“AH ÁFRICA, TERRA MÃE, BERÇO DA HUMANIDADE”

UMA PROPOSTA DE ENSINO DE HISTÓRIA DA ÁFRICA A PARTIR DO DESENHO SUPER-CHOQUE

Autores

  • Isabela Rodrigues Regagnan Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
  • Sávio Queiroz Lima Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Palavras-chave:

Ensino de História, História da África, Super-Choque

Resumo

Este trabalho aborda historiograficamente o uso de dois episódios da animação Super-Choque no ensino de História da África. Trata-se de uma narrativa ficcional estadunidense protagonizada e referendada racialmente, com personagens principais negros e possibilidades de debates sobre visibilidade. Produzida a partir de 2000, Super-Choque (originalmente Static Shock) foi trazida e traduzida ao Brasil, ganhando notoriedade e ainda exercendo prestígio em debates públicos sobre representatividade e identidade racial. De acordo com a lei 10.639/03, este trabalho pretende analisar o uso dos episódios selecionados, enquanto instrumento pedagógico paradidático para inclusão do ensino de História e Cultura da África. A metodologia parte da análise fílmica através da captura das cenas e das narrativas ficcionais e suas possibilidades de diálogos com a realidade crítica. A abordagem crítica, a contextualização das questões raciais contemporâneas e os trajetos históricos da narrativa ficcional, bem como a historicidade da região de Gana, da civilização Ashanti e sua representação na animação, conferem à pesquisa seu teor de construção de um saber e aplicação em sala de aula. O uso do desenho animado Super-Choque enquanto um material didático, possibilita que os alunos estejam em contato com um conteúdo que faz parte do seu cotidiano, o que pode acarretar um maior interesse para aprender o conteúdo, além de aprender através do mesmo, questões acerca da história e cultura da África, rompendo com estereótipos eurocêntricos sobre o continente, além de questões como a identidade e reconhecimento em uma mídia ficcional audiovisual.

Biografia do Autor

Isabela Rodrigues Regagnan, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Graduanda em História pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul/UFMS-CPTL. Bolsista no Programa de Educação Tutorial (PET História Conexões de Saberes). Foi bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID) entre o primeiro semestre de 2018. Atuou como voluntária no Programa de Iniciação Científica Voluntária (PIVIC) nos anos 2019/2020 - 2020/2021. É integrante do grupo de pesquisa: História, Mulheres e Feminismo. Tem experiência na área de História, atuando principalmente nos seguintes temas: História, Gênero, História das Mulheres, Feminismo, Audiovisual e Ensino de História.

Sávio Queiroz Lima, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutorando no programa de pós graduação em História da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, mestre em História pela Universidade Salgado de Oliveira (Universo), bacharel e licenciado pela Universidade Católica do Salvador. Membro do Grupo de Trabalho de Estudos de Gênero da Anpuh-BA e do Letham-UFBA. Trabalha as relações entre fontes ficcionais e História.

Referências

ABREU, Martha; MATTOS, Hebe. Em torno das “Diretrizes curriculares nacionais para a educação das relações étnico raciais e para o ensino de história e cultura afro-brasileira africana”: uma conversa com historiadores. In: Estudo Históricos. Rio de Janeiro, vol. 21, n.41 janeiro-junho de 2008, p.5-20.

AZEVEDO, Crislane Barbosa. A formação do professor-pesquisador de História. In: Revista Eletrônica de Educação. V. 6, no. 2, p. 108-126, UFSCar, São Carlos, nov. 2012. Disponível em: http://www.reveduc.ufscar.br. Acesso em: 27 abr. 2021.

BARBOSA, Muryatan S. Pan-africanismo na Présence Africaine: unidade e diversidade de um ideal (1956-63). In: XXVIII Simpósio Nacional de História, 2015, Florianópolis. Caderno de resumos do XXVIII Simpósio nacional de História – Lugares dos Historiadores: Velhos e Novos Desafios. Florianópolis: ANPUH, 2015. v. 1. p. 1-1811.

BARRY, Boubacar. Reflexão sobre os discursos históricos das tradições orais em Senegâmbia. In: Senegâmbia: o desafio da história regional. Rio de Janeiro: SEPHIS/UCAM, 2000.

