapeando Cenas da Música Pop. Vol II. Materialidades, Redes e Arquivos. 1. ed. João Pessoa: Marca de Fantasia, 2019. v. 1. 230p

_____________________. Mapeando Cenas da Música Pop. Vol I. Cidades, Mediações e Arquivos. 1. ed. João Pessoa: Marca de Fantasia, 2017. v. 1. 263p.

ARFUCH, Leonor. O espaço biográfico: dilemas da subjetividade contemporânea. Tradução Paloma Vidal. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2010.

BRACKETT, David. Questions of genre in black popular music. Black Music Research Journal 25(1/2): 73–92, 2005.

CARDOSO FILHO, Jorge; MARRA, Pedro. Do underground para o mainstream sem perder a categoria: análise da trajetória de um músico gaúcho. Revista Ícone, v. 10, nº 2, dez 2008.

DAPIEVE, Arthur. BRock: o rock brasileiro dos anos 80. São Paulo: Editora 34. 1995.

DOLABELLA, Marcelo. ABZ do rock brasileiro. São Paulo: Estrela do Sul, 1987.

FRITH, Simon. Performing Rites: on the value of popular music. Cambridge/Massachusett: Havard University Press, 1996.

GILMORE, Mikail. Ponto Final: crônicas sobre os anos 1960 e suas desilusões. São Paulo. Cia das Letras, 2010.

GROSSBERG, Lawrence. Cultural Studies in the Future Tense, Duke University Press Books, Durham and London, 2010; pp. 356.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Produção de Presença. O que o sentido não consegue transmitir. Rio de Janeiro, RJ: Contraponto Editora, Editora PUC-Rio, 2010.

JANOTTI JUNIOR, Jeder. Aumenta que isso aí é rock and roll: mídia, gênero musical e identidade. E Papers, 2003.

JENNINGS, Ros; GARDNER, Abigail. ‘Rock On’: women, ageing and popular music. – (Ashgate popular and folk music series), Published by Routledge, 2016.

LEONARD, Marion. Gender in the Music Industryrockdiscourse and girl power. Front Cover. Ashgate Publishing, Ltd., 2007 - Music - 239 pages.

MERHEB, Rodrigo. O Som da Revolução: uma história cultural do rock 1965-1969. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.

NUNES, Caroline Govari. As próximas horas serão muito boas. Materialidades e estéticas da Comunicação em duas apresentações ao vivo da banda Cachorro Grande. Novas Edições Acadêmicas, 2019. v. 1. 176p.

PILZ, Jonas; JANOTTI JUNIOR, Jeder; ALBERTO, Thiago. Ethos roqueiro, rasuras e conflitos políticos na turnê de Roger Waters no Brasil. MATRIZes, v. 14, n. 2, p. 195-215, 2020.

SCHECHNER, Richard. Performance Studies – An Introduction. London and New York: Routledge, Taylor & Francis Group, 2012.

REDDINGTON, Helen. The lost women of rock music: female musicians of the punk era. – (Ashgate popular and folk music series). Published by Routledge, 2016.

SOARES, Thiago; NUNES, Caroline Govari. “Eu quis comer você”: fantasia roqueira num programa televisivo infantil. Significação: Revista de Cultura Audiovisual, v. 47, p. 202-222, 2020.

STRAS, Laurie. She's so fine: reflections on whiteness, femininity, adolescence and class in 1960s music. – (Ashgate popular and folk music series). University of Southampton, UK. Published by Routledge, 2016.

TAYLOR, Diana. O Arquivo e O Repertório: Performance e Memória Cultural na América Latina. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2013. 

VILAS BOAS, Sergio. Perfis e como escrevê-los. São Paulo: Summus, 2003.