CHAMADA PARA PUBLICAÇÃO

2019-09-17

Convidamos os pesquisadores a enviar contribuições dentro das áreas de conhecimento propostas pela revista.

1. Jornalismo e Sociologia, 2. Teorias da Comunicação, 3. Estudos Culturais e de Gênero, 4. Narrativas Audiovisuais, 5. Semiótica, 6. Comunicação e Cultura Visual, 7. Jornalismo e Literatura, 8. Educação para os media, 9. Comunicação e Saúde, 10. Assessoria de Comunicação, 11. Interações midiatizadas.  

A primeira edição de 2019 será publicada em Julho. Data limite para submissões no primeiro semestre: 15 de maio de 2019. 

A segunda edição de 2019 será publicada em Dezembro. Data limite para submissões no segundo semestre: 30 de setembro de 2019  

Além das submissões com temas livres, a Revista organiza o seu segundo dossiê intitulado “A Nova Era Dourada da Televisão: As Séries Contemporâneas”   Editores do Dossiê: José Duarte (CEAUL- Universidade de Lisboa), Ana Daniela Coelho (CEAUL- Universidade de Lisboa) & Hermínia Sol (CEAUL - Instituto Politécnico de Tomar)

“A Nova Era Dourada da Televisão: As Séries Contemporâneas” 

José Duarte (CEAUL- Universidade de Lisboa), Ana Daniela Coelho (CEAUL- Universidade de Lisboa) & Hermínia Sol (CEAUL - Instituto Politécnico de Tomar)

As submissões estão abertas até 20 de dezembro de 2019.

Lançamento do dossiê: Julho de 2020

Vivemos numa nova era para as séries de televisão, com mais e melhores programas a serem produzidos todos os dias (McCabe & Akass, 2007) não só para diferentes canais (CBS, Fox, HBO, Showtime), mas também para diferentes plataformas (Netflix, Hulu, Amazon Prime), para não falar da crescente popularidade das web séries. A “Era Dourada” da televisão que estamos a viver é geralmente vista como tendo tido início na segunda metade da década de 1990/início dos anos 2000 até hoje, com séries cujos episódios têm uma maior duração: The Sopranos (1999-2007), Six Feet Under (2001-2005), Downton Abbey (2010-2015), passando pelos mais recentes fenómenos Game Thrones (2011-2019), Narcos (2015-), Stranger Things (2016-), 3% (2016-) ou Casa de Papel (2017-); mas também séries com episódios de curta duração como The Big Bang Theory (2007-2019), Modern Family (2009-) ou Black-ish (2014-).

Estas representam apenas uma pequena fracção de uma onda de criações sofisticadas que têm vindo a aumentar em quantidade e qualidade, dando mais opções aos espectadores, mas também aos realizadores, actores, produtores e a todos aqueles que estão envolvidos nessas produções. Para alguns (JEFFREY, 2018), este aumento pode ser um problema, pois isto também significa que os espectadores podem sentir-se assoberbados por tantas séries. Para outros, é uma oportunidade única para perceber o que as séries de televisão têm para oferecer e como podem desafiar o espectador com a sua “capacidade para centrar-se em elementos do mundo real” e explorar temas contemporâneos e actuais – políticos, culturais, sociais ou outros (SHUSTER, 2018).

Tendo isto em conta – e conscientes também de que este é um debate ainda a decorrer – e apesar dos diversos estudos sobre novas séries de televisão, é necessário continuar a discutir a importância e significado destas séries por via da cultura, dos seus modos de produção e da sua história. Para além disso, é importante criar um espaço para debater algumas destas ideias. Assim, os editores deste dossiê temático convidam os autores interessados a apresentarem propostas sobre os diferentes aspectos desta “Era Dourada” – entre 2000-2019 – sobre séries criadas por diferentes nações (ou em co-parceria) e a forma como estas se relacionam com a nossa contemporaneidade. Os tópicos sugeridos incluem:

- Séries de televisão e a contemporaneidade;

- Séries de televisão enquanto documentos históricos;

- Novos modos de produção e co-produção;

- Gêneros e subgêneros;

- Identidade e cultura nacional e/ou internacional;

- Abordagens interdisciplinares;

- Adaptações, remakes, reboots, sequelas, prequelas, etc.;

- As séries criadas por fãs;

- A nova Era Dourada?

Todos os interessados poderão enviar propostas, entre 12-25 páginas, em Português ou Inglês. Para submeter a sua proposta siga o link: http://revistas.ufac.br/revista/index.php/tropos/about/submissions#onlineSubmissions

Quaisquer questões podem ser dirigidas aos editores através do e-mail oficial deste dossiê: tvseriesdossier@gmail.com     

Visite nossa página no Facebook.

“Reading the New Golden Age of Television: On Contemporary Series”

José Duarte (CEAUL- Universidade de Lisboa), Ana Daniela Coelho (CEAUL- Universidade de Lisboa) & Hermínia Sol (CEAUL - Instituto Politécnico de Tomar)

Submissions are open until December 20, 2019

Publication of the dossier: July 2020

We live in a new age of television series with more and more quality shows being produced every day (McCabe & Akass, 2007) not only for different channels (BBC, CBS, Fox, HBO, Showtime), but also for different (streaming) platforms (Netflix, Hulu, Amazon Prime), not to mention the growing popularity of the web series. The current “Golden Age” of television is usually seen as having started in mid-to-late nineties/early 2000s until today, with series comprising longer episodes like The Sopranos (1999-2007), Six Feet Under (2001-2005), Downton Abbey (2010-2015), or the more recent phenomena of Game Thrones (2011-2019), Narcos (2015-), Stranger Things (2016-), 3% (2016-) or Casa de Papel (2017); as well as shows with shorter episodes like The Big Bang Theory (2007-2019), Modern Family (2009-) or Black-ish (2014-). 

These represent just a small fraction of a major wave of sophiscated creations that rise in quality and in quantity, thus giving more options to viewers and also to directors, actors, producers and all those involved in those creations. For some, this may pose a problem (Jeffrey, 2018) since with the numbers of programs rising this also means that too many choices may overwhelm audiences. For others, this is a unique opportunity to see what television programs have to offer and how they challenge the viewer with their “ability to bring into focus elements of the existing world” and explore the contemporary and current affairs – political, cultural, social or others (Shuster, 2018).

With this in mind, and aware that this is still an ongoing debate, and in spite of all the diverse studies on new television programs, there is still room for discussion to be conducted looking at these shows via their culture, their modes of production and their history. Most of all, it is highly relevant to do so. Therefore, we are looking for essays on the different aspects of the new “Golden Age” – between 2000-2019 – on series created by different nations (or in co-partnership) and how they relate to our contemporaneity. Suggested topics include:

- Television shows and contemporaneity;

- Television shows as historical documents;

- New modes of production and co-production;

- Genres and subgenres;

- Identity and culture national and/or international;

- Interdisciplinary approaches;

- Adaptations, remakes, reboots, sequels, prequels, etc;

- Fan-based creations;

- The New Golden Age?;

We welcome submissions between 12-25 pages in English or in Portuguese.

To submit please follow the link: http://revistas.ufac.br/revista/index.php/tropos/about/submissions#onlineSubmissions