UNIDADE DE ENSINO POTENCIALMENTE SIGNIFICATIVA (UEPS): O TEMA ÁCIDOS E BASES EM UMA PROPOSTA DE ENSINO VOLTADA PARA A INCLUSÃO DE ESTUDANTES COM DEFICIÊNCIA VISUAL

  • Gabriela Rosangela dos Santos Universidade Federal de Santa Catarina

Resumo

Este estudo propõe e investiga as potencialidades de uma UEPS para a abordagem do conteúdo de ácidos e bases, em uma proposta de ensino inclusivo para estudantes com deficiência visual (DV). Para esta pesquisa, foi aplicada uma sequência de aulas em uma turma do primeiro ano do Ensino Médio de uma instituição pública de ensino. As atividades desenvolvidas foram: investigação dos conhecimentos prévios, aplicação de uma WebQuest, atividade experimental, aula expositiva dialogada e construção em conjunto de um mapa conceitual. Durante o processo, houve a participação ativa dos estudantes, sendo possível observar a evolução da construção do conhecimento. Entretanto, esse estudo mostrou que a inclusão de estudantes com deficiência visual nas aulas de Química é influenciada por diversos fatores, entre os quais: necessidade de materiais adaptados, colaboração dos estudantes sem deficiência e aceitação do sujeito com deficiência visual em relação a própria deficiência.

Biografia do Autor

Gabriela Rosangela dos Santos, Universidade Federal de Santa Catarina
Licenciatura em Química

Referências

SCHNETZLER, R. P.; ARAGÃO, R. M. R. Importância, sentido e contribuições de pesquisas para o ensino de Química. Química Nova na Escola, São Paulo, n. 1, p.27-31, 1995.

SCHNETZLER, R. P. A pesquisa no ensino de Química e a importância da Química Nova na Escola. Química Nova na Escola, São Paulo, n. 20, p.49-54, 2004.

BRASIL. Secretaria de Educação Básica. Ministério da Educação. Orientações

Curriculares para o Ensino Médio - Ciências da Natureza, Matemática e suas

Tecnologias. Brasílias: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2006. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/book_volume_02_internet.pdf

AUSUBEL, D. P; NOVAK, J. D.; HANESIAN. Psicologia Educacional. Rio de Janeiro: Interamericana, 1980.

MOREIRA, M. A. Aprendizagem significativa, organizadores prévios, mapas conceituais, diagramas V e unidades de ensino potencialmente significativas. Material de apoio para o curso Aprendizagem Significativa no Ensino Superior: Teorias e Estratégias Facilitadoras. PUCPR, 2013. Disponível em: http://www.profjudes.unir.br/uploads/44444444/arquivos/TAS_1518397339.pdf

BRASIL. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. PCN+ Ensino Médio:

orientações educacionais complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais.

Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília: MEC, SEMTEC, 2002.

RABER, D. A. Aprendizagem significativa no ensino de ciências: uma proposta de unidade de ensino potencialmente significativa sobre energia e ligações químicas. 2015. 106 f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática,) - Universidade de Caxias do Sul, Caxias do Sul, 2015.

SOUZA, K. R. A. P. Unidade de ensino potencialmente significativa (UEPS) para o ensino-aprendizagem de isomeria. 2015. 19 f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências da Natureza) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2015.

RAMOS, A. Farias; SERRANO, A. Uma proposta para o ensino de estereoquímica cis/trans a partir de uma unidade de ensino potencialmente significativa (UEPS) e do uso de modelagem molecular. Experiências em Ensino de Ciências, [S.l], v. 10, n. 3, p.94-106, 2015.

VENDRUSCOLO, T. Limites e possibilidade de uma unidade de ensino potencialmente significativa (UEPS) para o ensino de propriedades físicas de compostos orgânicos. 2017. 116 f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática) - Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo, 2017.

SANTANA, I. S.; MAZZÉ, F. M.; SILVA JÚNIOR, C. N. Água como tema gerador em uma unidade de ensino potencialmente significativa para abordar conceitos químicos. Aprendizagem Significativa em Revista, Natal, v. 7, n. 3, p.20-42, 2017.