BRASIL. Lei nº 10.639 de 09 de janeiro de 2003. Brasília, 2003. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.639.htm. Acesso em: 03 mar. 2021.

CARNEIRO, Sueli. Racismo, Sexismo e Desigualdade no Brasil. Coleção Consciência em Debate. São Paulo: Selo Negro, 2011.

CHAGAS, W. F. História e Cultura Afro-brasileira e Africana na Educação Básica da Paraíba. Educação e Realidade Edição eletrônica, v. 42, p. 79-98, 2017.

KLEIN, Richard G.; EDGAR, Blake. O Despertar da Cultura: A Polêmica Teoria sobre a Origem da Criatividade Humana. Rio de Janeiro: Editora Jorge Zahar, 2005.

LIMA, Savio Queiroz. Ensino de História da África em Desconstrução: Renovação do Imaginário da África Através de Histórias em Quadrinhos em Acordo com a Lei 10.639. In: Anais do XII Colóquio Nacional e V Colóquio Internacional do Museu Pedagógico - UESB, volume 12, p. 2129-2135, Vitória da Conquista, 2017. Disponível em: http://anais.uesb.br/index.php/cmp/article/viewFile/7113/6918. Acesso em: 15 abr. 2021.

LIMA, Savio Queiroz. Garra de Pantera: Os Negros nos Quadrinhos de Super-herói dos EUA. In: Revista Identidade!, São Leopoldo, v.18 n. 1, p. 90-102, jan.-jun. 2013. Disponível em: http://periodicos.est.edu.br/index.php/identidade/article/view/618. Acesso em: 15 abr. 2021.

LIMA, Savio Queiroz. Tintin no Congo e a Lei 10.639: Conflitos e Acordos para Aplicação em Sala de Aula. In: BRAGA, Amaro X; MODENESI, Thiago. Quadrinhos & Educação – Volume 3. Jaboatão dos Guararapes, Faculdade dos Guararapes, 2016.

MAZRUI, Ali A. “Procurai Primeiramente o Reino Político...”. In: MAZRUI, Ali A.; WONDJI, Christophe. História geral da África, VIII: África desde 1935. Brasília: UNESCO, 2010.

MISIROGLU, Gina. The Superhero Book: The Ultimate Encyclopedia of Comic-Book Icons and Hollywood Heroes. Detroit: Visible Ink Press, 2012.

MUNANGA, Kabengele; GOMES, Nilma Lino. O negro no Brasil de hoje. São Paulo: Global, 2006. (Coleção para entender).

MUNANGA, Kabengele. Superando o Racismo na escola. 2. edição revisada. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005.

OTAVIO, Anselmo. Do Pan-Africanismo ao Renascimento Africano: Economia, Política e Segurança em um Continente em Transformação. In: FONSECA, Mariana Bracks; MANNARINO, Giovanni Garcia (Org). Áfricas: representações e relações de poder. - Rio de Janeiro: Edições Áfricas/Ancestre, 2019. Disponível em: https://www.ancestreeditora.com/product-page/%C3%A1fricas representa%C3%A7%C3%B5es-e-rela%C3%A7%C3%B5es-de-poder. Acesso em: 10 abr. 2021.

SANTOS, Jocéli Domanski Gomes dos. A Lei 10.639/03 e a importância de sua implementação na Educação Básica. 2010. Disponível em: http://www.nre.seed.pr.gov.br/uniaodavitoria/arquivos/File/Equipe/Disciplinas/Biologia/A_LEI_10639_03_E_A_IMPORTANCIA_DE_SUA_IMPLEMENTACAO.pdf. Acesso em: 10 abr. 2021.

Downloads

Publicado

2021-11-01

Como Citar

Rodrigues Regagnan, I., & Queiroz Lima, S. . (2021). “AH ÁFRICA, TERRA MÃE, BERÇO DA HUMANIDADE”: UMA PROPOSTA DE ENSINO DE HISTÓRIA DA ÁFRICA A PARTIR DO DESENHO SUPER-CHOQUE . Revista Em Favor De Igualdade Racial, 4(3), 100–114. Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/RFIR/article/view/5066

Edição

Seção

ARTIGOS