PERFIL DE INDIVIDUOS ACOLHIDOS EM UMA CASA DE APOIO AO CÂNCER DO ACRE

  • Ruth Silva Lima da Costa Universidade Federal do Acre Secretaria de Estado de Saúde Centro Universitário Uninorte
  • Elisabeth Matos de Oliveira Elisabeth Matos de Oliveira Centro Universitário Uninorte
  • Larissa Iasmin Rocha Amasifuen Larissa Iasmin Rocha Amasifuen Centro Universitário Uninorte
  • Rodrigo Batista de Oliveira Rodrigo Batista de Oliveira Centro Universitário Uninorte
Palavras-chave: Welcome home; Chronic Diseases; Neoplasia

Resumo

As casas de apoio aos indivíduos diagnosticados com câncer surgem no intuito de oferecer acolhimento e cuidados aqueles que necessitam fazer o tratamento fora do seu domicilio e cujas condições de saúde estão agravadas pelos efeitos colaterais e limitações enfrentadas pela doença. Objetivo: Identificar os tipos de câncer mais frequentes em pacientes acolhidos em uma casa de apoio do Acre no ano de 2017. Material e Métodos: Trata-se de um estudo transversal, de dados primários, com abordagem quantitativa de natureza descritiva, realizado através da coleta de dados no sistema de registro de ocupação de uma casa de apoio a pacientes com câncer de Rio Branco – Acre. Resultados: Os dados evidenciam que entre os municípios com o maior número de pacientes na casa de apoio destaca-se Cruzeiro do Sul 118 (47,3%), sendo o sexo predominante o feminino com 194 (78%). A faixa etária mais frequente encontrava-se entre 40-59 anos com 73 (29,3%), seguido da faixa etária entre 20-39 anos com 71 (28,9%). No que se refere ao tipo de neoplasia destacam-se as leucemias com 49 (19,68%), seguido de câncer de mama 32 (12,8%) e de ovário 20 (8,03%). Conclusão: Muitas pessoas buscam por tratamento de neoplasias fora do domicílio e, necessitam do suporte oferecido pelas casas de apoio do Acre, porém existem poucos estudos relacionados à temática abordada, além da ausência de um sistema nacional que registre esses dados para que o estado e a população entendam as necessidades para o desenvolvimento de ações e apoio a essas instituições.

Biografia do Autor

Ruth Silva Lima da Costa, Universidade Federal do Acre Secretaria de Estado de Saúde Centro Universitário Uninorte
Possui graduação em Enfermagem pela Universidade Federal do Acre .Pós Graduação em Saúde da Família e em Gestão de Sistemas e Serviços de Saúde , especialista em Educação Profissional na área de Saúde, pela FIOCRUZ e Mestrado em Ciências da Saúde em andamento pela UFAC. Atualmente atua como Gerente da Unidade Técnica de Saúde na Área de Gestão de Saúde Pública da Secretaria de Estado de Saúde do ACRE. Atua ainda como parte do corpo docente da Faculdade Barão do Rio Branco - UNINORTE , ministrando aulas aos cursos de Medicina e Enfermagem.
Elisabeth Matos de Oliveira Elisabeth Matos de Oliveira, Centro Universitário Uninorte

Graduada em enfermagem pelo centro universitario uninorte

Larissa Iasmin Rocha Amasifuen Larissa Iasmin Rocha Amasifuen , Centro Universitário Uninorte

Graduada em enfermagem pelo Centro Universitário Uninorte

Rodrigo Batista de Oliveira Rodrigo Batista de Oliveira, Centro Universitário Uninorte

Graduado em enfermagem pelo Centro Universitario Uninorte

Referências

1. Ministério da Saúde. Vigilância de Câncer. Câncer da criança e adolescente no Brasil: dados dos registros de base populacional e de mortalidade. / Instituto Nacional de Câncer. Rio de Janeiro-RJ: Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA), 2018.

2. KERSUL, A.P. Enfrentamento do câncer: riscos e agravos. 41 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização) – Universidade Federal de Minas Gerais, Alfenas, 2014.

3. BARBOSA, I.R. Tendências e projeções da mortalidade pelos cânceres específicos ao gênero no Brasil. 2015. 126f. Tese (Doutorado em Saúde Coletiva) - Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2015.

4. RODRIGUES, J. S. M.; FERREIRA, N. M. L.A. Caracterização do Perfil Epidemiológico do Câncer em uma Cidade do Interior Paulista: Conhecer para Intervir. Revista Brasileira de Cancerologia, v.56, n.4, p.431-441, 2010.

