MULHERES TRADUTORAS DO SÉCULO XIX NO BRASIL

DO ROMANCE À NARRATIVA HISTORIOGRÁFICA

Autores

  • Dennys Silva-Reis Universidade Federal do Acre (Ufac)
  • Luciana Carvalho Fonseca Universidade de São Paulo (USP)
  • Danielle Sales

Palavras-chave:

Mulheres tradutoras, historiografia da tradução, romances, linguística do corpus

Resumo

Na área de Estudos de Tradução, há uma lacuna de trabalhos dedicados a mulheres tradutoras no Brasil, e o papel desempenhado por elas na História da Tradução chegou a ser negado na Historiografia da Tradução. Este artigo é um estudo dos imaginários que pairam sobre as mulheres tradutoras do século XIX no Brasil e tem dois objetivos principais. Em primeiro lugar, vamos explorar esses imaginários em três romances da época: Senhora, Lucíola e A Carne. Em segundo lugar, vamos comparar tais imaginários com os das mulheres tradutoras encontradas em um corpus de notícias do século XIX. O corpus foi construído e explorado com um software de análise de linguagem natural. As principais conclusões foram que, ao contrário dos imaginários inscritos nos romances, havia mais diversidade e mais agência por parte das mulheres nas notícias. Além disso, o corpus de notícias revelou que havia muitas mulheres envolvidas em uma grande variedade de atos de tradução no Brasil no século XIX, e que traduzir era um ato com propósito e sentido, além de uma atividade que perpassava não apenas o papel da mulher no âmbito doméstico (como esposa e mãe), mas também uma série de outras atividades profissionais (como atriz, diretora, educadora, escritora).

Biografia do Autor

Dennys Silva-Reis, Universidade Federal do Acre (Ufac)

Professor Adjunto de Literatura Francesa na Universidade Federal do Acre (UFAC), Doutor em Literatura (POSLIT/UnB) e Mestre em Estudos de Tradução (POSTRAD/UnB) pela Universidade de Brasília (UnB). Bacharel em Letras-Tradução e licenciado em Língua e Literatura Francesas pela mesma universidade (UnB). Atua, principalmente, nas áreas de Literatura & Estudos Interartes, Estudos da Tradução, Literatura Francófona e a obra do escritor francês Victor Hugo. Tem diversos textos (artigos, capítulos de livros, resenhas, entrevistas e traduções) publicados no Brasil e no exterior. Escreve no blog "Historiografia da Tradução no Brasil" (http://historiografiadatraducaobr.blogspot.com.br). É organizador junto com Sidney Barbosa da obra "Literatura e Outras Artes na América Latina" (2019) e da obra "A tradução de quadrinhos no Brasil : princípios, práticas e perspectivas" (2020), em co-organização com Kátia Hanna. Participa como pesquisador dos grupos de pesquisa: Grupo de Estudos em Literatura e Estudos Comparados (UFAC), Grupo de Pesquisa em Poéticas Moderna e Contemporânea (GPPMC) (UNIR) e LiterArtes (UNB). Desde de 2013, faz parte da Associação Brasileira de Literatura Comparada (ABRALIC) e da Associação Brasileira de Pesquisadores em Tradução (ABRAPT).

Luciana Carvalho Fonseca, Universidade de São Paulo (USP)

