ASPECTOS EPIDEMIOLOGICOS DA LEISHMANIOSE TEGUMENTAR AMERICANA NO ESTADO DO ACRE (2007-2015)

  • Sandra Cristina Bezerra Almeida

Resumo

Este estudo tem como objetivo descrever o perfil epidemiológico da população acometida pela Leishmaniose Tegumentar Americana (LTA), no período de 2007 a 2015, no Estado do Acre. Os dados coletados foram obtidos através do SINAN, referentes ao sexo, idade, escolaridade, zona de residência, forma clínica e critério de confirmação. Os dados da população foram coletados do Sistema de Informação do Ministério da Saúde (TabNet). Durante o período analisado foram registrados 9.706 casos, distribuídos no agrupamento das três regionais, tendo a Regional Baixo Acre e Purus contribuído com 52,75 % dos casos. O predomínio foi do sexo masculino (71,25%). Os adultos que estão na fase produtiva (20-39 anos) foram os mais afetados (35,84%). A zona Rural contribuiu com 60,27%, e a forma cutânea da doença com 83%. A Regional Alto Acre, apresentou a maior incidência dentre as regionais do estudo, mostrando-se como um problema de saúde pública regional. Desta forma, devem ser implementadas medidas para o controle e o combate da doença em todo o Estado.

Palavras chaves: Leishmaniose, Epidemiologia, Regionais.

Referências

REFERENCIA

MURBACK NDN, HANS-FILHO G, NASCIMENTO RAF, NAKAZATO KRO, DORVAL MEMC. Leishmaniose Tegumentar Americana: estudo clínico, epidemiológico e laboratorial realizado no Hospital Universitário de Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Brasil. An Bras Dermatol. 2011;86(1):55-63.

NETO FXP, RODRIGUES AC, SILVA LL, PALHETA ACP, RODRIGUES LG, SILVA FA. Manifestações Otorrinolaringológicas Relacionadas à Leishmanisoe Tegumentar Americana: Revisão de Literatura. Arq. Int. Otorrinolaringol. / Intl. Arch. Otorhinolaryngol., São Paulo, v.12, n.4, p. 531-537, 2008.

FRANÇA EL, MANDADORI MN, JULIANA LUZIA FRANÇA JL, BOTELHO ACF, FERRARI CKB, HONÓRIO-FRANÇA AC. Aspectos epidemiológicos da Leishmaniose Tegumentar Americana no município de Juína, Mato Grosso, Brasil. Scientia Medica, Porto Alegre, v. 19, n. 3, p. 103-107, jul./set. 2009

MACHADO-PINTO J, PINTO J, COSTA CA, GENARO O, MARQUES MJ, MOBABBER F, et al. Immunochemotherapy for cutaneous leishmaniasis: a controlled trial using killed Leishmania (Leishmania) amazonensis vaccine plus antimonial. Int J Dermatol. 2002; 41:73-8.

CHAVES RCG. Avaliação Epidemiológica da Leishmaniose Tegumentar Americana no Estado do Amapá em 2002. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. Vol. 36 (Suplemento II), 2003

BRILHANTE AF, MELCHIOR LAK, NUNES VLB, CARDOSO CO, GALATI EA. Epidemiological aspects of American cutaneous leishmaniasis (ACL) in an endemic area of forest extractivist culture in western Brazilian Amazonia, Rev Inst Med Trop São Paulo. 2017;59: e12.

SILVA-NUNES M, CAVASINI CE, SILVA NS, GALATI EAB. Epidemiologia da Leishmaniose Tegumentar e descrição das populações de flebotomíneos no município de Acrelândia, Acre, Brasil. Revista Brasileira de Epidemiologia, v.11, n.2, p.241-251, 2008.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (Brasil).

ANDRADE TAS, SOARES FCS, RAMOS JVA, FAUSTINO MAG. Perfil epidemiológico dos casos notificados de leishmaniose tegumentar americana no município de Igarassu (PE) no período de 2008 a 2010. Scire Salutis, Aquidabã, v.2, n.2, p.5‐15, 2012.

LIMA AP, MINELLI L, TEODORO U, COMUNELLO E. Distribuição da leishmaniose tegumentar por imagens de sensoreamento remoto orbital, no Estado do Paraná, Brasil. An bras Dermatol, Rio de Janeiro, 77(7):681-692, nov./dez. 2002

DIAS ES, FRANÇA-SILVA JC, SILVA JC, MONTEIRO EM, PAULA KM, GONÇALVES CM, BARATA RA. Flebotomíneos (Diptera: Psychodidae) de um foco de leishmaniose tegumentar no Estado de Minas Gerais. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 40(1):49-52, jan-fev, 2007

GUERRA JAO, BARBOSA MGV, LOUREIRO ACSP, COELHO CP, ROSA GG, COELHO LIACR. Leishmaniose tegumentar americana em crianças: aspectos epidemiológicos de casos atendidos em Manaus, Amazonas, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 23(9):2215-2223, set, 2007

AMPUERO J, MACÊDO V, MARSDEN P. Características clínicas da leishmaniose tegumentar em crianças de 0 a 5 anos em uma área endêmica de Leishmania (Viannia) braziliensis. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 39(1):22-26, jan-fev, 2006

DA-SILVA LMR, CUNHA PR. A urbanização da leishmaniose tegumentar americana no município de Campinas – São Paulo (SP) e região: magnitude do problema e desafios. Anais Brasileiro de Dermatologia 2007; 82(6):515-9.

SILVA NS, MUNIZ VD. Epidemiologia da leishmaniose tegumentar americana no Estado do Acre, Amazônia brasileira. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 25(6):1325-1336, jun, 2009.

PASSOS VMA, FALCÃO AL, MARZOCHI MCA, GONTIJO CMF, DIAS ES, BARBOSA-SANTOS EGO, GERRA HL, KARTZ N. Epidemiological aspects of Americam Cutaneous Leishmaniasis in a periurban área of metropolitan region of Belo Horizonte, Minas Gerais, Brazil. Mem. Inst. Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, Vol. 88(1):103-110, jan/mar.1993.

GRAZIANI D, OLIVEIRA VAC, SILVA RC. Estudo das características epidemiológicas da leishmaniose tegumentar americana no estado de Goiás, Brasil, 2007-2009 Rev Patol Trop Vol. 42 (4): 417-424. out.-dez. 2013

NASCIMENTO APC, ALVES JB, CARDOSO VSMM, BRITO WI. Aspectos epidemiológicos da Leishmaniose Tegumentar Americana no município de Primavera do Leste, Mato Grosso, MT, Brasil. Saúde Coletiva, vol. 8, núm. 53, 2011

VALADÃO CDS, BARCELOS BI, GOES RV ET AL. Estudo da ocorrência de leishmaniose tegumentar americana no município de Ji-Paraná, 2005-2015. Brazilian Journal of Surgery and Clinical Research. Vol. 16, nº 3, pp.62-66, set-Nov 2016.

BASANO, AS, CAMARGO, LMA. Leishmaniose tegumentar americana: histórico, epidemiologia e perspectivas de controle. Revista Brasileira de Epidemiologia, [s.l.], v. 7, n. 3, p.328-337, set. 2004.

CAMARGO-NEVES VLF, BRASIL MTLRF. Leishmaniose Tegumentar Americana no Estado de São Paulo: Situação Epidemiológica 2001 – 2002. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, Vol. 36 (Suplemento II), 2003

Publicado
2019-08-01
Seção
Artigos de Ciências da Vida