A CHARGE COMO DENÚNCIA DA CORRUPÇÃO E DA NECROPOLÍTICA

A REPRESENTAÇÃO DE ÁFRICA POR VICTOR NDULA

Autores

  • Gabriela Araldi Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Palavras-chave:

Charge, Corrupção em África, Necropolítica

Resumo

O presente artigo tem como objetivo captar o problema contemporâneo de corrupção no continente africano, sobretudo o desvio de dinheiro arrecadado com a ajuda externa, e debater seus reflexos e consequências através da análise imagética da Charge “Why is aid bad for Africa”- em português “porque a ajuda externa é ruim para a África”, produzida pelo artista africano Victor Ndula em 2012. Através do debate acerca dos componentes de um cartum e sua utilização como fonte histórica, identificou-se a sátira, o exagero da forma, a crítica a fatos e personalidades políticas, como fundamentais na construção da narrativa que se quer passar. Dessa forma, foi possível reconhecer a corrupção de autoridades e elites locais em países africanos como uma situação latente. Além disso, identifica-se a necropolítica - política da morte - conceito elaborado por Achille Mbembe, como fator de consequência social da corrupção condicionada aos povos africanos, e norteadora da construção crítica da imagem por Ndula. Tendo isso em vista, torna-se imprescindível evocar novos olhares e histórias a partir do recurso visual da charge, que tem potencialidade para atingir debates profundos sobre assuntos totalmente necessários.  

Biografia do Autor

Gabriela Araldi, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Estudante de graduação no curso de Bacharelado e Licenciatura em História da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Já foi bolsista do Programa de Educação Tutorial (PET) do curso de História da UFSC e do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID). Atualmente atua no Museu do Judiciário Catarinense.

Referências

BORONAT, Óscar Gual. El cómic como fuente histórica: el falso testimonio de Tintín en el Congo Belga. Espacio, Tiempo y Forma, Serie V, Historia Contemporánea, t. 23, págs. 141-158, 2011.

CARTOON Movement. Cartoon Movement, 2012. Why is aid bad for Africa. Disponível em: <https://cartoonmovement.com/cartoon/why-aid-bad-africa>. Último acesso em 19 de novembro de 2020.

CORREA, Silvio Marcus de Souza. Nem Brancos, nem Negros. A representação dos 'Amarelos' nas caricaturas do jornal Echos d'Afrique noire. Contra/Relatos Desde el Sur, v. 12, p. 47-59, 2015.

DIAS, Antônio Luís; LÚCIO, José; COELHO, Thierry Dias. Corrupção e pobreza em África: os legados coloniais em perspectiva comparada. Revista do Serviço Público. Brasília 66 (3) p. 395-424 jul/set 2015.

MBEMBE, Achille. NECROPOLÍTICA: Biopoder, soberania, estado de exceção, política de morte. Arte & Ensaios. Revista do PPGAV/EBA/UFRJ, n. 32. Dezembro de 2016.

SANTOS, Kennya Souza. Caricaturando a democratização da África do Sul. Florianópolis: PPGH/UFSC, 2019.

SANTOS, Renata de Paula dos. África do Sul, humor e transgressão: a representação de Jacob Zuma no traço de Zapiro. Domínios da Imagem, Londrina, v. 7, n. 13, p.109-121, dez. 2013.

SCULLY, Richard; QUARTLY, Marian. Using Cartoons as Historical Evidence. In: Drawing the Line: Using Cartoons as Historical Evidence. Edited by Scully, Richard; Quartly, Marian. Melbourne: Monash University ePress. pp. 1.1 to 1.13, 2009.

WALES, Jane. Just Say “No”. 2009. Disponível em: https://ssir.org/books/reviews/entry/dead_aid_dambisa_moyo#.Último acesso em: 09/04/2021.

Downloads

Publicado

2021-11-01

Como Citar

Araldi, G. (2021). A CHARGE COMO DENÚNCIA DA CORRUPÇÃO E DA NECROPOLÍTICA: A REPRESENTAÇÃO DE ÁFRICA POR VICTOR NDULA . Revista Em Favor De Igualdade Racial, 4(3), 89–99. Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/RFIR/article/view/4902

Edição

Seção

ARTIGOS