“A FORÇA QUE MORA NA ÁGUA NÃO FAZ DISTINÇÃO DE COR”

DISCUTINDO A CRENÇA DAS RELIGIÕES ATRAVÉS DA MAGIA E IMPORTANCIA DA ÁGUA COMO PRINCÍPIO DIANTE DE TANTOS RITUAIS E TRADIÇÕES VIVIDOS NOS SEUS COTIDIANOS

Autores

  • Antonio Carlos Silva SEC - SECRETARIA DE EDUCAÇAO DO ESTADO DA BAHIA

Resumo

O presente artigo pretende discutir e mostrar como a água, na sua melhor essência, bem como as suas introduções, suas fusões e suas misturas, têm a característica de enriquecer muitos ritos, preceitos, tradições e o uso diário, que faz dela produto fundamental no cotidiano de várias famílias, ainda que diante de uma pós-modernidade imperante no dia a dia de grandes cidades como Salvador, por exemplo. Lançando mão de experiências, em geral, vividas por meio de algumas seitas e religiões de matriz africana, entre outras, como também ritos, sacramentos, consagrações, preceitos e crendices a ela ligados, notadamente, faz uma viagem através da formação étnica e social, dialogando com as diferenças e desigualdades de um país que convive com o a intolerância e com as desigualdades, mas que dialogam e se diluem quando o assunto envolve procedimentos que perpassam a natureza humana. Assim, a intenção é dinamizar a discussão sobre a importância deste bem material na composição atual do universo. Por assim dizer, “água é vida”. É possível perceber o quanto há de investimento, principalmente quando se fala em infraestrutura, bem como a resolução das necessidades básicas, as políticas públicas e as condições sanitárias da população, pois a água entra como fator preponderante em todo processo. Por outro lado, a água remete muito à questão da ancestralidade, motivo pelo qual dá-se ênfase nos estudos, asseverando a sua notabilidade no tocante a aspectos ligados à proteção ambiental, à fauna, e à flora, aspectos vitais para os estudos da contemporaneidade, além da questão identitária ligada a aspectos como pertencimento. Por fim, a proposição é mesmo buscar refletir sobre o assunto, introduzindo, assim, velhos elementos, com um olhar mais crítico, sob outra percepção, deixando latente a sua vitalidade no contexto social.

Biografia do Autor

Antonio Carlos Silva, SEC - SECRETARIA DE EDUCAÇAO DO ESTADO DA BAHIA

Mestrando em Educação e Contemporaneidade UNEB/BAHIA- Funcionário Público Estadual (Vice-Diretor e Professor de Língua Portuguesa/ Redação / Literatura )- Secretaria de Educação do Estado da Bahia – Agente Cultural.

Downloads

Publicado

2021-01-29

Como Citar

Silva, A. C. (2021). “A FORÇA QUE MORA NA ÁGUA NÃO FAZ DISTINÇÃO DE COR” : DISCUTINDO A CRENÇA DAS RELIGIÕES ATRAVÉS DA MAGIA E IMPORTANCIA DA ÁGUA COMO PRINCÍPIO DIANTE DE TANTOS RITUAIS E TRADIÇÕES VIVIDOS NOS SEUS COTIDIANOS. Revista Em Favor De Igualdade Racial, 4(1), 07–18. Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/RFIR/article/view/4174

Edição

Seção

ARTIGOS