PLANIFICAÇÕES DE SÓLIDOS: APLICAÇÃO COMO INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA DE BAIXO CUSTO PARA O ENSINO DE CONCEITOS GEOMÉTRICOS PARA ALUNOS DE UMA ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL NO OESTE DO PARÁ

  • Agmar José de Jesus Silva Universidade Federal do Rio de Janeiro http://orcid.org/0000-0002-8604-173X
  • Benara Modesto de Sousa Universidade Federal do Amazonas
  • Ademir José de Jesus Silva Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso
Palavras-chave: Ensino-aprendizagem, Educação matemática, Sólidos geométricos, Aulas diferenciadas

Resumo

O presente artigo descreve uma intervenção pedagógica de baixo custo que consistiu na implementação de uma atividade de planificação de sólidos geométricos, aplicada na sala de aula, em uma turma de 7º ano do ensino fundamental da Escola Municipal Maestro Wilde Dias da Fonseca, localizada no munícipio Santarém/PA, região oeste do Pará. O objetivo do trabalho foi mostrar a importância do uso de aulas diferenciadas na disciplina de Matemática, como suporte ao professor e visando consolidar uma proposta alternativa para contribuir no processo de ensino-aprendizagem da turma. A metodologia adotada foi o Estudo de Caso, com Pesquisa-Ação, sendo a realidade-objeto da atividade desenvolvida a dinâmica do processo de ensino-aprendizagem na turma em questão. Adicionalmente, este trabalho descreveu brevemente uma abordagem teórica sobre metodologias diferenciadas e estudo de sólidos. Na aplicação desta atividade foi observado que os alunos compreenderam com mais facilidade e interagiram com o assunto trabalhado, revelando assim um aspecto bastante positivo da proposta. Ademais, percebeu-se que o uso da proposta tornou o processo de ensino-aprendizagem da matemática mais agradável na sala de aula, de modo que as atividades foram descentralizadas. Assim, os alunos assumiram um papel mais central, enquanto que o professor tornou-se predominantemente o mediador do conhecimento.

Biografia do Autor

Agmar José de Jesus Silva, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Químico, Bacharel e Licenciado. Doutor em Ciências (Polímeros) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (Coppe/UFRJ). Atua principalmente nas áreas de Extensão Universitária em Ciências, Ensino de Ciências e Química, Química, e Ciências e Engenharia de Materiais, com ênfase em materiais não metálicos (polímeros).

Benara Modesto de Sousa, Universidade Federal do Amazonas

Licenciada em Matemática pela Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA). Especialista em Educação Matemática pela Escola Superior Aberta do Brasil (ESAB). Atualmente é Técnica em Assuntos Educacionais na Universidade Federal do Amazonas (UFAM). Tem experiência na área de Matemática, com ênfase em Matemática, atuando principalmente nos seguintes temas: Ensino Aprendizagem de Matemática; Formação de Professores.

Ademir José de Jesus Silva, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso

Possui graduação de Licenciatura em Matemática pela Universidade Estadual de Góias pela (UEG) e Especialização em Docência do Ensino Superior pela Faculdade Brasileira de Educaçaõ e Cultura (FABEC). Atualmente é servidor público no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso (IFMT). 

Referências

[1] BERGAMO, M. O uso de metodologias diferenciadas em sala de aula: Uma experiência no ensino superior. Revista eletrônica interdisciplinar (UNIVAR), v. 2, n. 4, pp. 1─10, 2010.

[2] ALMEIDA, C.S. Dificuldades de aprendizagem em Matemática e a percepção dos professores em relação a fatores associados ao insucesso nesta área. Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade Católica de Brasília, DF, 2006.

[3] NASCIMENTO, A.A.S.B., et al. A geometria e o ciclo de alfabetização. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa, Caderno 05, MEC/SEB, Brasília, DF, 2014.

[4] KLUPPEL, G.T; BRANDT, C.F. Reflexões sobre o ensino da geometria em livros didáticos à luz da teoria de representações semióticas segundo Raymond Duval. In: IX Seminário de Pesquisa em Educação na Região Sul, Caxias do Sul, RS, 2012.

[5] BRASIL, MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO – SECRETARIA DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Elementos conceituais e metodológicos para definição dos direitos de aprendizagem e desenvolvimento do ciclo de alfabetização (1º, 2º e 3ºanos) do ensino fundamental. Brasília, DF, 2012.

[6] LOPES, T.I.D. Os Sólidos Geométricos. Disponível em: . Acessado em 08 de setembro de 2019.

