QUALIDADE FÍSICO-QUÍMICA, MICROBIÓLOGICA E A TOXICIDADE DE CORPOS HÍDRICOS DO PARQUE TECNOLÓGICO VANDECI RACK EM JI-PARANÁ, RONDÔNIA

  • Evllen Cardoso Dias Centro Universitário Luterano de Ji-Paraná (CEULJI/ULBRA).
  • Anna Luiza Simioni Ferrari Centro Universitário Luterano de Ji-Paraná (CEULJI/ULBRA).
  • Fabiana da Silva Centro Universitário Luterano de Ji-Paraná (CEULJI/ULBRA).
  • Rafael Binow Schmidt Centro Universitário Luterano de Ji-Paraná (CEULJI/ULBRA).
  • Jessica da Silva Salvi Faculdade Panamericana de Ji-Paraná (UNIJIPA)
  • Jeferson de Oliveira Salvi Faculdade Panamericana de Ji-Paraná (UNIJIPA)

Resumo

A água é um recurso natural valioso para o planeta terra, está diretamente associada à composição e à sobrevivência de grande parte dos seres vivos. A água destinada para o consumo humano é aquela cujos os paramentos físico-químicos, microbiológicos e radioativos atendam ao padrão de potabilidade. O objetivo do presente estudo foi analisar os parâmetros físico-químicos, a toxicidade e os aspectos microbiológicos de corpos hídricos no parque tecnológico Vandeci Rack em Ji-Paraná, Rondônia. As amostras foram coletadas em três pontos: P1 (lagoa 1), P2 (nascente) e P3 (lagoa 2), em seguida, foram conduzidas para as análises físico-químicas, obedecendo aos critérios do Conselho Nacional do Meio Ambiente, investigou-se a presença de coliformes totais e termotolerantes e a ecotoxicidade frente à Artemia salina. Os parâmetros físico-químicos alterados foram o aspecto in natura que se apresentou turvo, a amônia encontrando-se em média 22 vezes acima do valor de referência, o ferro 2,6 vezes acima do permitido e o manganês apresentando-se pouco elevado. Evidenciou-se a contaminação por coliformes totais nos pontos P2 e P3, bem como, a presença de coliformes termotolerantes em todas as amostras avaliadas. Os resultados do ensaio de citotoxicidade P1 inviabilizou o cálculo da dose letal mediana (DL50), do mesmo modo, se observou para o ponto P3, embora tenha sido registrado % de mortalidade para algumas das diluições testadas, porém, sem um R2 expressivo. Em contrapartida para o ponto P2, a DL50 foi avaliada como atóxica. Conclui-se que os corpos hídricos analisados demonstraram-se impróprios para o consumo humano.

Biografia do Autor

Jessica da Silva Salvi, Faculdade Panamericana de Ji-Paraná (UNIJIPA)
Bióloga, mestre em produção vegetal, docente  da disciplina de Gestão Ambiental na Faculdade Panamericana de Ji-Paraná (UNIJIPA).
Jeferson de Oliveira Salvi, Faculdade Panamericana de Ji-Paraná (UNIJIPA)
Farmacêutico, mestre em Biologia Celular e Molecular, docente do curso de Fármacia na Faculdade Panamericana de Ji-Paraná (UNIJIPA).

Referências

COSTA, E. T. D. S; MELO, E. M. D. S. C. Utilizando a planilha calc. Para redescobrir conceitos matemáticos no consumo da água através da modelagem matemática. (Monografia) Licenciatura em Matemática. Universidade Estadual de Goiás, (Posse), 2016.

COLVARA, J G; LIMA, SILVA, A S; SILVA, W P. Avaliação da contaminação de água subterrânea em poços artesianos no sul do Rio Grande do Sul. Brazilian Journal of Food Technology, v. 2, p. 11-14, 2009.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. CONAMA. Resolução no 01, de 23 de

janeiro de 1986. Disponível em < http://www.mma.gov.br/port/conama/legislacao/CONAMA_RES_CONS_1986_001.pdf>, [acesso em 20 de Out 2017]

NOGUEIRA, F. F; COSTA, I. A; PEREIRA, U. A. Análise de parâmetros físico-químicos da água e do uso e ocupação do solo na sub-bacia do Córrego da Água Branca no município de Nerópolis – Goiás. (Monografia) Bacharelado em Engenharia Ambiental e Sanitária. Universidade Federal de Goiás, (Goiânia), 2015.

