O CARÁCTER DISCRIMINATÓRIO DA EDUCAÇÃO DO COLONIZADO EM MOÇAMBIQUE ENTRE 1926 E 1974

Autores

  • Denisse Kátia Soares Omar Universidade Rovuma Nampula, Moçambique

Palavras-chave:

Educação, Discriminação, colonizado, Moçambique

Resumo

O presente artigo tem como objetivo compreender o processo de implementação da educação discriminada do colonizado em Moçambique, que passou por várias mutações, o que causou consequências negativas no seio da população negra, deixando marcas profundas. A partir de 1926, com a instauração do Estado Novo em Portugal e a implementação de várias reformas nos sectores da administração colonial, a educação do colonizado passa a constituir uma das prioridades para concretização dos intentos dos portugueses. Nesse contexto, a educação do colonizado passa a ser oficialmente baseada na descriminação, pela qual esse indivíduo era preparado para servir ao governo colonial. Na primeira parte do artigo, analisa-se a educação do colonizado no período pré-colonial em Moçambique. Na segunda parte, debruça-se sobre a educação do colonizado e suas características mais marcantes. Este artigo baseou-se numa análise bibliográfica, na qual buscou-se descrever o tema a partir dos materiais existentes.

Biografia do Autor

Denisse Kátia Soares Omar, Universidade Rovuma Nampula, Moçambique

Denisse Kátia Soares Omar é mestre em ciências da educação e doutoranda em História de África Contemporanea

Referências

AUGUSTO, António. O ensino primário em Moçambique. Coimbra: Associação Portuguesa para o Progresso das Ciências, 1957.

BELCHIOR, Manuel Dias. As características do ensino colonial. Lisboa, 1965.

BERNARDO, Viana Manuel. Concordata e Acordo Missionário. Dicionário de História do Estado Novo, Lisboa: Ed. Bertrand, 1996. vol. I A-L.

CIPIRE, Felizardo. Educação Tradicional em Moçambique. 2ª ed. Maputo: EMEDIL, 1996.

DIRECÇÃO PROVINCIAL DOS SERVIÇOS DE EDUCAÇÃO. Panorama do ensino na Província de Moçambique. Lourenço Marque: Empresa Moderna, 1965.

FARRÉ, Albert. “Assimilados, régulos, homens novos, moçambicanos genuínos: a persistência da exclusão em Moçambique”. In: Anuário Antropológico II. Disponível em: http://journals.openedition.org/aa/1443;Doi:10.4000/aa.1443.pp.199-229>. Acessado em 23 de Abril de 2021Acesso em:

GOMES, Manuel Satarino Costa. Artigo 15 do Acordo Missionário de 1940, A Concordata entre a Santa Sé e a República Portuguesa. Lisboa: Almedina, 2001. p. 34.

GOVERNO DA REPÚBLICA POPULAR DE MOÇAMBIQUE. Boletim da República de 1983. Moçambique: Imprensa Nacional, 1983.

LARANJEIRA, Carla Maria. Apontamentos sobre os primórdios do ensino primário em Moçambique. In: Africana. Porto: Universidade Portugalense, 1995.

MACAGNO, Lorenzo. “Assimilacionismo”. In: Dicionário crítico das ciências sociais dos países de fala oficial portuguesa. Lívio Sansone e Cláudio Alves Furtado (org.). Salvador: EDUFBA, 2014.

MAZULA, Brazão. Educação, cultura e ideologia em Moçambique: 1975-1985. Lisboa: Afrontamento, 1995.

MINISTÉRIO DAS COLÓNIAS. Diocese de Nampula: Niassa – Moçambique. Lisboa: Agência Geral das Colônias, 1948.

MOSCA, João. A experiência Socialista em Moçambique (1975-1986). Lisboa: Instituto, PIAGET, 1993.

REVISTA DE ESTUDOS ULTRAMARINOS. Exploração portuguesa em Moçambique. Lisboa, 1961.

RIBEIRO, Fábia Barbosa. Educação e ensino de História em contextos coloniais e pós-coloniais. In: Revista de Humanidades. Brasil: Dossiê ensino de História, 2015. p. 27-53, Vol.16, nº 36.

SILVA, Gabriela. Educação e Genero em Moçambique. Porto: Centro de Estudos Africanos da Universidade do Porto, 2007.

Downloads

Publicado

2021-11-01

Como Citar

Soares Omar, . D. K. . (2021). O CARÁCTER DISCRIMINATÓRIO DA EDUCAÇÃO DO COLONIZADO EM MOÇAMBIQUE ENTRE 1926 E 1974. Revista Em Favor De Igualdade Racial, 4(3), 61–74. Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/RFIR/article/view/5055

Edição

Seção

ARTIGOS