BENITE, C. R. M. et al. A experimentação no Ensino de Química para deficientes visuais com o uso de tecnologia assistiva: o termômetro vocalizado. Química Nova na Escola, São Paulo, v. 39, n. 3, p.245-249, 2017a.

BENITE, C. R. M.; et al. O uso de tecnologia assistiva para identificação de substâncias ácidas e básicas: o pHmetro vocalizado. In: 57º CBQ – Congresso Brasileiro de Química, 2017b, Gramado. Anais... Gramado: 2017b.

GONÇALVES, F. P. et al. A Educação Inclusiva na Formação de Professores e no Ensino de Química: A Deficiência Visual em Debate. Química Nova na Escola, São Paulo, p. 264-271, 2013.

MARRA, N. N. S. et al. Atividade experimental de química para uma turma inclusiva com um estudante cego: a importância do estudo do contexto. Experiências em Ensino de Ciências, [S.l], v.12, n. 8, p.14-30, 2017.

VITORIANO, F. A. et al. Promoting Inclusive Chemistry Teaching by Developing an Accessible Thermometer for Students with Visual Disabilities. Journal of Chemical Education, [S.l], v. 93, n. 12, p. 2046-2051, 2016.

GRAYBILL, C. M. Low-Cost Laboratory Adaptations for Precollege Students Who Are Blind or Visually Impaired. Journal of Chemical Education. New Providence, p. 243-247, 2008.

SÁ, E. D.; CAMPOS, I. M.; SILVA, M. B. C. Atendimento Educacional

Especializado: deficiência visual. Brasília: SEESP/ SEED/ MEC, 2007.

SUPALO, C. A.; ISAACSON, M. D.; LOMBARDI, M. V. Making Hands-On Science Learning Accessible for Students Who Are Blind or Have Low Vision. Journal of Chemical Education, [S.l] v. 91, n. 2, p. 195-199, 2014.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretária de Educação Continuada, Alfabetização,

Diversidade e Inclusão. Grafia Química Braille para Uso no Brasil / elaboração: RAPOSO, Patrícia Neves...[et al.]. Secretária de Educação Continuada, Alfabetização,

Diversidade e Inclusão – Brasília: SECADI, 2017. 3ª edição.

OLIVEIRA, A. M. Concepções Alternativas de Estudantes do Ensino Médio sobre ácidos e Bases: um estudo de caso. 2008. 63 f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde) - Universidade Federal do Rio Grande de Sul, Porto Alegre, 2008.

FLEMING, J. W. A criança excepcional: diagnóstico e tratamento. Rio de Janeiro: F. Alves, 1978.

FIGUEIRA, A. C. M.; ROCHA, J. B. T. Investigando as concepções dos estudantes do ensino fundamental ao superior sobre ácidos e bases. Revista Ciências&ideias, [S.l], v. 3, n. 1, p. 1-21, 2011.

SILVA, V. A.; SOARES, M. H. F. B. O uso das tecnologias de informação e comunicação no ensino de Química e os aspectos semióticos envolvidos na interpretação de informações acessadas via web. Ciência&Educação. Bauru, p. 639-657. 2018.

BERSCH, R. Introdução à Tecnologia Assistiva. Porto Alegre, 2013.

BAXTER, G. P.; GLASER, R. Investigating the Cognitive complexity of Science Assessments. Education Measurement: Issues and Practice, [S.l], v. 17, n. 3, p. 37-45 1998.

BRASIL. Subsecretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com deficiência. Tecnologia Assistiva. Brasília: CORDE, 2009. Disponível em: https://www.pessoacomdeficiencia.gov.br/app/sites/default/files/publicacoes/livro-tecnologia-assistiva.pdf

BARROS, A. B.; SILVA, S. M. M.; COSTA, M. P. R. Dificuldades no processo de inclusão escolar: percepções de professores e de alunos com deficiência visual em escolas públicas. Bol. Acad. Paulista de Psicologia. São Paulo, v.35, n. 88, p. 145-163, 2015.

Publicado
2019-08-01
Seção
Artigos de Ciências da Vida