MUSEU ITINERANTE BALAIO DA CAPOEIRA

REPRESENTAÇÃO ESTÉTICA, REPRESENTATIVIDADE POLÍTICA E A PESQUISA EM EDUCAÇÃO

Autores

  • Daniel Silva Porto Museu Itinerante Balaio da Capoeira

Palavras-chave:

Capoeira, Museu-itinerante, Educação, Mediação Cultural

Resumo

Esse artigo analisou o caso do Museu Itinerante Balaio da Capoeira - MIBC, no contexto do processo de ressignificação dos museus e da capoeira no Brasil, no final do século XIX e início do século XX até a contemporaneidade. Atento às mudanças no olhar sobre o papel e lugar do negro, ao reconhecimento de novas categorias de saber presentes nos patrimônios culturais imateriais, às legislações específicas, às exposições ontem e hoje com seus diferentes dispositivos de pensar e mediar a cultura, às mudanças nos discursos sobre a cultura afro-brasileira e suas imbricações na pesquisa em educação. A transição no lugar e papel do negro e da cultura afro-brasileira representa uma série de conquistas institucionais expressas na formulação de leis e políticas públicas específicas no final do século XX e início do século XXI. Entre elas, o reconhecimento da capoeira como Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil em 2008. Os artefatos, objetos e as memórias dos sujeitos históricos presentes no acervo MIBC, simbolizam conquistas no campo social, político e estético; outros desafios surgem no processo de salvaguarda desses bens culturais: Como é possível combater o racismo sem uma educação antirracista? Como a educação, o ensino de arte, literatura e história podem interagir nesse processo? A mediação cultural indica alguns caminhos, em que a formação docente pode ser qualificada no sentido de relacionar as leis inclusivas e o patrimônio cultural afro-brasileiro no cotidiano escolar. Foi utilizada a metodologia da observação participante a partir das impressões do público ao assistir o documentário que narra a história de criação do MIBC, e da visitação ao acervo mediada por seu idealizador mestre Noventa. Os grupos sociais e étnico-culturais construíram diferentes compreensões a respeito da capoeira a partir de sua musealização proposta pelo MIBC.

Biografia do Autor

Daniel Silva Porto, Museu Itinerante Balaio da Capoeira

Sou graduado em História com Licenciatura e Bacharelado - PUC/2003, especialista no Ensino de Artes Visuais pela Escola de Belas Artes da UFMG 2013/16, e mestre em educação pela UEMG/2018. Atuo há 20 anos na área da educação e cultura, no desenvolvimento, gestão e monitoramento de projetos culturais. Sou professor do Colégio SESC de Teófilo Otoni-MG e da rede estadual de ensino de Minas Gerais. Fui um dos fundadores e presidente da Associação Rede Catitu Cultural, que dentre suas ações, destaco o 1º Seminário de Patrimônio Imaterial de MG - 2010 e o Museu Itinerante Balaio da Capoeira contemplado no Programa Nacional do Patrimônio Imaterial - IPHAN/2012, que foi objeto de pesquisa na especialização e no mestrado. Em 2011/2012 trabalhei como Diretor de Apoio na Secretaria Municipal de Cultura de Ribeirão das Neves-MG, contribuindo na elaboração do Plano Municipal de Cultura do Município e no suporte a pesquisa e produção do Inventário da Irmandade do Rosário de São Benedito. Fiz parte da comissão curadora da Exposição de Lançamento do Centro de Referência da Cultura Popular Lagoa do Nado/ Fundação Municipal de Cultura -FMC/BH/MG - 2014. Trabalhei como tutor no curso de Formação para Elaboração de Planos Municipais de Cultura - UFBA/MINC 2014/2015, e UEMG/MINC 2017, que deu suporte a municípios para elaboração de seus planos municipais de cultura.

Referências

ANDRADE, Fabrício. Arte/educação: Paradigmas do século XXI. São Paulo: Anablume, 2014.

ARAÚJO, Carlos Alberto Ávila. Museologia: correntes teóricas e consolidação científica. Revista Eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Museologia e Patrimônio – PPG-PMUS Unirio/MAST – v. 5, n° 2 - 2012.

BENEDICTI, Anderson. Comunidades imaginadas: Reflexão Sobre a Origem e Expansão do Nacionalismo. Lisboa: Edições 70, 2005.

BRASIL, Ministério da Cultural/IPHAN. Inventário para registro e salvaguarda da capoeira como patrimônio cultural do Brasil. Brasília: MINC/IPHAN, 2007. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Dossi%C3%AA_capoeira.pdf. Acesso em: 09 out. 2013.

CHARLOT, Bernard. Da relação com o saber às práticas educativas. São Paulo: Cortez, 2013.

FELINTO, Renata. Culturas africanas e afro-brasileiras em sala de aula: saberes para os professores, fazeres para os alunos. BH: Fino Traço, 2012.

GATI, Bernadetti A. Gatti. Implicações e Perspectivas da Pesquisa Educacional no Brasil Contemporâneo. Cadernos de Pesquisa, n° 113, p. 65-81, junho/2001.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Editora: DP&A. RJ, 2005.

MENOTTI, Gabriel. Obras a Mostra, Articulação do Trabalho de Arte Pelo Desenho da Exposição. Revista Usp, v.11, n.22, 2013. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/ars/article/view/80656. Acesso em: 22 set. 2015.

OLIVEIRA, Luiz Fernando; LIMA, Fabiana Ferreira. O novo PNE e a educação para as relações étnico-raciais: Urgências para o Currículo de Formação Inicial Docente. In: ANPED, Trabalho apresentado na 37ª Reunião da ANPED – 4 a 8 de outubro, UFSC – Florianópolis – SC, 2015.

SISS, Ahyas. Questões étnico-raciais no Brasil – uma questão histórica. Entrevista concedida a: ALVES, Nilda. Teias: Rio de Janeiro, ano 9, nº17, pp.95-100, jan/junho 2008.

SACRISTÃ. Poderes instáveis em educação. Artmed, SP, 1999.

SIBILA, Paula. Redes ou paredes: a escola em tempos de dispersão. Rio de Janeiro. Contraponto, 2012.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. O espetáculo das raças – cientistas, instituições e a questão racial no Brasil 1870-1930. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

WARDE, Mirian Jorge. Americanismo e Educação: um ensaio no espelho. In: São Paulo em Perspectiva, 14 (2) 2000. Disponível em: http://produtos.seade.gov.br/produtos/spp/v14n02/v14n02_05.pdf. Acesso em: 25 jun. 2016.

Downloads

Publicado

2021-05-26

Como Citar

Silva Porto, D. (2021). MUSEU ITINERANTE BALAIO DA CAPOEIRA: REPRESENTAÇÃO ESTÉTICA, REPRESENTATIVIDADE POLÍTICA E A PESQUISA EM EDUCAÇÃO. Revista Em Favor De Igualdade Racial, 4(2), 82–96. Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/RFIR/article/view/4184