5. GUIMARÃES, B. M. Estimativa 2014: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro-RJ: Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA), 2014.

6. STEWART, B. W . Cancer prevention as part of precision medicine: 'plenty to be done'. Oxford University Press, v.37, n.1, p.2-9, 2016.

7. INCA - Instituto Nacional de Câncer; Ministério da Saúde. Programa Nacional de Controle do Câncer de Mama. Rio de Janeiro-RJ: Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA), 2011.

8. OSHIRO, M. L. . Câncer de Mama Avançado como Evento Sentinela para Avaliação do Programa de Detecção Precoce do Câncer de Mama no Centro-Oeste do Brasil. Revista Brasileira de Cancerologia, v.60, n.1, p.15-23, 2014.

9. Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 874, de 16/05/2013. Institui a Política Nacional para a Prevenção e Controle do Câncer na Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS).

10. PARADA, R. A política nacional de atenção oncológica e o papel da atenção básica na prevenção e controle do câncer. Revista APS, v.11, n.2, p.199-206, 2008.

11. SALCI, M. A.; MARCON, S. S. Enfrentamento do câncer em família. Texto contexto – enfermagem, v.20, n.spe, p.78-186, 2011.

12. SOARES, M. V. B.; FORSTER, A. C.; SANTOS, M. A. Caracterização das Casas de Apoio a portadores de HIV/Aids em Ribeirão Preto (São Paulo, Brasil) e suas práticas de administração. Interface comunicação saúde educação, v.12, n.24, p.169-80, 2008.

13. REZENDE, A. M; SCHALL, V. T.; MODERNA, C. M. O "adolescer" e adoecer: vivência de uma adolescente com câncer. Aletheia, n.30, p.88-100, 2009.

14. ALVES, R. F. Qualidade de vida em pacientes oncológicos na assistência em casas de apoio. Aletheia, n.38-39, p.39-54, 2012.

15. LAFAURIE, M. M.. Mujeres em tratamiento de cáncer, acogidas por un Albergue de Apoyo: circunstancias y perspectivas de cuidado de Enfermería. Revista Colombiana de Enfermería, v.4, n.4, p.61-72, 2009.

16. SANTOS, J. A.; SIMÕES, I. A. R.; PEREIRA, M. I. M.. Convivência entre pacientes com câncer em uma casa de apoio. Ciência & Saúde, v.11, n.1, p.20-24, 2018.

17. FERREIRA, P. C. Sentimentos existenciais expressos por usuários da casa de apoio para pessoas com câncer. Escola Anna Nery, v.19, n.1, p.66-72, 2015.

18. MELO, R. G. C.; SAMPAIO, M. P. Casas de apoio: inserção e contribuições do assistente social no terceiro setor. Revista Científica Faminas. v.9, n.2, p.115-44, 2013.

19. LIMA, V. S. O impacto do câncer infantil e a importância do apoio solidário. Revista Inter-Legere, v.1, n.11, p.180-197, 2013.

20. SILVA, M. J. S. ; FIGUEIREDO, M. N. C.; SOUZA, T. A.. ABC do câncer: abordagens básicas para o controle do câncer / Instituto Nacional de Câncer. Rio de Janeiro-RJ: Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA), 2019.

21. FAN, S-Y.; EISER, C. Body image of children and adolescents with cancer: a systematic review. Body Image, v.6, n.4, p.247-256, 2009.

22. REZENDE, A. M. A criança e o adolescente com câncer em Casa de Apoio:: projetando vivências. Revista SBPH, v.16, n.1, p.3-32, 2013.

23. BORGES, A. K. Estimativa | 2018 Incidência de Câncer no Brasil. Rio de Janeiro-RJ: Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA), 2019.

24. HOWLADER, N. SEER Cancer Statistics Review, 1975-2014. National Cancer Institute, 2017. Disponível em: . Acesso em outubro de 2019.
Publicado
2020-01-22
Como Citar
da Costa, R. S. L., Elisabeth Matos de Oliveira, E. M. de O., Larissa Iasmin Rocha Amasifuen , L. I. R. A., & Rodrigo Batista de Oliveira, R. B. de O. (2020). PERFIL DE INDIVIDUOS ACOLHIDOS EM UMA CASA DE APOIO AO CÂNCER DO ACRE. South American Journal of Basic Education, Technical and Technological , 6(2), 439-450. Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/SAJEBTT/article/view/2982
Seção
Artigos Originais Ciências da Saúde