Professora Doutora no Departamento de Letras Modernas da Universidade de São Paulo, onde leciona Língua Inglesa e Tradução na graduação em Letras e na pós-graduação em Letras Estrangeiras e Tradução (LETRA) e Estudos Linguísticos e Literários em Inglês (ELLI). Nesses programas, no segundo semestre de 2020, ministra a disciplina Mulheres e(m) tradução. Possui experiência como tradutora e intérprete de conferências e na formação de tradutores e intérpretes. É Coordenadora Pedagógica na Aucani Idiomas e no Centro de Línguas da FFLCH, onde oferece formação para jovens professores de língua inglesa. Em 2020, co-editou o vol. 13 #2 2020 da Mutatis Mutandis Revista Latinoamericana de Traducción sobre "Mulheres e Tradução na América Latina e no Caribe". Foi pesquisadora sênior da Cátedra e Rede de Cooperação UNITWIN/UNESCO para Integração da América Latina no Centro Brasileiro de Estudos da América Latina (CBEAL) na Fundação Memorial da América Latina (2020-2021). É uma das tradutoras que colabora com o Coletivo Sycorax na tradução do livro ?Re-Enchanting the World: Feminism and the Politics of the Commons?, de Silvia Federici e "Patriarchy and Accumulation on a World Scale", de Maria Mies. Seus temas de pesquisa são tradução na intersecção entre poder e ativismo, tradução feminista, historiografia da tradução e escrita acadêmica em inglês.

Danielle Sales

Danielle Sales é tradutora, editora e revisora de textos, atuando no mercado editorial há 25 anos. Seus interesses de pesquisa são: tradução feminista, historiografia da tradução, apagamento de mulheres na literatura, literatura infantil e contos de fadas.

Referências

ABREU, I. S.; STONE, M. E. (orgs). Feminae – dicionário contemporâneo. Lisboa: Condição para cidadania e a igualdade de género, 2013.

ALENCAR, J. Lucíola. Porto Alegre: L&PM, 2015. ALENCAR, J. Senhora. Jaraguá do Sul: Avenida, 2012.

ALENCAR, M. E. S. Tradutoras brasileiras dos séculos XIX e XX. Dissertação de Mestrado em Estudos da Tradução. Programa de Pós-Graduação em Estudos da Tradução. Florianópolis: PEGET, 2016.

ANASTÁCIO. V. “Alcipe e o Brasil: notas para uma investigação”. In: FERREIRA, T. M. T. B. C.; SANTOS, G; ALVES, I.; PINTO, M. V.; HUE, S. (orgs). D. João e o Oitocentismo. Rio de Janeiro: Contra Capa/Faperj, 2011.

ANTHONY, L. Antcon. 3.5.1. Freeware corpus analysis toolkit for concordancing and text analysis. AntLab, 2018. Available at: http://www.laurenceanthony.net/software/antconc/ ASSIS, J. M. M. Obra Completa. Vol. I (romances). Rio de janeiro: Aguilar, 1979. ATKINSON, P., GREGORY, I.N. “Child Welfare in Victorian Newspapers: Corpus-Based Discourse Analysis”, In: The Journal of Interdisciplinary History, 2017 48:2, 159-186

BERNARDES, M. T. C. C. Mulheres de Ontem? – Rio de janeiro – Século XIX. São Paulo: T.A. Queiroz, 1989.

ASSIS, J. M. M. Helena, trans. Helen Caldwell, Berkley and Los Angeles: University of

California Press, 1984.

CALINA, H. “On the first woman translator of Dante’s ‘The Divine Comedy’ into Romanian”. In: BOLDEA, I. (org.) The Proceedings of the International Conference Literature, Discourse and Multicultural Dialogue. Section: Language and Discourse, 1. Tîrgu-Mureş: Arhipelag XXI Press, 2013.

CÂNDIDO, A. Formação da Literatura Brasileira. Belo Horizonte: Itatiaia, 1981.

CASCUDO, L. C. Literatura oral no Brasil. São Paulo: Global, 2006.

COSTA, C. De L. & ALVAREZ, S. E. “A circulação das teorias feministas e os desafios da Tradução”. In: Estudos Feministas, 21(2):336, Florianópolis: UFSC, maio- agosto/2013

DELISLE, J.; WOORDSWORTH, J. (orgs). Os tradutores na História. Tradução Sérgio Bath. São Paulo: Ática, 1998.

DUARTE, E. A. Literatura afro-brasileira: 100 autores do século XVIII ao XXI. Rio de Janeiro: Pallas, 2014.

DUARTE, C. L. Imprensa femina e feminista no Brasil – século XIX – dicionário Ilustrado. São Paulo: Autêntica, 2017.

