PREVALÊNCIA DE INFECÇÃO PELO VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA (HIV) NO MUNICÍPIO DE ARIQUEMES – RO

  • Gleici Kelli de Oliveira Nery FAAr - Faculdades Associadas de Ariquemes
  • Jeieli Santos Duarte Alvarenga FAAr - Faculdades Associadas de Ariquemes
  • Larissa Michelli Cardina Ferreira da Silva FAAr - Faculdades Associadas de Ariquemes
  • Lorena Brandhuber de Moura FAAr - Faculdades Associadas de Ariquemes

Resumo

A síndrome da Imunodeficiência Adquirida (AIDS) tem se tornado um grande problema de sáude pública. O vírus da imunodeficiência humana (HIV), seu agente etiológico, ataca os linfócitos T, células responsáveis pela defesa no organismo. A doença possui fase assintomática e sintomática, sendo de grande gravidade e levando à morte se não tratada. Diante desse contexto, o objetivo deste trabalho foi apresentar casos de AIDS no municipio de Ariquemes – RO. O levantamento de dados foi realizado após a liberação da Secretaria de Saúde do Município para o acesso a dados epidemiológicos de pacientes HIV positivos entre os anos de 2010 a 2015, sendo esses homens, mulheres, crianças e gestantes. Nos seis anos avaliados, foram registrados 232 casos de HIV na cidade de Ariquemes, o que equivale a uma média anual de 46,4 casos. Adicionalmente, também foram considerados a faixa etária, período gestacional e o gênero dos pacientes. Com base no levantamento feito, o ano de 2014 apresentou o maior índice de casos registrados entre crianças, gestantes, e adultos. Quanto ao gênero, as mulheres foram as mais atingidas pelo vírus, sendo as mais acometidas aquelas na faixa etária de 30 a 39 anos, evidenciando desconhecimento quanto às formas de transmissão da doença. Portanto, a falta de conscientização tanto da população, quanto de profissionais envolvidos no repasse da informação à população aumenta a dificuldade do controle do HIV, o que faz com que mais pessoas fiquem vulneráveis ao vírus. 

Referências

AGUIAR, Z.N; RIBEIRO, M. C. S. Vigilância e controle das doenças transmissíveis. 2 ed. São Paulo: Martinari, 2006.

KALLINGS, L.O. The first postmodern pandemic: 25 years of HIV/AIDS. J Intern Med, v. 263, n.3, p. 218-43, 2008.

UNAIDS. Global AIDS Update 2016. Disponível em:

< http://www.unaids.org/sites/default/files/media_asset/Get-on-the-Fast-Track_en.pdf>

GRANGEIRO, A; CASTANHEIRA, E.R; NEMES, M.I.B. A re-emergência da epidemia de aids no Brasil: desafios e perspectivas para o seu enfrentamento. Interface, v. 19, n.52, p. 7-8.

LEÃO, R.N.Q. Medicina tropical e infectologia na Amazônia. Belém: Samauma Editorial, 2013.

RACHID, M; SCHECHTER, M. Manual de HIV/AIDS. 9. ed. Rio de Janeiro: Livraria e Editora REVINTER Ltda, 2008.

BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Coordenação Nacional de DST e AIDS. Vigilância em HIV no Brasil: novas diretrizes. Ministério da Saúde. Disponível em: Acesso em: 29 de setembro de 2017

BRASIL, Ministério da Saúde. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Manejo da Infecção pelo HIV em Adultos. Disponível em: http://giv.org.br/Arquivo/protocolo_13_3_2014_pdf_28003.pdf Acesso em: 23 de setembro de 2017.

FIGUEIREDO, N.M.A. de (org.) Ensinando a cuidar em Saúde Pública. São Caetano do Sul/SP: Yendis, 2007.

BHATTI, A.B; USMAN, M; KANDI, V. Current scenario of HIV/AIDS, treatment options, and major challenges with compliance to antiretroviral therapy. Cureus, v. 8, n.3, p. 1-12, 2016.

BERKMAN, A; GARCIA, J; MUÑOZ-LABOY, M; PAIVA, V; PARKER, R. A critical analysis of the Brazilian response to HIV/AIDS: lessons learned for controlling and mitigating the epidemic in developing countries. Am J Public Health, v. 95, n.7, p. 1162-72, 2005.

