CONCEPÇÕES DE MODELAGEM MATEMÁTICA PRESENTES EM PESQUISAS BRASILEIRAS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

  • Daniel Santos Carvalho INSTITUTO FEDERAL DO MARANHÃO

Resumo

A Modelagem Matemática na Educação Matemática tem apresentado diferentes concepções em pesquisas no Brasil como “Ambiente de Aprendizagem”, “Alternativa Pedagógica”, “Perspectiva de Ensino”, “Estratégia de Ensino e Aprendizagem”, “Alternativa Metodológica”, entre outras. Observa-se que dependendo da concepção adotada pelo pesquisador e/ou professor, manifestam-se ações distintas para desenvolvê-la nas salas de aula. Este artigo tem o propósito de analisar as concepções de Modelagem Matemática evidenciadas nas Comunicações Científicas e nos Relatos de Experiências publicados na X Conferência Nacional de Modelagem Matemática, CNMEM, realizada em 2017. Em particular, procurou-se compreender quais concepções de Modelagem foram adotadas nas pesquisas desenvolvidas no Ensino Médio a fim de obter informações que contribuam para o trabalho que está sendo desenvolvido pelo primeiro autor em pesquisa de doutorado. A abordagem é predominantemente qualitativa, a partir da análise de documentos, na medida em que se tem o interesse de ler, estudar, classificar e referenciar os artigos publicados neste importante evento nacional. Como resultado, constatou-se que há predominância das concepções de “Alternativa Pedagógica” e “Ambiente de Aprendizagem” nos trabalhos publicados, e que a maioria dos trabalhos trouxe contribuições para o processo de Ensino e Aprendizagem da Matemática em Nível Superior.

Biografia do Autor

Daniel Santos Carvalho, INSTITUTO FEDERAL DO MARANHÃO
Possui graduação em Licenciatura Plena em Ciências com Habilitação Matemática pela Universidade Estadual do Maranhão (2002). É especialista em Metodologia do Ensino e da Pesquisa em Matemática e Física pela Faculdade Integrada de Amparo.(2003). Possui Mestrado Profissional em Matemática - PROFMAT - UFT. (Palmas - 2013). Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática - PPGECEM, da Rede Amazônica de Educação em Ciências - REAMEC, vinculado ao Pólo Acadêmico da Universidade Federal do Pará - UFPA. Atualmente é professor de matemática do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão - Campus Imperatriz.

Referências

BIEMBENGUT, Maria Salett. Modelagem Matemática: Mapeamento das Ações Pedagógicas dos Educadores de Matemática. Tese de Pós - Doutorado, USP, São Paulo - SP, 2003.

D’AMBRÓSIO, U. Da realidade à ação: reflexos sobre educação e matemática.São Paulo:Summus, 1986.

BASSANEZI, Rodney Carlos. Ensino-aprendizagem com modelagem matemática: uma nova estratégia. 3. Ed., São Paulo: Contexto, 2011.

BARBOSA, J. C. Modelagem na Educação Matemática: contribuições para o debate teórico. In: Reunião Anual da ANPED, 24., 2001, Caxambu. Anais... Rio Janeiro: ANPED, 2001. Disponível em http://www.ufrgs.br/espmat/disciplinas/funcoes_modelagem/modulo_I/modelagem_barbosa.pdf , Acesso em 19 fev. 2018.

BIEMBENGUT, M. S.; HEIN, N. Modelagem Matemática no Ensino. 5 Ed. – São Paulo: Contexto, 2013.

BURAK, D. Modelagem matemática: ações e interações no processo de ensino aprendizagem. Tese de Doutorado. Campinas, Unicamp, 1992.

KLÜBER; T. E.; BURAK, D.. Concepções de Modelagem Matemática: Contribuições Teóricas. Educ. Mat. Pesqui., São Paulo, v. 10, n. 1, p. 17-34, jan.-jun., 2008.

ALMEIDA, L. M. W.; SILVA, K. P.; VERTUAN, R. E. Modelagem Matemática na Educação Básica. 1ª Ed., 1ª reimpressão – São Paulo: Contexto, 2013.

MEYER, J. F. C. A.; CALDEIRA, A. D.; MALHEIROS, A. P. S. Modelagem em Educação Matemática. Belo Horizonte, MG: Autêntica Editora, 2011.

MAGNUS, Maria Carolina M. História da Modelagem Matemática na Educação Matemática Escolar Brasileira. In: Encontro Brasileiro de Estudantes de Pósgraduação em Educação Matemática, GD10: Modelagem Matemática, XIX, 2015, Juiz de Fora. Anais…Juiz de Fora: EBRAPEM, 2015. p. 1-12.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2017.

SAEB 2017 – Sistema de Avaliação da Educação Básica. INEP - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Ministério da Educação. Disponível em: https://medium.com/@inep/resultados-do-saeb-2017-f471ec72168d. Acesso em 14 dez. 2018.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5.ed. São Paulo: Atlas, 2010.

ALMEIDA, L. M. W.; BRITO, D. S. Atividades de Modelagem Matemática: que sentido os alunos podem lhe atribuir? Ciência e Educação, v.11, n. 3, p. 483- 498, 2005a.

ALMEIDA, L. M. W.; DIAS, M. R. Um estudo sobre o uso da Modelagem Matemática como estratégia de ensino e aprendizagem. Bolema, ano 17, n. 22, p.19-35, 2004.

SKOVSMOSE, O. Cenários para Investigação. In: Bolema - Boletim de Educação Matemática, Rio Claro, n.14, p. 66-91, 2000.

KLÜBER, T. E. Um olhar sobre a Modelagem Matemática no Brasil sob algumas categorias fleckianas. Alexandria Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, v. 2, n. 2, p. 219- 240, 2009.

PISA 2015 – Programme for International Student Assessment (Programa Internacional de Avaliação de Estudantes). OCDE - Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico. Disponível em: http://www.oecd.org/pisa/pisa-2015-Brazil-PRT.pdf. Acesso em 05 jan. 2019.

BARBOSA, J. C. Modelagem Matemática: O que é? Por quê? Como? Veritati, Salvador, n. 4, p.7-80, 2. Sem. 2004.

ALMEIDA, L. M. W.; SILVA, K. A. P. Práticas de Professores com Modelagem Matemática: Algumas Configurações. Educação Matemática Revista, São Paulo, n. 46, set. p. 6-15, 2015.

BIEMBENGUT, M. S; HEIN, N. Modelagem Matemática no Ensino. São Paulo: Ed. Contexto, 2005.

Publicado
2019-08-01
Como Citar
Carvalho, D. S. (2019). CONCEPÇÕES DE MODELAGEM MATEMÁTICA PRESENTES EM PESQUISAS BRASILEIRAS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA. South American Journal of Basic Education, Technical and Technological , 6(1). Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/SAJEBTT/article/view/2447
Seção
Artigos Originais Ciências Exatas e da Terra