MOMENTO DE GUERREAR E MOMENTO DE PACTUAR

O CASO DOS AKROÁ E XAKRIABÁ

Autores

  • Beatriz Molina Caetano Universidade Federal do Triângulo Mineiro

Palavras-chave:

Populações indígenas brasileiras, Guerra – século XVIII, Pactos

Resumo

O intuito deste trabalho baseia-se na busca pela compreensão de uma realidade entre os povos indígenas e luso-brasileiros durante o século XVIII, período em que as principais atividades eram as guerras, as negociações e os pactos, que são evidenciados em manuscritos e referências historiográficas por meio do contato entre dois povos Akroá/Xakriabá e os luso-brasileiros na região norte da antiga capitania de Goiás. Para analisarmos melhor esse período, é necessário que mergulhemos em referenciais teóricos, utilizando autores cujas reflexões versam sobre a guerra indígena, os pactos, as negociações e a criação de uma representação e de um imaginário voltados, majoritariamente, para uma visão completamente eurocêntrica dessa parcela populacional do “Novo Mundo”. Esses trabalhos foram importantes para compreender como se estabeleceu a construção da imagem dos povos indígenas brasileiros a partir de uma documentação fortemente influenciada por padrões eurocêntricos. Desse modo, este trabalho visa trazer o papel dos indígenas como os principais sujeitos e atuantes da própria história.

Biografia do Autor

Beatriz Molina Caetano, Universidade Federal do Triângulo Mineiro

Possui graduação em História pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro (2020). Atualmente é professor da Escola Estadual Professor Minervino Cesarino. Tem experiência na área de História, com ênfase em História do Brasil Colônia, atuando principalmente nos seguintes temas: Temas multidisciplinares, questões indígenas e Educação.

Referências

APOLINÁRIO, Juciene Ricarte. Os Akroás e outros povos indígenas nas fronteiras do Sertão – Políticas indígena e indigenistas no norte da capitania de Goiás – Século XVIII. Goiânia: Kelps, 2006.

BURKE, Peter. Cultura popular na idade moderna. Companhia das letras. São Paulo, 1989.

CASTRO, Eduardo Viveiros de. No Brasil, todo mundo é índio, exceto quem não é. Sócio Ambiental. São Paulo: Brasília: Instituto Socioambiental, ago. 2006. Disponível em: https://pib.socioambiental.org/files/file/PIB_institucional/No_Brasil_todo_mundo_%C3%A9_%C3%ADndio.pdf. Acesso em 20 dez. 2020.

CUNHA, Manuela Carneiro da. História dos índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras: FAPESP, 1992.

CUNHA, Manuela Carneiro da. Índios no Brasil: história, direitos e cidadania. São Paulo: Claro Enigma, 2012.

CUNHA, Manuela Carneiro da; VIVEIROS, Eduardo de Castro. Vingança e temporalidade: os Tupinambá. Journal de la Societé des Américanistes, Paris, tomo 71, p. 191-208, 1985. Disponível em: http://www.persee.fr/doc/jsa_0037-9174_1985_num_71_1_2262. Acesso em 20 dez. 2020.

CLASTRES, Pierre. Arqueologia da violência: a guerra nas sociedades primitivas. In: CUNHA, Manuela Carneiro da; VIVEIROS, Eduardo de Castro. Arqueologia da violência: pesquisas de antropologia política. São Paulo. Cosac Naify, 2011. p. 158-187.

FERGUSON, R. Brian; WHITEHEAD, Neil L. Preface. In: ______. War in the tribal zone: expanding states and indigenous warfare. Santa Fe: School of American Research, 1992. p. 37-39.

FREITAS, Ludmila Gomides. O sal da guerra: padre Antônio Vieira e as tópicas teológico jurídicas na apreciação da guerra contra os índios. 2014. 311 f. Tese (Doutorado em História). Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2014.

FUNARI, Pedro Paulo; PIÑON, Ana. A temática indígena na escola: subsídios para os professores. São Paulo: Contexto, 2011.

FAUSTO, Carlos. Da inimizade: forma e simbolismo da guerra indígena. In: NOVAES, Adauto. A outra margem do ocidente. São Paulo: Companhia das Letras, 1999. p. 251-282.

GARCIA, Elisa. Quando os índios escolhem os seus aliados: as relações de “amizade” entre os minuanos e os lusitanos no sul da América Portuguesa (c. 1750-1800). Varia História, Belo Horizonte, v. 24, n. 40, p. 613-632, jul./dez. 2008.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Guerra e comércio entre os índios da América do Sul. In:

SCHADEN, Egon. Leituras de etnologia brasileira. São Paulo: Companhia Editora Nacional,

MONTEIRO, John Manuel. Unidade, diversidade e a invenção dos índios: entre Gabriel Soares de Sousa e Francisco Adolfo de Varnhagen. Revista de História, São Paulo, v. 149, p. 109-137, 2003.

MORI, Robert. Os aldeamentos indígenas no Caminho dos Goiases: guerra e etnogênese no sertão do Gentio Cayapó (Sertão da Farinha Podre) séculos XVIII e XIX. 2015. 232 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Humanas) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2015.

PERRONE-MOISÉS, Beatriz. Índios livres e índios escravos: os princípios da legislação indigenista do período colonial (séculos XVI a XVIII). In: CUNHA, Manuela Carneira da (org). História dos índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras: Secretaria Municipal de Cultura: FAPESP, 1992. p. 115-132.

SAHLINS, Marshall David. Ilhas de História. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.

Downloads

Publicado

2021-05-26

Como Citar

Molina Caetano, B. (2021). MOMENTO DE GUERREAR E MOMENTO DE PACTUAR: O CASO DOS AKROÁ E XAKRIABÁ. Revista Em Favor De Igualdade Racial, 4(2), 47–61. Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/RFIR/article/view/4148