UM OUTRO OLHAR SOBRE A REPRESSÃO SOFRIDA PELOS CALUNDUS NO NORDESTE E SUDESTE DO BRASIL

SÉCULOS XVI A XVIII

Autores

  • Andreza Silva Prado Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Palavras-chave:

Calundu. Intolerância. Período Colonial.

Resumo

O presente artigo objetiva abordar os prognósticos das práticas religiosas de origem africana no Brasil, com ênfase no período dos séculos XVI a XVIII, nas regiões Sudeste e Nordeste do Brasil. Elucidaremos aqui os ritos religiosos que ficaram conhecidos como “calundus” no âmbito do período colonial, bem como demonstrar, com base nas fontes bibliográficas e documentais, seguindo o método exploratório e explicativo, por meio de uma pesquisa bibliográfica, evidências que justificam que os Calundus do Período Colonial, em um primeiro momento, não foram tão perseguidos pelas autoridades cristãs, levando-se em conta o fato de eles terem uma certa aceitação por parte da população branca e alguns de seus praticantes conseguirem se estabelecerem financeiramente com suas práticas religiosas. Por fim, busca-se compreender as razões pelas quais estas práticas passaram a ser reprimidas pela Igreja, lançando um novo olhar para a repressão aos Calundus, percebendo que estes não foram perseguidos por se ocultarem, mas por tornarem-se evidentes aos olhos da Igreja. A relevância das análises mais detalhadas das origens das religiões de matrizes africanas justifica-se pela importância da possibilidade de um resgate histórico de identidades, dignidades e humanidades roubadas pelos colonizadores, os quais negavam a alteridade africana através dos seus preceitos e do seu exercício da colonialidade do poder e do encobrimento do outro a fim de compreender a cultura brasileira em seus diversos aspectos.

 

PALAVRAS-CHAVE: Calundu. Intolerância. Período Colonial.

Referências

ARQUIVO NACIONAL DA TORRE DO TOMBO. Inquisição de Lisboa. Processo n. 252, m. 26, 87 fls, 1744. Disponível em: https://digitarq.arquivos.pt/details?id=2300124. Acesso em 04 jul. 2020.

COSSA, Dulcídio M. Albuquerque. Religiões Tradicionais Africanas e a Flexibilidade do Sagrado Africano em Bastide: Das trajetórias ao encantamento. Revista da ABPN, Uberlândia, v. 11, n. 28, p. 90-108, mar./maio, 2019.

DAIBERT JR., Robert. A religião dos Bantos: Novas leituras sobre o calundu no Brasil colonial. Revista Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 28, n. 55, p. 7-25, jan./jun., 2015.

DAIBERT JR., Robert. Luzia Pinta: Experiências religiosas centro-africanas e inquisição no século XVIII. Revista Religare, João Pessoa, v. 9, n. 1, p. 3-16, mar., 2012.

DUSSEL, Enrique. 1492 O encobrimento do outro: A origem do “mito da modernidade”. Petrópolis: Vozes, 1993.

FERRÃO, Cristina; SOARES, José Paulo Monteiro et. al. (orgs.). Brasil holandês: O "Thierbuch" e a "Autobiografia" de Zacharias Wagener. Rio de Janeiro: Editora Index, 1997.

LOUZADA, Natália do Carmo. Recriando Áfricas: Subalternidade e identidade africana no Candomblé de Ketu. 2011. 401 f. Tese (Mestrado em História) – Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2011.

MARCUSSI, Alexandre Almeida. Cativeiro e Cura: Experiências religiosas da escravidão atlântica nos calundus de Luzia Pinta, séculos XVII-XVIII. 2015. 530 f. Tese (Doutorado em História) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

MELLO E SOUZA, Laura de. O diabo e a Terra de Santa Cruz: Feitiçaria e religiosidade popular no Brasil colonial. São Paulo: Companhia das Letras, 1986.

MELLO E SOUZA, Laura de. Revisitando o calundu. In: GORENSTEIN, Lina; CARNEIRO, Maria Luiza Tucci (Orgs.). Ensaios sobre a intolerância: Inquisição, marranismo e antisemitismo. São Paulo: Humanitas Publicações, 2002.

MIGNOLO, Walter. Histórias locais, projetos globais. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

MOTT, Luís. Bahia: Inquisição e sociedade. Salvador: EDUFBA, 2010.

MOTT, Luís. Cotidiano e Vivência Religiosa: Entre a capela e o calundu. In: MELLO E SOUZA, Laura de Mello. (org.). História da Vida Privada no Brasil: Cotidiano e vida privada na América portuguesa. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

NOGUEIRA, Guilherme Dantas. Tradição Calunduzeira: um conceito diaspórico. In: Arquivos do CMD: Dossiê Gênero, memória e cultura, Brasília, v. 8, n. 2, jul./dez., 2019.

PEREIRA, Nuno Marques. Compêndio narrativo do peregrino da América. Rio de Janeiro: Publicações da Academia Brasileira, 1939. v.2, 6 ed.

PEIXOTO, Afrânio. Obras de Gregório de Matos. Rio de Janeiro: Publicações da Academia Brasileira, 1930.

REIS, João José. Bahia de Todas as Áfricas. Revista de História da Biblioteca Nacional Online, Rio de Janeiro, v. 1, n. 6, p. 24-31, 2005.

SANTOS, Guarani M. O sincretismo religioso como resistência, em contextos de perseguição. 2017. Disponível em: https://domtotal.com/noticia/1193678/2017/09/o-sincretismo-religioso-como-resistencia-em-contextos-de-perseguicao/. Acesso em 02 jul. 2020.

SANTOS, Nágila Oliveira dos. Do Calundu aos Primeiros Terreiros de Candomblé no Brasil: De culto doméstico à organização político-social-religiosa. Revista África e Africanidades Online, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 01-11, mai. 2008.

SILVEIRA, Renato da. Do Calundu ao Candomblé. Revista de História da Biblioteca Nacional Online, Rio de Janeiro, v. 1, n. 6, p. 18–23, dez. 2005.

SAMBAJAMBO. Bantos, Malês e Identidade Negra. In: SAMBAJAMBO: Uma viagem no samba de roda da Bahia. 2013. Disponível em: https://sambajambo.wordpress.com/2013/05/08/bantos-males-e-identidade-negra/ Acesso em 01 jul. 2020.

SWEET, James H. Recriar África: Cultura, parentesco e religião no mundo afro-português (1441-1770). Lisboa: Edições 70, 2007.

TINHORÃO, José Ramos. As Festas no Brasil Colonial. São Paulo: Editora 34, 2000.

WAGNER, Zacharias. Negertanz. 1634/1638. In: FERRÃO, Cristina; SOARES, José Paulo Monteiro. (orgs.). Brasil holandês. Volume II. Rio de. Janeiro: Editora Index, 1997.

Downloads

Publicado

2021-05-26

Como Citar

Silva Prado, A. (2021). UM OUTRO OLHAR SOBRE A REPRESSÃO SOFRIDA PELOS CALUNDUS NO NORDESTE E SUDESTE DO BRASIL: SÉCULOS XVI A XVIII. Revista Em Favor De Igualdade Racial, 4(2), 17–31. Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/RFIR/article/view/4172