MATOS, D. J; FERREIRA, H. A. Qualidade físico-química da água utilizada no abastecimento de Rio Verde-GO. (Monografia) Bacharelado em Engenharia Ambiental, Universidade de Rio Verde, (Goiânia), 2012.

SILVA, C. H. R. T. Senado Federal. Núcleo de Estudos e Pesquisas. Recursos Hídricos e Desenvolvimento Sustentável no Brasil. Boletim informativo Nº 23, 2012. Disponível em: <https://www12.senado.leg.br/publicacoes/estudos-legislativos/tipos-de-estudos/outras-publicacoes/temas-e-agendas-para-o-desenvolvimento-sustentavel/recursos-hidricos-e-desenvolvimento-sustentavel-no-brasil>, [Acesso em 31 Jan 2019].

VANUCHI, V. C. F; SERPA, A. S. H; SANTOS, R. R; BAPTISTA, J. A. A; ZAN, R. A. análise do potencial mutagênico em afluentes do rio Ji-paraná influenciados pela emissão de rejeitos de uma indústria de laticínios e um curtume no município de Presidente Médici-RO, BRASIL. South American Journal of Basic Education Technical and Technological. v. 2, n. 1, p. 68- 73, 2015.

FRANCO, R. A. M. Qualidade da água para irrigação na microbacia do Coqueiro, Estado de São Paulo. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, p. 772-780, 2009.

SANTOS, M. C. V; SILVA, N. M; RODRIGUES, R. Análise comparativa da recuperação de trecho de mata ciliar (rio Cuiabá, Cuiabá-MT) em quadrantes submetidos a diferentes condições de manejo. Caderno de Publicações. UNIVAG centro universitário, n.2, 2015.

FREITAS, L. M. Qualidade da água com diferentes usos do solo na bacia hidrográfica do rio São João. (Dissertação) Pós Graduação Em Engenharia Sanitária E Ambiental. Universidade Estadual De Ponta Grossa, 2016.

RUFINO, P. C. H.; SOBRAL, F. D. O. S. Avaliação Da Eficiência De Metodologias De Desinfecção Simples Para Água De Rio Utilizada Para Consumo. South American Journal of Basic Education Technical and Technological. v. 5, n. 1, p. 8-18, 2018.

SASIKARAN, S; SRITHARAN, K; BALAKUMAR, S; ARASARATNAM, V. Physical, chemical and microbial analysis of bottled drinking water. Ceylon Medical Journal, v. 57, n. 3, 2012.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. CONAMA. Resolução no 357, de 17 de

março de 2005. Disponível em <http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codle gi=459>, [acesso em 20 de Out 2017].

SPERLING, M.V.; Introdução à Qualidade das Águas e Tratamento de Esgotos. 3. ed. Belo Horizonte: Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental; Universidade Federal de Minas Gerais; 2005.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria Nº 2.914, de 12 de dezembro de 2011. Sistema de Legislação da Saúde. Disponível em <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2914_12_ 12_2011.html>, [acesso em 01 de Mai 2018].

BRASIL. Governo do estado de Rondônia. Desenvolvimento. Maior feira de agronegócios da região Norte, Rondônia Rural Show ganha espaço próprio em Ji-Paraná. Disponível em: http://www.rondonia.ro.gov.br/maior-feira-do-agronegocio-da-regiao-norte-rondonia-rural-show-ganha-espaco-proprio-em-ji-parana/, [acesso em 30 Jan 2019].

ABNT, Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 9898. Preservação e técnicas de amostragem de efluentes líquidos e corpos receptores. Rio de Janeiro, 1987. Disponível em < http://licenciadorambiental.com.br/wp-content/uploads/2015/01/NBR-9.898-Coleta-de-Amostras.pdf>, [acesso em 31 Jan 2019].

