QUALIDADE DE BEBIDAS DE LARANJA COMERCIALIZADAS IN NATURA E PASTEURIZADAS EM RIO BRANCO - AC

  • Elíuda da Silva Sampaio Universidade Federal do Acre - UFAC
  • Marília Temporim Furtado Universidade Federal do Acre - UFAC
  • Luís Gustavo de Souza e Souza Universidade Federal do Acre - UFAC
  • Nilciléia Mendes da Silva Universidade Federal do Acre - UFAC

Resumo

Com a necessidade de realizar estudos sobre a qualidade de bebidas de laranja, o objetivo do trabalho foi avaliar a qualidade físico-química e microbiológica de bebidas de laranja comercializados in natura e industrializado pasteurizado em Rio Branco - AC. Para isso utilizou-se o delineamento inteiramente casualizados (DIC), com quatro repetições e seis tratamentos, sendo: néctar 1 (A), suco (B), néctar 2 (C), ponto 1 (D), ponto 2 (E) e ponto 3 (F), constando de três marcas de bebidas industrializadas e três  pontos de venda de suco in natura. Foram realizadas as análises físico-químicas de pH, ácido ascórbico, acidez titulável, sólidos solúveis e relação SS/AT e análise microbiológica de coliformes termotolerantes a 45 °C. Todas as variáveis físico-químicas apresentaram-se dentro de valores estabelecidos pela legislação. A presença de coliformes termotolerantes a 45 °C foi confirmada em apenas duas amostras do tratamento E de suco in natura. Sendo assim, considera-se que bebidas industrializadas permitem garantia mínima de qualidade dos produtos, enquanto que os sucos in natura, deve-se observar os locais de preparo da bebida, a fim de evitar contaminação.

Biografia do Autor

Elíuda da Silva Sampaio, Universidade Federal do Acre - UFAC
Engenheira Agrônoma
Marília Temporim Furtado, Universidade Federal do Acre - UFAC
Engenheira Agrônoma, Mestre em Produção Vegetal
Luís Gustavo de Souza e Souza, Universidade Federal do Acre - UFAC
Engenheiro Agrônomo, Mestre em Produção Vegetal
Nilciléia Mendes da Silva, Universidade Federal do Acre - UFAC
Engenheira Agrônoma, Mestre em Produção Vegetal

Referências

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Produção Agrícola Municipal. 2015. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/pam/2015/default_xls.shtm>. Acesso em: 22 out. 2016.

MAPA. Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento. Citrus. 2016. Disponível em: <http://www.agricultura.gov.br/vegetal/culturas/citrus/saiba-mais>. Acesso em: 20 out. 2016.

BRASIL. Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa n° 01, de 7 de janeiro de 2000. Coleção de leis da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 2000. Disponível em: . Acesso em: 15 set. 2016.

NEVES, M. F.; TROMBIN, V. G.; MILAN, P.; CRESSONI, F. KALAKI, R. O retrato da citricultura brasileira. Ribeirão Preto: Markestrat, 2011. 138 p. Disponível em: . Acesso em: 25 set. 2016.

TAVARES, M. F. F. O mercado futuro do suco de laranja concentrado e congelado: um enfoque analítico. 2006. 279 f. Tese (Doutorado em Agronegócio) – Centro de Estudos e Pesquisa em Agronegócio, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2006.

CARDOSO, J. A. C.; ROSSALES, R. R.; LIMONS, B.; REIS, S. F.; SHUMACHER, B. O.; HELBIG, E. Teor e estabilidade de vitamina C em sucos in natura e industrializados. O Mundo da Saúde, São Paulo, v. 39, n. 4, p. 460-469, out./dez. 2015.

PINHEIRO, A.M.; FERNANDES, A. G.; FAI, A. E. C.; PRADO, G. M. do; SOUSA, P. H. M. de; MAIA, G. A. Avaliação química, físico-química e microbiológica de sucos de frutas integrais: abacaxi, caju e maracujá. Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas, v. 26, n. 1, p. 98-103, jan./mar. 2006.

BARROS, D. F.; BENTO, G. S. M.; SCARANCE, L. M. N.; ANDRADE, V. D. de O.; MATIAS, A. C. G.; ABREU, E. S. de. Avaliação microbiológica do suco de laranja in natura comercializado em via pública na zona central de São Paulo - SP. Revista UNIVAP, São José dos Campos, v. 21, n. 37, p. 50-56, jul. 2015.

BONIFÁCIO, N. P.; CÉSAR, T. B. Influência da ingestão crônica do suco de laranja na pressão arterial e na composição corporal. Revista Brasileira de Hipertensão, Rio de Janeiro, v. 16, n. 2, p. 76-81, abr./jun. 2009.

MATSUURA, F. C. A. U.; ROLIM, R. B. Avaliação da adição de suco de acerola em suco de abacaxi visando a produção de um “blend” com alto teor de vitamina C. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v. 24, n. 1, p. 138-141, abr. 2002.

CAMPOS, D. C. P.; SANTOS, A. B.; WOLKOFF, D. B.; CABRAL, L. M. C.; COURI, S. Cashew apple juice stabilization by microfiltration. Desalination, Amsterdam, v. 148, n. 1, p. 61-65, Sep. 2002.