[7] NOBRE, W.K. Tópicos de Geometria. Escola Superior Aberta do Brasil ─ ESAB, Vila Velha, ES, 2008.

[8] CARNEIRO, E.L. Sólidos geométricos (Revisões). Disponível em: < https://docplayer.com.br/8088776-Solidos-geometricos-revisoes.html >. Acessado em 03 de setembro de 2019.

[9] BALDISSERA, A. A geometria trabalhada a partir da construção de figuras e sólidos geométricos. Disponível em: . Acessado em 03 de setembro de 2019.

[10] SILVA, L.P.M. Planificação de sólidos geométricos. Disponível em:
. Acessado em 08 de agosto de 2019.

[11] MANFREDI, S. M. Metodologia do ensino: diferentes concepções. Disponível em: . Acessado em 08 de setembro de 2019.

[12] FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 29a Ed, Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

[13] SOBRAL, F.R., GOMES, C.J.G. Campos de utilização de metodologia ativa no ensino e assistência de enfermagem na produção nacional: Revisão integrativa. Revista da Escola de Enfermagem da USP – REEUSP, v. 46, n. 1, pp. 208─2018, 2012.

[14] SOUSA, F.S., SILVA, J.S., PARANHOS, J.D.N., DANTAS, S.M.M.M. As metodologias usadas por professores de ciências e biologia no processo de ensino/aprendizagem. Revista SBEnBIO, v. 7, pp. 2014─2022, 2014.

[15] ALBRECHT, L.D., KRÜGER, V. Metodologia tradicional x Metodologia diferenciada: a opinião de alunos. In: 33° Encontro de Debates sobre o Ensino de Química, Ijuí, RS, 2013.

[16] BERNARDELLI, K.C.C.A. A criança no Ciclo de Alfabetização: ludicidade nos espaços/tempos escolares. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Caderno 02/ Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, Diretoria de Apoio à Gestão Educacional, MEC/SEB, Brasília, DF, 2015.

[17] MAZZIONI, S. As estratégias utilizadas no processo de ensino-aprendizagem: concepções de alunos e professores de ciências contábeis. Revista Eletrônica de Administração e Turismo – ReAT, v. 2, n. 1, pp. 93─109, 2013.

[18] RUIZ, J. A. Metodologia científica: guia para eficiência nos estudos. 5ª Ed., São Paulo: Atlas, 2002.

[19] PETRUCCI, V.B.C., BATISTON, R.R. Estratégias de ensino e avaliação de aprendizagem em contabilidade. In: PELEIAS, I.R. Didática do ensino da contabilidade. São Paulo: Saraiva, 2006.

[20] GRANDO, R.C. O conhecimento Matemático e o uso de jogos na sala de aula. Tese (Doutorado). Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2000.

[21] PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS: Introdução aos parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental, MEC/SEF, Brasília, DF, 1997.

[22] TRISTÃO, R.M. Educação infantil: Saberes e práticas da inclusão, dificuldades acentuadas de aprendizagem ou limitações no processo de desenvolvimento. Secretaria de Educação Especial/MEC, 4ª Ed., Brasília, DF, 2006.

[23] DAHER, A.F.B. Aluno e Professor: protagonistas do processo de aprendizagem. Disponível em: . Acessado em 08 de agosto de 2019.

[24] KRÜGER, L.M, ENSSLIN, S.R. Método Tradicional e Método Construtivista de Ensino no Processo de Aprendizagem: uma investigação com os acadêmicos da disciplina Contabilidade III do curso de Ciências Contábeis da Universidade Federal de Santa Catarina. Revista Organizações em contexto, São Bernardo do Campo, v. 9, n.18, pp. 219─270, 2013.

[25] ALVES, R. A Alegria de Ensinar. 3ª Ed., São Paulo: ARS Poética Editora, 1994.
Publicado
2020-01-16
Como Citar
Silva, A. J. de J., Sousa, B. M. de, & Silva, A. J. de J. (2020). PLANIFICAÇÕES DE SÓLIDOS: APLICAÇÃO COMO INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA DE BAIXO CUSTO PARA O ENSINO DE CONCEITOS GEOMÉTRICOS PARA ALUNOS DE UMA ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL NO OESTE DO PARÁ. South American Journal of Basic Education, Technical and Technological , 6(2), 168-189. Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/SAJEBTT/article/view/2798
Seção
Artigos Originais Ciências Exatas e da Terra