HERDEIRAS DAS TRADIÇÕES AFRICANAS

TRABALHO, CULTURA, LAZER ONTEM E HOJE NA CIDADE DE VIGIA-PA

Autores

  • Assunção José Amaral UFPA
  • Raimundo Paulo Monteiro Cordeiro UFPA

Palavras-chave:

Mulher Negra, Cultura do carimbó, Amazônia

Resumo

Este artigo objetiva mostrar a trajetória das mulheres negras na construção da sociedade amazônica a partir de uma cidade secular chamada Vigia de Nazaré, localizada no Nordeste do Estado do Pará, enfatizando o fomento ao trabalho, à cultura, ao lazer e à (in)visibilidade dessas herdeiras da cultura e memória africanas. O presente artigo envolveu pesquisa documental em arquivos da cidade de Vigia-PA; pesquisa bibliográfica para análise dos dados; pesquisa de campo; análise qualitativa; entrevistas semiestruturadas. E entre os principais autores estão Amaral (1994, 2014), Algranti (1988), Kofes (2001), Palheta (1995), Salles (2005) e Velloso (1990). O artigo também aponta investidas nas invisibilidades dos trabalhos desenvolvidos pelas mulheres negras e por suas práticas culturais, que não eram reconhecidas por parte do poder público municipal e tampouco estadual, por isso órgãos competentes não desenvolveram projetos de valorização da cultura imaterial, muito menos a valorização da cultura afro-brasileira no município de Vigia.

Biografia do Autor

Assunção José Amaral, UFPA

Doutor em Ciência: Desenvolvimento Socioambiental, pelo Núcleo de Altos Estudos Amazônicos da Universidade Federal do Pará; Mestre em Planejamento do Desenvolvimento, pelo mesmo Núcleo.Especialista em Educação e Problemas Regionais, pelo antigo Centro e atual Instituto de Educação, da Universidade Federal do Pará; Bacharel e Licenciado em Ciências Sociais, pela mesma Universidade.Professor Assistente da Universidade Federal do Pará.

Raimundo Paulo Monteiro Cordeiro, UFPA

Mestre em Estudos Antrópicos na Amazônia, pelo Programa de Pós-graduação em Estudos Antrópicos na Amazônia, da Campus Universitário de Castanhal da Universidade Federal do Pará; Especialista em Saberes Africanos e Afro-brasileiros na Amazônia, peloUniversidade Federal do Pará; Licenciado Pleno em História, Universidade Federal do Pará; membro do Grupo de Pesquisa História em Campo, da Universidade Federal do Pará.

Referências

ACEVEDO MARIN, Rosa Elizabeth. Julgados das terras: cadeia de apropriação e atores sociais em conflitos na ilha de Colares, Pará. Belém: EDUFPA, 2004

ALGRANTI. L. M. O feitor ausente: estudos de escravidão urbana no Rio de Janeiro, 1808-1821. Rio de Janeiro, Vozes, 1988.

AMARAL, Assunção José Pureza. “Chama Verequete”: etnografia da trajetória e das vicissitudes de um compositor negro paraense. 1994. 50 f. Monografia (Licenciatura em Ciências Sociais) – Universidade Federal do Pará, Belém, 1994.

AMARAL, Assunção José Pureza; CORDEIRO, Raimundo Paulo Monteiro. Entre homens e mulheres, escravizados e libertos, campo e cidade – eis as tias “negras” do carimbó na fronteira do saber na cidade da Vigia/PA. In: Revista Cadernos do CEOM/Unochapecó, Ano 25, n.37 – Fronteiras – Santa Catarina, 2014.

CÓDIGO de Posturas Municipal da cidade de Vigia de 1883. Encontra-se no Arquivo Público do Estado do Pará (Belém).

CARNEIRO, Sueli. Enegrecer o feminismo: a situação da mulher negra na América Latina a partir de uma perspectiva de gênero. In: ASHOKA EMPREENDEDORES SOCIAIS; TAKANI CIDADANIA (Orgs.). Racismos contemporâneos. Rio de Janeiro: Takano Editora, 2003. [Coleção valores e atitudes, série Valores; n. 1. Não discriminação].

CORDEIRO, Paulo. Carimbó da Vigia. Edição do Autor, 2010, p.93.

CORDEIRO, Paulo. A mulher da Sociedade Vigiense (de 1917 a década de 70). Cidade de Vigia/PA. Ed. do Autor, 2012.

CORDEIRO, Paulo. Os Doces em Tabuleiros. Herança africana e portuguesa na cidade de Vigia. Ed. do Autor, 2018.

DOCUMENTO - Lista da junta Municipal de emancipação do dia 7 de maio de 1873. Encontra-se no arquivo da Sociedade “Cinco de Agosto”, na cidade de Vigia.

CONSTITUIÇÃO Federal Brasileira de 1988. Disponível em: www.planalto.gov.br. Acesso em: 20 de jan. 2019.

DUSSEL, Enrique. Filosofia da libertação na América Latina. São Paulo: LAYOLA, 1977.

INGOLD, Tim. Estar vivo: ensaios sobre movimento, conhecimento e descrição. Petrópolis, RJ: Vozes, 2015.

INGOLD, Tim. Introdução a O que é um animal? Antropolitica. 2007.. Disponível em: www.uff.br/antropolitica/revistaantropoliticas/revista_antropolitica_22.pdf. Acesso em: 17 de dez. 2019.

JORNAL Gazeta da Vigia, 08 de fevereiro de 1925. Ano I, n. XIII, p. 02. Encontra-se no Arquivo da Sociedade Beneficente “Cinco de Agosto”, (cidade de Vigia).

JORNAL O Farol, Cidade de Vigia, abril de 2012, Ano 01 – nº: 08 – p. 6.

KOFES, S. Mulher, mulheres: identidade, diferença e desigualdade na relação entre patroas e empregadas domésticas. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 2001. 46 (BINZER apud KOFES, 2001, p.134).

LEAL, Luiz Augusto Pinheiro. As Composições do Uirapuru: experiências do cotidiano expressas em letras do conjunto de carimbó de Verequete. Monografia de Especialização em Teoria Antropológica. Belém: UFPA, 1999

PALHETA, Aércio. Vigia Ainda Ontem. Belém: Imprensa Oficial do Estado. 1995.

REVISTA, Agenda, cidade de Vigia, novembro de 2005. Ano 01 – n. 01 – p. 20.

SALLES, Vicente. O negro no Pará, sob o regime da escravidão. Belém: IAP; Programa Raízes, 2005. 3ª Ed. rev. ampl.

SOARES, Cecilia Moreira. Mulher negra na Bahia no século XIX. 1994. 126f. Dissertação (Mestrado em História) Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal da Bahia, Salvador/BA, 1994.

THOMPSON, Edward P. Senhores e caçadores. A origem da Lei Negra. Rio de Janeiro:

Paz e Terra, 1981.

TUPINAMBÁ, Pedro. Carimbó. Revista Espaço. Belém. Ano 01 – nº 02 – novembro de 1971.

VELLOSO, M. P. As tias baianas tomam conta do pedaço: espaço e identidade cultural no Rio de Janeiro. In: Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 3, n. 6, p. 211, 1990.

Downloads

Publicado

2021-11-01

Como Citar

Amaral, A. J., & Monteiro Cordeiro, R. P. (2021). HERDEIRAS DAS TRADIÇÕES AFRICANAS: TRABALHO, CULTURA, LAZER ONTEM E HOJE NA CIDADE DE VIGIA-PA. Revista Em Favor De Igualdade Racial, 4(3), 172–187. Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/RFIR/article/view/4999

Edição

Seção

ARTIGOS