DARTORA, W.J; ÂNFLOR, É.P; DA SILVEIRA, R.P.L. Prevalência do HIV no Brasil 2005-2015: dados do Sistema Único de Saúde. Rev Cuidarte, v. 8, n.3, p. 1919-28, 2017.

NISHIMOTO, T.M.I; ELUF-NETO, J; ROZMAN, M.A. Transmissão Materno-Infantil do Vírus da Imunodeficiência Humana : Avaliação de Medidas de Controle no Município de Santos. Rev Assoc Med Bras, v. 51, n.1, p. 54-60, 2005.

SOUZA-JÚNIOR, P.R.B; SZWARCWALD, C.L; BARBOSA-JÚNIOR, A; CARVALHO, M.F; CASTILHO, E.A. Infecçao pelo HIV durante a gestação: estudo-sentinela parturiente, Brasil, 2002. Rev Saude Publica, v. 38, n.6, p. 764-72, 2004.

VIEIRA, A.C.B.C; MIRANDA, A.E; VARGAS, P.R.M; MACIEL, L.N.M. Prevalência de HIV em gestantes e transmissão vertical segundo perfil socioeconômico, Vitoria, ES. Rev Saude Publica, v. 45, n.4, p.644-51, 2011.

SANTOS, R.C.S; SOUZA, M.A. HIV na gestação. Estação Cient (UNIFAP), v. 2, n.2, p. 11-24, 2012.

TORRES, R.S; LUZ, A.M.H. Gestante HIV+ e crianças expostas: estudo epidemiológico da notificação compulsória. Rev Gaucha Enferm. v. 28, n.4, p. 505-11 2007.

SBALQUEIRO, R.L. HIV e Gestação: Estudo da Prevalência e Aspectos Epidemiológicos entre 436 Gestantes Atendidas no Pré-Natal do Hospital de Clinicas da Universidade Federal do Paraná no Período de junho de 1997 à março de 1998. Rev Bras Ginecol Obstet, v. 23, n. 1, p. 56-8, 2001.

DOURADO, I; VERAS, M.A.S.; BARREIRA, D; BRITO, A.M.B. Tendências da epidemia de Aids no Brasil após a terapia anti-retroviral. Rev Saude Publica, v. 40, p. 9-17, 2006.

PIERI, F.M; LAURENTI, R. HIV/AIDS: Perfil epidemiológico de adultos internados em hospital universitário. Cienc Cuidado Saude, v. 11, p.144-52, 2012.

BERTONCINI, B; MORAES, K.S; KULKAMP, I.C. Comportamento sexual em adultos maiores de 50 anos infectados pelo HIV. J Bras Doencas Sexualmente Transmissiveis, v. 19, n.2, p.75-79, 2007.

GARCIA, S; SOUZA, F.M. Vulnerabilidades ao HIV/aids no Contexto Brasileiro: iniquidades de gênero, raça e geração. Saude e sociedade, v. 19, p. 9-20, 2010.

RABUSKE, M.M. Comunicação de diagnósticos de soropositividade para o HIV e de AIDS para adolescentes e adultos: implicações psicológicas e repercussões nas relações familiares e sociais. (Tese) Doutorado em Psicologia. Universidade Federal de Santa Catarina, 2009.

FONSECA, L.A.M; CASSENOTE, A.J.F; ESCUDER, M.M.L; GRANGEIRO, A.D. Mortality in Treated HIV-Infected Adults Compared with the General Population: Evidence from HIV-Brazil Cohort Study. Int J Epidemiol, v. 44, n. supl 1, p. i29, 2015.

CLAYSON, D.J; WILD, D.J; QUARTERMAN, P; DUPRAT-LOMON, L; KUBIN, M; COONS, S.J. A comparative review of health-related quality-of-life measures for use in HIV/AIDS clinical trials. Pharmacoecon, v. 24, n. 8, p. 751-65, 2006.

SANTO, A.H; PINHEIRO, C.E; JORDANI, M.S. Causas básicas e associadas de morte por Aids, Estado de São Paulo, Brasil, 1998. Rev Saude Publica, v. 34, n.6, p. 581-8, 2000.

BONCIANI, R.D; SPINK, M.J.P. Morte por AIDS ou morte materna: a classificação da mortalidade como prática social. Cad Saude Publica, v. 19, n.2, p.645-52, 2003.

Publicado
2019-08-01
Seção
Artigos de Ciências da Vida