REPENSANDO O LUGAR DO INDÍGENA NO BRASIL DA MESTIÇAGEM

Autores

  • Liana Rayssa Mota Amorim Programa de Pós-Graduação em Historia - UFMA

Palavras-chave:

Mestiçagem, Indígena, Estigmas

Resumo

Este artigo é uma reflexão sobre a utilização do conceito de mestiçagem nas dimensões sociológicas e historiográficas no contexto brasileiro. Nosso objetivo é compreender como a condição mestiça se consolidou como chave-teórica para entender a realidade nacional e como isso relegou aos povos indígenas um lugar preterido, principalmente quando à mestiçagem foi imputada a ideia de distinção. Portanto, fazemos este exercício baseado nas leituras das obras de Renato Ortiz, Serge Gruzinski e Gilberto Freyre, o primeiro nos auxilia com uma linha do tempo sociológica e histórica da intelectualidade nacional, enquanto os dois últimos instrumentalizam o conceito para analisarem realidades mestiça, mexicana e brasileira, respectivamente. Sendo a nossa principal motivação a constatação de que para se garantir direitos, no Brasil, o indivíduo precisa ter consciência de quem é, o que possui e de onde vem, principalmente quando este é indígena. Algo complexo, já que a mestiçagem vista como algo genuinamente brasileiro turva as imagens da realidade brasileira, e produz estigmas sobre os povos indígenas, dificultando a apreensão de suas agências.

Biografia do Autor

Liana Rayssa Mota Amorim, Programa de Pós-Graduação em Historia - UFMA

Graduada em História Licenciatura pela Universidade Estadual do Maranhão (UEMA). Mestranda no Programa de Pós-Graduação em História pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA) e Pesquisadora no grupo de pesquisa Indígenas na História do Maranhão.

Referências

AMORIM, Liana R. M.. O Serviço de Proteção ao Índio e a Ideia de um “novo culto ao Maranhão” (1910-1914): a conciliação entre a política indigenista nacional e os discursos desenvolvimentistas do Estado. São Luís, 2019. Monografia (Graduação em História Licenciatura) – Universidade Estadual do Maranhão.

AZEVEDO, Célia Maria Marinho de. Onda negra, medo branco: o negro no imaginário do século XIX. 1987.

BARRETO, Tamires. Para além da Casa Grande e Senzala: Representação dos povos indígenas em Casa-Grande & Senzala. Feira de Santana, 2013. Monografia (Graduação em História) – Universidade Estadual de Feira de Santana.

BOCCARA, Guillaume. Mundos nuevos en las fronteras del Nuevo Mundo. Nuevo Mundo Mundos Nuevos [online]. Dsponível desde 8 de fevereiro de 2005. Disponível em: http:// journals.openedition.org/nuevomundo/426. Acesso em: 19 dez. 2020.

CARVALHO, Ana Paula COmin; SALAINI, Critian Jobi; ALLEMBRANDT, Débora; MEINERZ, Nádia Elisa; WEISHEIMER, Nilson. Desigualdades de Gênero, Raça e Etnia. Editora intersaberes, Curitiba,2013.

COSTA, Jean Carlo de C.. Nação, raça e miscigenação no Brasil moderno: uma análise hermenêutica dos Ensaístas da dormação da nacionalidade brasileira (1888-1928). Recife, 2013. Tese (Doutorado em Sociologia) – Universidade Federal de Pernambuco.

FRAGOSO, João; BICALHO, Maria F.; GOUVÊA, Maria de Fátima (org). O Antigo Regime nos Trópicos: a dinâmica imperial portuguesa (séculos XVI- XVIII). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001

FREYRE, Gilberto. Casa Grande & Senzala: formação da família brasileira sobre o regime da economia patricarcal. 48 ed.rev. São Paulo: Global, 2003.

GOFFMAN, E. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Rio de Janeiro: J. Zahar, 1975.

GRUZINSKI, Serge. O pensamento mestiço. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

PIRES JR., João Aurélio Travassos Pires. Mestiçagens e Colonização: visões historiográficas sobre a América Portuguesa. João Pessoa, 2013. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em História do Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes) – da Universidade Federal da Paraíba.

IANNI, Octavio. O Labirinto Latino americano. Rio de Janeiro: Vozes, 1993.

MONTEIRO, John Manuel. Entre o etnocídio e a etnogênese: identidades indígenas coloniais. In: MONTEIRO, John Manuel. Tupis, tapuias e historiadores: estudos de História Indígena e do Indigenismo. Tese de Livre-docência em Etnologia, Departamento de Antropologia da Unicamp. Campinas, 2001

MOREIRA, Vânia M. L. Espírito Santo Indígena: conquista, trabalho, territorialidade e autogoverno dos índios (1798-1860). Vitória: Arquivo Público do Estado do Espírito Santo, 2017

ORTIZ, Renato. A cultura brasileira e a identidade nacional. 2ª ed. Editora Brasiliense: São Paulo. 1986

ORTIZ, Renato. Imagens do Brasil. Revista Sociedade e Estado, v. 28, n. 3, p. 609-633, set./dez. 2013. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/se/v28n3/a08v28n3

OLIVEIRA, João Pacheco de. O Nascimento do Brasil e outros ensaios: “pacificação”, regime tutelar e formação de alteridades. Rio de Janeiro: Contra Capa.

SANTOS, Raquel A. dos; SILVA, Rosângela M. B. e. Racismo científico no Brasil: um retrato social do Brasil pós-escravatura. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, v. 34, n.68, p. 253-268, mar./abr.2018.

SCHWARCZ, L. M. O espetáculo da miscigenação. In: DOMINGUES, HMB., SÀ, MR., and GLICK, T., orgs. A recepção do Darwinismo no Brasil [online]. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2003, pp. 165-180. História e saúde collection. Disponível em: http://books.scielo.org/

VAINFAS, Ronaldo. Colonização, miscigenação e questão racial: notas sobre equívocos e tabus da historiografia brasileira. Revista Tempo, Rio de Janeiro, v. 4, n. 8, p. 1-12, 1999.

WEBER, Max. A Nação. In: Ensaios de Sociologia. Rio de Janeiro: Zahar. 1982.

Downloads

Publicado

2021-11-01

Como Citar

Mota Amorim, L. R. (2021). REPENSANDO O LUGAR DO INDÍGENA NO BRASIL DA MESTIÇAGEM. Revista Em Favor De Igualdade Racial, 4(3), 04–21. Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/RFIR/article/view/5025

Edição

Seção

ARTIGOS