APHA. American public health association. Microbiological examination of water. In: Standard methods for the examination of water and wastewater. Washington, 1998.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução no 275, de 22 de setembro de 2005. Disponível em <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saude legis/anvisa/2005/rdc0275_22_09_2005.html>, [acesso em 18 de set 2018].

MEYER, B. N; FERRIGNI, N R; PUTNAM, J E; JACOBSEN; L B; NICHOLS, D E; MCLAUGHLIN, J L.; Brine shrimp: a convenient general bioassay for active plant constituents. Planta medica, v. 45, n. 05, p. 31-34, 1982.

RAJEH, M. A. B; et al. Acute toxicity impacts of Euphorbia hirta L extract on behavior, organs body weight index and histopathology of organs of the mice and Artemia salina. Pharmacognosy Research, v. 4, n. 3, p. 170-177, 2012.

BARCELOS I. B; et al. Análise fitoquímica e das atividades citotóxica, antioxidante, e antibacteriana das flores de Tabebuia serratifolia(Vahl) Nicholson. Revista fitos. v. 11, n. 1, p. 111-118, 2017.

FERRARI, A. L. S; SALVI, J. O. Análises fitoquímica e citotóxica das flores de Carnegiea gigantea (Engelm) Britton& Rose. (Monografia) Bacharelado em Farmácia, Centro Universitário Luterano de Ji-Paraná, (Ji-Paraná), 2018.

TORRES, D. A. G. V; et al. Giardíase em creches mantidas pela prefeitura do município de São Paulo, 1982/1983. Rev. Inst. Med. Trop. São Paulo, v. 33, p. 137- 141, 2000.

MONDINI, J; PONTES, E. A; LUCIO, L. C; CAPEL, L. M. M. Análise Físico-Química e Microbiológica da Água In Natura de uma Mina do Município de Kaloré, PR. Anais Eletrônico. In: VI Mostra Interna de Trabalhos de Iniciação Científica. Maringá, 2012.

REIS, J. A. T; MENDONÇA, A. S. F. Análise técnica dos novos padrões brasileiros para amônia em efluentes e corpos d’água. Eng Sanit Ambient. vol. 14, n. 3, p. 353-372, 2009.

PAIVA, M. C. Análise da qualidade da água de um sistema de piscicultura: estudo de caso no município de Ji-Paraná/RO – Brasil. (Monografia) Bacharelado em Engenharia Ambiental, Universidade Federal de Rondônia, Ji-Paraná, 2014.

RABELO D. D. S; SALVI, J. S. Viabilidade de Eichhornia crassipes (Aguapé) como alternativa para filtração de água em Ji-Paraná/RO. South American Journal of Basic Education Technical and Technological. v. 5, n. 1, p.162-169. 2018.

PIEDRAS, S. R. N; OLIVEIRA, J. L. R; MORAES, P. R; BAGER, A. Toxicidade aguda da amônia não ionizada e do nitrito em alevinos de Cichlasoma facetum (Jenyns, 1842). Ciência e Agrotecnologia, v. 30, n. 5, p. 1008-1012, 2006.

BARBIERI, E; MARQUES, H. L. A; BONDIOLI, A. C. V; CAMPOLIM, M. B; FERRARINI, A. T. Concentrações do nitrogênio amoniacal, nitrito e nitrato em áreias de engorda de ostras no município de Cananeia-SP. Arq Mun Saúde. v. 38, n. 1, p. 105-115, 2014.

TORRES, I. F. A; REIS, L. P. G; COSTA, T. A. RODRIGUES, L. S.; SOTO-BLANCO, B.; MELO, M. M. Avaliação química da qualidade da água do Ribeirão da Mata (MG). Revista Agrogeoambiental. v. 8, n. 3, p. 69-78, 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Manual de controle da qualidade da água para técnicos que trabalham em ETAS. Brasília: Funasa, 2014.

MORUZZI, R. B; REALI, M. A. P. Oxidação e remoção de ferro e manganês em águas para fins de abastecimento público ou industrial – uma abordagem geral. Revista de Engenharia e Tecnologia, v. 4, n. 1, 2012.

SCORSAFAVA, M. A; SOUZA, A. D; STOFER, M; NUNES, C. A; MILANEZ, T. V. Qualidade físico-química da água de abastecimento da região do Vale do Ribeira-SP, Brasil. Rev Inst Adolfo Lutz, 2013.

