ALIMENTOS ÔRGANICOS: BENÉFICIOS PARA A SAÚDE, MEIO AMBIENTE E COMÉRCIO

  • Cássia Nunes Pereira Universidade Federal do Acre
  • Vanessa Pacífico do Vale Universidade Federal do Acre

Resumo

O estudo discute o consumo e os benefícios de alimentos orgânicos e sua importância na saúde dos indivíduos, já que estes alimentos são produzidos com métodos que não utilizam agrotóxicos sintéticos, transgênicos ou fertilizantes químicos. As técnicas utilizadas nesse processo de produção respeitam o meio ambiente e visam manter a qualidade do alimento. Dessa forma, o produto diminui a possibilidade de danos à saúde dos consumidores e de impacto à natureza. Frutas, legumes, verduras, hortaliças, carnes, ovos, feijão e cereais são alguns exemplos. Observando que a produção e o consumo de alimentos orgânicos fazem parte de um movimento que propõe mudanças no comportamento alimentar dentro de um programa mais amplo de educação ambiental, que procura além de tudo que esta pratica seja estimulada e subsidiada mundialmente, de modo a garantir o aumento da sua demanda e oferta com preços justos para diferentes consumidores.

Referências

I. Azevedo E, Rigon SA. Sistema alimentar com base no conceito de sustentabilidade. Em: Taddei JA, Lang RMF, LongoSilva G, Toloni MHA, eds. Nutrição em saúde pública. São Paulo: Rubio; 2010. Pp. 543–60.

II. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Programa Nacional de Análise de resíduos de agrotóxicos em alimentos. Relatório de Atividade de 2010. Brasília: Anvisa; 2011.

III. Azevedo E. Alimentos orgânicos: ampliando conceitos de saúde humana, social e ambiental. Tubarão: Unisul; 2006.

IV. Agência Nacional de Vigilância Sanitária- ANVISA. Resíduos de agrotóxicos em alimentos. Rev Saude Publica 2006.

V. Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco). Dossiê Abrasco: Um alerta sobre o impacto dos Agrotóxicos na Saúde. Parte 1 - Agrotóxicos, Segurança Alimentar e Saúde . Rio de Janeiro: Abrasco; 2012.

VI. Brasil. Ministério da Saúde (MS) . Guia Alimentar para a população brasileira: promovendo a alimentação saudável. Brasília: MS; 2005.

VII. BONTEMPO, M. Alimentação Orgânica. Medicina Natural. São Paulo: Nova Cultural, 1999.

VIII. CASTANEDA DE ARAUJO, Marcelo. Ambientalização e politização do consumo e da vida cotidiana: uma etnografia das praticas de compra de alimentos orgânicos em Nova Friburgo/RJ. Dissertação de mestrado. Rio de Janeiro: CPDA/UFRRJ,2010.

IX. EHLERS, E. Agricultura Sustentável: origens e perspectivas de um novo paradigma. São Paulo: Livros da Terra, 1996.

X. Food and Drug Administration. Total Diet Study. Disponível em: http:// www.fda.gov/Food/FoodSafety/Food ContaminantsAdulteration/TotalDiet Study/default.htm Acessado em 02 de outubro de 2016.

XI. HOEFKENS, C.; VERBEKE, W.; AERTSENS, MONDELAERS K.; VAN CAMP J. The nutritional and toxicological value of organic vegetables: Consumer perception versus scientific evidence. British Food Journal, Bingley, v. 111, n. 10, p. 1062-1077, 2009. http://dx.doi.org/10.1108/00070700910992916

XII. ILAS BOAS, S. H. T.; SETTE, R. S.; BRITO, M. J. Comportamento do consumidor de produtos orgânicos: uma aplicação da cadeia de meios e fins. Organizações Rurais & Agroindustriais, Lavras, v. 8, n. 1, p. 25-39, 2006.

XIII. Núcleo de Estudos e Pesquisa em Alimentação da Unicamp disponível em: http://www.unicamp.br/nepa/arquivo_san/Alimentos_organicos.pdf acessado 01 de outubro de 2016.

XIV. PIMENTA, M. L. Comportamento do Consumidor de Alimentos Orgânicos na Cidade de Uberlândia: um Estudo com Base na Cadeia de Meios e Fins. 2008. 125 f. Dissertação (Mestrado em Administração) -Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2008.

XV. PENTEADO, S. R. Introdução à Agricultura Orgânica: Normas e técnicas de cultivo. Campinas: Editora Grafimagem, 2000. 110 p.

Publicado
2017-06-28
Seção
MEIO AMBIENTE