SEMANA DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS

POR UMA EDUCAÇÃO ANTIRRACISTA NO INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ

Autores

  • Camile Ribeiro Texca Instituto Federal do Paraná
  • Everton Ribeiro Instituto Federal do Paraná
  • Fábio Lucas da Cruz Instituto Federal do Paraná

Palavras-chave:

Educação antirracista, Cultura afro-brasileira e indígena, Extensão

Resumo

O presente artigo apresenta relatos sobre as edições da Semana de Estudos Brasileiros e Indígenas do Instituto Federal do Paraná – Campus Campo Largo, que é organizada anualmente pelo Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros e Indígenas (NEABI). O evento visa compartilhar resultados de pesquisas, ações de extensão e atividades culturais voltadas ao respeito às diversidades e ao combate à discriminação racial. As atividades foram realizadas de forma virtual em 2020 devido à pandemia de COVID-19. Por meio da descrição das palestras, debates e concursos culturais que caracterizaram os eventos, o artigo objetiva discutir a relevância das atividades extensionistas para a Educação das Relações Étnico-Raciais e os impactos da pandemia na promoção de eventos virtuais relacionados a temáticas como diversidade e antirracismo. Participantes inscritos na Semana de Estudos responderam a questões para avaliar as atividades e indicaram que o evento foi exitoso. De forma majoritária, o público afirma que participaria novamente de uma ação extensionista nos mesmos moldes. Novos espaços de formação e debate foram conquistados com o modelo a distância, pois houve maior interação de participantes e palestrantes de locais longínquos. Todavia, o evento virtual impossibilitou a realização de oficinas, apresentações de dança, dramatizações e pinturas de murais. Por isso, defende-se o formato híbrido para as próximas edições, já que manteria a comunicação com representantes de movimentos sociais e universidades de todo o Brasil e, ao mesmo tempo, garantiria interação e proximidade com a comunidade escolar.

Biografia do Autor

Camile Ribeiro Texca, Instituto Federal do Paraná

Estudante do quarto ano do curso Técnico em Automação Industrial - Ensino Médio Integrado, no Instituto Federal do Paraná, Campus Campo Largo. É bolsista do projeto “Semana de Estudos Afro-Brasileiros e Indígenas" pelo Programa Institucional de Bolsas de Extensão (PIBEX/IFPR) e membro do NEABI Campo Largo.

Everton Ribeiro, Instituto Federal do Paraná

Professor do Instituto Federal do Paraná. Doutor em Educação (Desenvolvimento Humano) pela Universidade Federal do Paraná com estágio de doutoramento sanduíche pelo Departamento de Desenvolvimento e Ciências da Família, na Universidade do Texas. É membro do NEABI Campo Largo e líder do grupo de pesquisa Laboratório Multidisciplinar de Estudos em Relações Étnico-Raciais e Diversidade (LAMER/CNPq).

Fábio Lucas da Cruz, Instituto Federal do Paraná

Professor do Instituto Federal do Paraná. Doutor em História Social pela Universidade de São Paulo. É membro representante do NEABI Campo Largo e líder do grupo de pesquisa Laboratório Multidisciplinar de Estudos em Relações Étnico-Raciais e Diversidade (LAMER/CNPq).

Referências

ALMEIDA, Silvio Luiz de. Racismo estrutural. São Paulo: Sueli Carneiro; Pólen, 2019.

BORSSUK, Larissa; PADILHA, Alexandre. As cores da diversidade: Concurso cultural “Grafite na Escola”. Semana de Estudos Afro-Brasileiros e Indígenas. Instituto Federal do Paraná – Campus Campo Largo, 2020. Disponível em: https://www.instagram.com/p/CF0cVvNHO8S/?utm_medium=copy_link. Acesso em: 10 out. 2020.

BRASIL. Lei nº 11.645, de 10 de março de 2008. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, modificada pela Lei no 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11645.htm. Acesso em: 14 maio 2021.

BRASIL. Diretrizes curriculares nacionais para a educação das relações étnico-raciais e para o ensino de história e cultura afro-brasileira e africana na educação básica. Brasília: Ministério da Educação/Secad, 2004.

CONSELHO SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ. Resolução nº 13, de 01 de setembro de 2011. Aprova a Mudança e Consolida o Estatuto do IFPR. Disponível em: https://reitoria.ifpr.edu.br/resolucao-132011/. Acesso em: 14 mai. 2021.

CONSELHO SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ. Resolução nº 71, de 20 de dezembro de 2018. Aprova o Regulamento dos Núcleos de Estudos Afro-Brasileiros e Indígenas – NEABI, no âmbito do Instituto Federal do Paraná. Disponível em: https://sei.ifpr.edu.br/sei/publicacoes/controlador_publicacoes.php?acao=publicacao_visualizar&id_documento=150841&id_orgao_publicacao=0. Acesso em: 14 maio 2021.

FREIRE, Paulo. Extensão e comunicação? Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

GADOTTI, Moacir. Extensão Universitária: para quê? Instituto Paulo Freire, 2017. Disponível em: https://www.paulofreire.org. Acesso em: 14 jul. 2021.

LIMA, Heloísa Pires. Personagens Negros: Um breve perfil na literatura infanto-juvenil. In: MUNANGA, Kabengele (Org.). Superando o racismo na escola. 2. ed. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005, p. 101-116.

MUNANGA, Kabengele (Org.). Superando o racismo na escola. 2. ed. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005, p. 15-20.

NASCIMENTO, Abdias. O genocídio do negro brasileiro: processo de um racismo mascarado. São Paulo: Perspectivas, 2016.

OLIVEIRA, Megg Rayara Gomes de. Xicamanicongo, racismo, transfobia e o direito de matar. In: BENEVIDES, Bruna G.; NOGUEIRA, Sayonara Naider Bonfim (Org.). Dossiê dos assassinatos e da violência contra travestis e transexuais brasileiras em 2019. São Paulo: Expressão Popular, Antra, IBTE, 2020. p. 75-77.

ROCHA, Paulo Henrique Borges da. et. al. Uma racionalidade moderna. In: ROCHA, Paulo Henrique Borges da. et. al. Decolonialidade a partir do Brasil. v.1, São Paulo: Dialética, 2020.

SANT'ANA, Antônio Olímpio de. História e conceitos básicos sobre o racismo e seus derivados. In: MUNANGA, Kabengele (Org.). Superando o racismo na escola. 2. ed. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005.

SILVA, Ana Célia da. A desconstrução da discriminação no livro didático. In: MUNANGA, Kabengele (Org.). Superando o racismo na escola. 2. ed. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005.

SOARES, Maria Raimunda Penha; SILVA, Rebeca Ribeiro. Educação antirracista nas universidades públicas: novos sujeitos, velhas estruturas e demandas além das cotas. In: O Social em Questão, Rio de Janeiro, v. 24, n. 50, p. 179-200, 2021.

Downloads

Publicado

2021-11-01

Como Citar

Ribeiro Texca, C. ., Ribeiro, E., & Lucas da Cruz, F. . (2021). SEMANA DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS: POR UMA EDUCAÇÃO ANTIRRACISTA NO INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ. Revista Em Favor De Igualdade Racial, 4(3), 36–51. Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/RFIR/article/view/5075

Edição

Seção

ARTIGOS