RELAÇÃO ENTRE AUSÊNCIA DENTÁRIA E DISFUNÇÕES TEMPOROMANDIBULARES: UM ESTUDO DE CASO-CONTROLE

Autores

  • Amanda de Andrade Silva Cirurgiã Dentista pelo Centro Universitário Unimeta e Estácio
  • Antônio Arlen Freire Cirurgião-Dentista formado pela União Educacional do Norte
  • Ana Bessa Muniz Mestre em Odontopediatria pela Faculdade São Leopoldo Mandic
  • Cleyton Silva de Araújo Mestre em Ciência, Inovação e Tecnologia pela Universidade Federal do Acre

Resumo

DTM é um termo coletivo que engloba uma série de problemas clínicos que afetam a musculatura mastigatória, a articulação temporomandibular e as estruturas associadas. Tendo em vista que os dados científicos existentes entre ausência dentária e DTM apresentam-se inconsistentes, o objetivo deste estudo foi avaliar a relação entre ausência dentária e DTM. Foram selecionados 87 pacientes com ausência de pelo menos dois molares permanentes inferiores e 18 pacientes possuindo arcada dentária completa. Todos os pacientes foram examinados com base no protocolo RDC/TMJ. Os dados foram analisados através do Software SPSS, com a finalidade de obter o odds ratio entre os grupos casos e controles. Nesta abordagem, não houve risco para a presença de DTM em pacientes com ausência de suporte molar ou edentulismo total (OR=0,291 IC95%). Com base nos dados, conclui-se que a ausência de molares permanentes inferiores e ausência dentária total não estão relacionadas à DTM muscular ou articular.

Biografia do Autor

Antônio Arlen Freire, Cirurgião-Dentista formado pela União Educacional do Norte

Cirurgião-Dentista formado pela União Educacional do Norte (2015). Atualmente é cirurgião-dentista estatutário vinculado à Secretaria Municipal de Saúde - Rio Branco, Acre, com área de atuação em Saúde da Família.

Referências

1. RIBEIRO, S.O.; ALBUQUERQUE, A.C.L.; RODRIGUES, R.A.; SANTOS, P.P.A. Relação entre desordens temporomandibulares (DTM) e pacientes portadores de próteses parciais removíveis. Odontologia Clínico-Científica, Recife, v.14, n.1, p.565-570, 2015.

2. LOPES, P.R.R.; CAMPOS, P.S.F.; NASCIMENTO, R.J.M. Dor e inflamação nas disfunções temporomandibulares: revisão de literatura dos últimos quatro anos. Revista de Ciências Médicas e Biológicas, v.10, n.3, p.317-325, 2011.

3. MURPHY, M.K.; MACBARB, R.F.; WONG, M.E.; ATHANASIOU, K.A. Temporomandibular Disorders: a review ofetiology, clinical management andtissueengineeringstrategies. The international jornal of oral andmaxillofacialimplants, v.28, n.6, p.393-413, 2013.

4. DIMITROULIS G. Management of temporomandibular joint disorders: a surgeon’s perspective. Australian dental jornal, v.63, n.1, p.79-80, 2018.

5. WADHWA, S.; KAPILA, S. TMJ disorders: future innovations in diagnosticsandtherapeutics. Journalof dental education, v.72, n.8, p.930-947, 2008.

6. YADAV, S.; YANG, Y.; DUTRA, E.H.; ROBINSON, J.L.; WADHWA, S. Temporomandibular joint disorders in theelderlyandagingpopulation. Journalofthe American Geriatrics Society, v.66, n.6, p.1213-1217, 2018.

7. TALLENTS, R.H.; MACHER, D.J.; KYRKANIDES, S.; KATZBERG, R.W.; MOSS, M. Prevalenceofmissing posterior teethandintraarticular temporomandibular disorders. The journalofprostheticdentistry, v.87, p.45-50, 2002.

8. SLAVICEK, R. Relationshipbetweenocclusionand temporomandibular disorders: implications for thegnathologist. American jornal oforthodonticsanddentofacialorthopedics, v.139, n.1, p.10-16, 2011.

9. FERREIRA, C.L.P.; SILVA, M.A.M.R.; FELÍCIO, C.M. Sinais e sintomas de desordem temporomandibular em mulheres e homens. CoDAS, v.28, n.1, p.17-21, 2016.

10. PEREIRA JÚNIOR, F.J.; VIEIRA, A.R.; PRADO, R.; MIASATO, J.M. Visão geral das desordens temporomandibulares – Parte I: definição, epidemiologia e etiologia. Revista Gaúcha de Odontologia, v.52, n.2, p.117-121, 2004.

11. ALVES-REZENDE, M.C.R.; SANT’ANNA C.B.M.; VERRI, A.C.G.; CUNHA-CORREIA, A.S.; AGUIAR, S.M.H.C.A. et al. Sinais e sintomas na síndrome de Costen associada a desordens temporomandibulares: relato de caso clínico. Revista odontológica de Araçatuba, v.32, n.1, p.65-69, 2011.

12. SHIBAYAMA, R.; GARCIA, A.R.; ZUIM, P.R.J. Prevalência de desordem temporomandibular (DTM) em pacientes portadores de próteses totais duplas, próteses parciais removíveis e universitários. Revista Odontológica de Araçatuba, v.25, n.2, p.18-21, 2004.

13. BARBOSA, G.A.S.; BADARÓ FILHO, C.R.; FONSECA, R.B.; SOARES, C.J.; NEVES, F.D. et al. Distúrbios oclusais: associação com a etiologia ou uma consequência das disfunções temporomandibulares?.Jornal Brasileiro de Oclusão, ATM e Dor Orofacial, Curitiba, v.3, n.10, p.158-163, 2003.

14. WANG, M.Q.; XUE, F.; HE, J.J.; CHEN, J.H.; CHEN, C.S. et al. Missing posterior teethandriskof temporomandibular disorders. Journalof Dental Research, v.88, n.10, p.942-945, 2009.

15. BATISTA, M.J.; LAWRENCE, H.P.; SOUSA, M.L.R. Classificação das perdas dentárias: fatores associados a uma nova medida em uma população de adultos. Ciencia e Saúde Coletiva, v.20, n.9, p.2825-2835, 2015.

16. HULLEY, S.B.; CUMMINGS, S.R.; BROWNER, W.S.; GRADY, D.G.; NEWMAN, T.B. Delineando a pesquisa clínica. 4.ed. Porto Alegre: Artmed, 2015.

Downloads

Publicado

2021-06-29

Como Citar

de Andrade Silva, A., Freire, A. A., Bessa Muniz, A. ., & Silva de Araújo, C. (2021). RELAÇÃO ENTRE AUSÊNCIA DENTÁRIA E DISFUNÇÕES TEMPOROMANDIBULARES: UM ESTUDO DE CASO-CONTROLE. South American Journal of Basic Education, Technical and Technological, 8(1), 263–275. Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/SAJEBTT/article/view/4217

Edição

Seção

Artigos Originais Ciências da Saúde