ESTEVES, Lenita M. R. “A tradução do romance-folhetim no século XIX brasileiro”. In: Trabalhos em Linguística Aplicada. V. 42. Campinas: UNICAMP, 2003.

FERREIRA, A. C. : “A fonte fecunda” In: PINSKY, C. B.; LUCA, T. R. (orgs). O historiador e suas fontes. São Paulo: Contexto, 2013.

JULIO, S. S. Daminana da Cunha: uma índia entre a “sombra da cruz” e os caipós do sertão. Dissertação de mestrado em História. Programa de Pós-Graduação em História. Niteroi: UFF, 2015.

LUCA, T. R. “História dos, nos e por meio dos periódicos”. In: PINSKY, C. B. (org.). Fontes

Históricas. São Paulo: Contexto, 2015.

MATTHEWS, C. H. Gender, Race and Patriotism in the Works of Nisia Floresta, Rochester: Tamesis Books, 2012.

McEnery, A.M., Baker, H.S. Corpus linguistics and 17th-century prostitution: computational linguistics and history Bloomsbury Academic, 2016. 271 p.

MENDES, A. M. A escrita de Maria Firmina dos Reis na literatura afrodescendente brasileira: revisitando o cânone. Lisboa: Chiado, 2016.

METCALF, A. C. Go-betweens and the colonization of Brazil (1500-1600). Austin: University of Texas Press, 2008.

MEYER, Marlyse. Folhetim: uma história. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

MONTEIRO, B. F. Tradutora e atriz: Maria Velluti além dos palcos. In: Caderno de resumos do 8º Colóquio do Polo de Pesquisas Luso-Brasileiras. Rio de Janeiro, Real Gabinete Português de

Leitura, 2016.

MUZART, Z. L. (org.). Escritoras brasileiras do século XIX vol. II. Florianópolis/Santa Cruz do Sul: Mulheres/ UNIDESC, 2004.

MUZART, Z. L. (org.). Escritoras brasileiras do século XIX. Florianópolis: Mulheres, 2000.

PALLARES-BURKE, M. L. Nísia Floresta, O Carapuceiro e outros ensaios de tradução cultural. São Paulo: HUCITEC, 1996.

PAVAN, M. “Fotomontagem e Pintura Prérafaelista”. In: FABRIS, A. (org.) Fotografia: usos e funções no século XIX. São Paulo: EDUSP, 1991.

PINSKY, C. B.; PEDRO, J. M. (orgs.) .Nova História das Mulheres. São Paulo: Contexto,

PRIORI, M. (org.). História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2013.

REIS, C. V. Traduções indiretas vs. Traduções diretas: o caso de obras russas em português. Dissertação de Mestrado em Letras. Pós-graduação em Letras. Rio de Janeiro: PUC-RIO, 2010.

RIBEIRO, J. A carne. Rio de Janeiro: Escala, s/d.

SOUTO-MAIOR, V. A. “Josefina Álverez de Azavedo”. In: MUZART, Z. L. (org.).

Escritoras brasileiras do século XIX. Florianópolis: Mulheres, 2000.

TELES, M. A. A. Breve história do feminismo no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1999.

TELLES, N. “Escritoras, escritas, escrituras”. In: PRIORI, M. (org.). História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2013.

WYLER, L. Theatre, Translation and Colonization. Crop, v.6, Número especial: Emerging Views on Translation History in Brazil. Org. John Milton, p.75-90, São Paulo: FFLCH, 2001.

YERBRA, V. G. Traduccón: História Y Teoría. Madrid: Gredos, 1994.

Downloads

Publicado

2021-05-26

Como Citar

Silva-Reis, D., Carvalho Fonseca, L., & Sales, D. (2021). MULHERES TRADUTORAS DO SÉCULO XIX NO BRASIL: DO ROMANCE À NARRATIVA HISTORIOGRÁFICA. Revista Em Favor De Igualdade Racial, 4(2), 176–200. Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/RFIR/article/view/5016

Edição

Seção

TRADUÇÕES