BRASIL. Decreto n° 6.871, de 04 de junho de 2009. Coleção de leis da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 2009. Disponível em: <http://www.planalto.gov. br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2009/Decreto/D6871.htm>. Acesso em: 28 set. 2016.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução-RDC nº 12, de 02 de janeiro de 2001. Coleção de leis da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 2001. Disponível em: <http://www.abic.com.br/publique/media/CONS_leg_ resolucao12 -01.pdf>. Acesso em: 15 set. 2016.

Instituto Adolfo Lutz. Métodos físico-químicos para análise de alimentos. 4. ed. São Paulo: IAL, 2008.

SHAPIRO, S. S.; WILK, M. B. An analysis of variance test for normality (complete samples). Biometrika, Oxford, v. 52, n. 3/4, p. 591-611, Dec. 1965.

COCHRAN, W.G. The distribution of the largest of a set estimated variances as a fraction of their total. Annals of Eugenics, Reino Unido, v. 11, p. 47-51, 1941.

TUKEY, J. W. Comparing individual means in the analysis of variance. International Biometric Society, Washington, v. 5, n. 2, p. 99-114, June 1949.

BRITO, C. S.; ROSSI, D. A.; Bolores e leveduras, coliformes totais e fecais em sucos de laranja in natura e industrializados não pasteurizados comercializados na cidade de Uberlândia - MG. Bioscience Journal, Uberlândia, v. 21, n. 1, p. 133-140, Jan./Apr. 2005.

SILVA, P. T.; FIALHO, E.; LOPES, M. L. M.; MESQUITA, V. L. V. Sucos de laranja industrializados e preparados sólidos para refrescos: estabilidade química e físico-química. Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas, v. 25, n. 3, p. 597-602, jul./set. 2005.

RUSCHEL, C. K.; CARVALHO, H. H.; SOUZA, R. B.; TONDO, E. C.; Qualidade microbiológica e físico-química de sucos de laranja comercializados nas vias públicas de Porto Alegre/RS. Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas, v. 21, n. 1, p. 94-97, jan./abr. 2001.

SUGAI, A. Y.; SHIGEOKA, D. S.; BADOLATO, G. G.; TADINI, C. C. Análise físico-química e microbiológica do suco de laranja minimamente processado armazenado em lata de alumínio. Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas, v. 22, n. 3, p. 233-238, set./dez. 2002.

DANIELI, F.; COSTAM L. R. L. G.; SILVA, L. C.; HARA, A. S. S.; SILVA, A. A. Determinação de vitamina C em amostras de suco de laranja in natura e amostras comerciais de suco de laranja pasteurizado e envasado em embalagens Tetra Pak. Revista do Instituto de Ciências da Saúde, São Paulo, v. 27, n. 4, p. 361-365, out./dez. 2009.

VENÂNCIO, A. A.; MARTINS, O. A. Análise química de diferentes marcas de néctares e suco de laranja comercializada na cidade de Cerqueira César - São Paulo. Revista Eletrônica de Educação e Ciência, Avaré, v. 2, n. 3, p. 45-50, set./dez. 2012.

LIMA, V. L. A. G.; MÉLO, E. A.; LIMA, L. S. Avaliação da qualidade do suco de laranja industrializado. Boletim do Centro de Pesquisa de Processamento de Alimentos, Curitiba, v. 18, n. 1, p. 95-104, jan./jun. 2000.

TEIXEIRA, M.; MONTEIRO, M. Degradação da vitamina C em suco de fruta. Alimentos e Nutrição, Araraquara, v. 17, n. 2, p. 219-227, abr./jun. 2006.

SCHMIDT, F. L.; BIASI, L. C. K.; EFRAIM, P.; FERREIRA, R. E. Pré-processamento de frutas, hortaliças, café, cacau e cana-de-açúcar. Rio de Janeiro: Campus, 2014.

SOUZA, G. C.; CARNEIRO, J. G.; GONSALVES, H. R. O. Qualidade microbiológica de polpas de frutas congeladas produzidas no município de Russas - CE. Agropecuária Científica no Semi-Árido, Patos, v. 7, n. 3, p. 1-5, jul./set. 2011.

ADAM, B.; TEIXEIRA, J. J. L.; SANTOS, B. P.; SOUZA, J. K. R.; AMERICANO, M. M. S. Avaliação da qualidade microbiológica de suco de laranja in natura em um campus universitário de Cuiabá, MT. Revista Unopar Cientifica Ciências Biológicas e da Saúde, Londrina, v. 17, n. 4, p. 223-226, out./dez. 2015.

SILVEIRA, M. L. R.; BERTAGNOLLI, S. M. M. Avaliação microbiológica e das condições higiênico-sanitárias de comercialização de sucos de laranja in natura. Alimentos e Nutrição, Araraquara, v. 23, n. 3, p. 461-466, jul./set. 2012.

Publicado
2019-08-01
Como Citar
da Silva Sampaio, E., Temporim Furtado, M., de Souza e Souza, L. G., & Mendes da Silva, N. (2019). QUALIDADE DE BEBIDAS DE LARANJA COMERCIALIZADAS IN NATURA E PASTEURIZADAS EM RIO BRANCO - AC. South American Journal of Basic Education, Technical and Technological , 6(1). Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/SAJEBTT/article/view/2050
Seção
Artigos Originais Engenharias