FILHO, E. F. R. Qualidade das águas superficiais e subterrâneas da bacia hidrográfica do Iraí. Boletim Paranaense de Geociências, v. 66-67, p. 41-50, 2012.

QUINATTO, J. Avaliação da qualidade da água de um rio urbano utilizando indicadores físico-químicos e biológicos: o caso do rio Carahá em Lages/SC. (Dissertação) Mestrado em Ciências Ambientais do Centro de Ciências Agroveterinárias, Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, 2017.

LIMA, L. D. S. CERQUEIRA, C. M. M.; ANDRADE, C. F. S.; Avaliação De Cloradores De Água Em Dois Mananciais Na Vila Oratório, Município De Paraty, RJ. Revista Ciências do Ambiente. v. 8, n. 2, 2012.

BATTALHA, B. L; PARLATORE, A. C. Controle da qualidade da água para consumo humano: bases conceituais e operacionais. São Paulo: CETESB, 1977.

SAMPAIO, A. C. S. Metais pesados na água e sedimentos dos rios da Bacia do Alto Paraguai. (Dissertação) Mestrado em Saneamento Ambiental Recursos Hídricos – Centro de Ciências Exatas E Tecnologia, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, 2003.

CRISTO, N. P. D; SILVA, B. R. D; MOREIRA, E. G; SILVA, F. C. Avaliação ecotoxicológica da água do Igarapé 2 de abril utilizando o lambari (Astyanax sp) como organismo bioindicador. South American Journal of Basic Education Technical and Technological. v.4, n.2, p.51-60, 2017.

SALES, M.E. S; LACERDA M. C. D. Análise de coliformes totais e termotolerantes em água de poço de residências no município de Presidente Médici, Rondônia. Rev. Saberes UNIJIPA. v. 6, n. 1, 2017.

PEREIRA, J. A. P; et al. Avaliação Bacteriológica da Água de Consumo em Unidades de Alimentação do Recife, PE. Higiene Alimentar. v. 24, n. 190/191, p. 105-108, 2010.

SOUZA, H. Y. S; NUNES, M. R. S. Estudo comparativo da qualidade da água de igarapés na região do Alto Juruá. South American Journal of Basic Education Technical and Technological. v. 4, n. 1, p. 150-156, 2017.

RODRIGUES, B. H. S; et al. Avaliação Microbiológica Da Água Consumida Por Moradores Do Entorno Do Instituto Federal De Rondônia, Campus Porto Velho/Calama. South American Journal of Basic Education Technical and Technological. v. 2, n. 2, p. 17-24, 2015.

VANUCHI, V. C. F; SOUZA, A. S. H. D; SILVA, J. R. D; BAPTISTA, J. A. A; MENEGUETTI, D.U. O; ZAN, R. A. Análise do potencial mutagênico em afluentes do rio Ji-Paraná influenciados pela emissão de rejeitos de uma indústria de laticínios e um curtume no município de Presidente Médici-RO – Brasil. South American Journal of Basic Education Technical and Technological. v. 2, n. 1, p. 68-73, 2017.

SILVA, C. B. D; SANTOS, B. S. D; SANTOS, I. P; LIMA, V. L. M. Estudo da citotoxicidade de Indigofera suffruticosa Mill Sobre Artemia Salina. Resumos expandidos. In: I CONICBIO/II CONABIO/VI SIMCBIO. Universidade Católica de Pernambuco – Recife, 2013.

MENDES, B. G; et al. Estudo da qualidade das águas do rio Marombas (SC/Brasil), utilizando parâmetros físico-químicos e bioensaios. Revista de Ciências Ambientais. v. 5, n. 2, p. 43-58, 2011.

Estevam, B. S; et al. Avaliação da toxicidade das águas de rios do município de sombrio (SC), utilizando bioensaios. Revista Eletrônica Técnico-científica do IFSC. In: 2º Simpósio de Integração Científica e Tecnológica do Sul Catarinense – SICT-Sul, Santa Catarina, 2013

Publicado
2019-08-01
Seção
Artigos de Ciências da Vida