PREVALÊNCIA DE BULLYING E VIOLÊNCIA ESCOLAR NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA

  • Nayara Costa Araújo Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP
  • Aníbal Monteiro de Magalhães Neto Universidade Federal de Mato Grosso – UFMT.

Resumo

Durante a prática de atividade física na escola, os alunos com menos habilidades e pouco desempenho motor acabam ficando em situação de maior vulnerabilidade, e como consequência são excluídos dos jogos e brincadeiras nas aulas, além de sofrerem agressões e intimidações. Diante disso, o objetivo deste estudo foi investigar a prevalência do fenômeno bullying nas aulas de Educação Física da rede estadual do Ensino Fundamental e identificar os tipos de bullying praticado pelos estudantes durante as aulas. Aplicou-se o questionário Kidscape à 780 alunos com idades entre 11 a 15 anos, em 8 escolas Estaduais do Ensino Fundamental durante as aulas de Educação Física, com o intuito de identificar as práticas de bullying frequentes nas instituições, as vítimas, os agressores e expectadores. Resultados apontaram que cerca de 34% dos participantes afirmaram ter sido vítima de bullying em algum momento de sua vida, 7,8 % afirmaram já terem sido autores deste tipo de agressão e 54% afirmaram ter sofrido bullying do tipo verbal. Estes achados apontam para a importância de se desenvolver ações que reduzam as situações de violência dentro da escola, tendo em vista as graves consequências físicas e psicológicas que esse fenômeno pode desencadear.

Biografia do Autor

Nayara Costa Araújo, Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP

Doutoranda em Educação Física pela Faculdade de Educação Física da Universidade Estadual de Campinas - FEF/UNICAMP

 

Aníbal Monteiro de Magalhães Neto, Universidade Federal de Mato Grosso – UFMT.
Departamento do curso de Educação Física da Universidade Federal de Mato Grosso – UFMT.

Referências

OLWEUS, D. School bullying: development and some important challenges. Annu Rev Clin Psychol, v.9, n.1, p.751-780, 2013.

OLIVEIRA, W. A. et al. Experiences and perceptions of discrimination re-lated to bullying among Brazilian students. Maltrattamento e abuso all’infanzia, v. 18, n. 1, p. 13-38, 2016.

ALBUQUERQUE et. al. Bullying na concepção de estudantes do ensino fundamental de uma escola pública. Rev Enferm UFSM. v.5, n.3, p. 444-453, 2015.

BENDER, D; LÖSEL, F. Bullying at school as a predictor of delinquency, violence and other anti-social behaviour in adulthood. Crim Behav Ment Health, v.1, n.21, p. 99-106, 2011.

VIENO, A; GINI, G; SANTINELLO, M. Different forms of bullying and their association to smoking and drinking behavior in Italian adolescents. J Sch Health, v.81, p. 393-9, 2011.

ANDRADE, S et al. Relação entre violência física, consumo de álcool e outras drogas e bullying entre adolescentes escolares brasileiros. Cad. Saúde Pública. v.28, n.9, p.1725-1736, 2012.

ALVES, G. G; AROSSI, G. A; HAAS, M. F; DOS SANTOS, A. M. P. V; TOVO, M. F. Bulliyng e o comportamento de jovens de escolas de ensino fundamental. Cinergis, Santa Cruz do Sul, v.18, n. 1, p. 418-423, 2017.

GARBIN, C.A. S.; GATTO, R. C. J.; GARBIN, A. J. Í. Prevalência de bullying em uma amostra representativa de adolescentes brasileiros. Arch Health Invest. v. 5, n. 5, p; 256-261, 2016

ZEQUINÃO, M.; A et al. Vulnerabilidade e bullying escolar: interfaces teóricas possíveis. Pensar a Prática, Goiânia, v. 20, n. 3, p. 614-28, 2017.

LINHARES, R. D.; FARIA, J. P. O.; LINS, R. G. O bullying na educação física escolar e sua diferença entre meninos e meninas. Pensar a Prática, Goiânia, v. 16, n. 2, 2013.

SCARPA, S. et al. Peer-victimization during physical education and enjoyment of physical activity. Percept Mot Skills, v. 115, n. 1, p. 319-24, 2012.

BOMFIM, D. et al. Ocorrência de bullying nas aulas de Educação Física em uma escola do Distrito Federal. Pensar a Prática, Goiânia, v. 15, n. 2, 2012.

MALTA, D. C.; SILVA, M. A. I.; MELLO, F. C. M. D.; MONTEIRO, R. A.; SARDINHA, L. M. V.; CRESPO. C.; PORTO, D. L. Bullying nas escolas brasileiras: resultados da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE). Cien Saude Colet. v. 15, n. 2, p. 3065-3076, 2010.

DO NASCIMENTO, K. B.; DE ROSSO, K. R. U. G. M.; DA COSTA, F. T. L.; DO NASCIMENTO, B. B. Bullying entre escolares: Um estudo descritivo na cidade de cruz alta/rs. Reflexão e Ação. v. 21, n. 1, p. 196-218, 2013.

OLIVEIRA, W. A. et al. Experiences and perceptions of discrimination re-lated to bullying among Brazilian students. Maltrattamento e abuso all’infanzia, v. 18, n. 1, p. 13-38, 2016.

NESELO F et al. Características da violência escolar no Brasil: revisão sistemática de estudos quantitativos. Rev. Bras. Saúde Matern. Infant, v.14, n.2, p.119-136, 2014

.

BANDEIRA C. D. E. M.; HUTZ C. S. Bullying: prevalência, implicações e diferenças entre os gêneros. Psicol Esc Educ. v.16, n. 1, p. 35-44, 2012.

LEMSTRA, M.; ROGERS, M.; REDGATE, L.; GARNER, M.; MORAROS, J. Prevalence, risk indicators and outcomes of bullying among on reserve First Nations youth. Can J Public Health. v. 102, p. 462-6, 2011.

RECH, R. R.; HALPERN, R.; TEDESCO, A.; SANTOS, D. F. Prevalência e características de vítimas e agressores de bullying. J Pediatr. v. 89, n.2, p. 164−170, 2013.

JABES, V. R. G.; OLIVEIRA, J. B. C. O bullying escolar na perspectiva do gênero masculino e feminino. Colloquium Humanarum. v.10, n. 2, p. p63-78, 2013.

DE MOURA, D.R.; CRUZ, A.C.; QUEVEDO, L.A. Prevalence and characteristics of school age bullying victims. J Pediatr. v. 87, n. 1, p. 19-23, 2011.

Publicado
2020-01-22
Como Citar
Araújo, N. C., & de Magalhães Neto, A. M. (2020). PREVALÊNCIA DE BULLYING E VIOLÊNCIA ESCOLAR NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA. South American Journal of Basic Education, Technical and Technological , 6(2), 358-367. Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/SAJEBTT/article/view/2750
Seção
Artigos Originais Ciências da Saúde