As narrativas dos profissionais da atenção básica sobre o atendimento de dependentes químicos

  • Maria Cecília Leite de Moraes Centro Universitário Adventista de São Paulo- UNASP
  • Simone De Oliveira Centro Universitário Adventista de São Paulo
Palavras-chave: Dependentes Químicos, Atenção Básica, Programa Saúde da Família, Estratégia Saúde da Família, Políticas Públicas de Saúde

Resumo

A dependência química é um importante problema de saúde pública que grassa o mundo atual. O sistema de saúde e profissionais devem amparar os dependentes. Buscou-se conhecer as opiniões dos profissionais que os atendem, por meio de narrativas já publicadas. O levantamento bibliográfico foi feito através de pesquisa na base de dados da BIREME, entre os anos de 1997 a 2012. Utilizou-se como descritores: dependência química, atenção básica, saúde da família e, reabilitação. Foram encontrados dez artigos. As narrativas pontuaram obstáculos, mas aspectos de positividade. Os obstáculos foram: falta de capacitação para o trabalho, condições insatisfatórias dos serviços para acolher e tratar os adictos e, a prevalência do discurso tradicional em saúde mental. Os aspectos positivos narrados estiveram relacionados a proximidade com o dependente e, ao entendimento do problema. Constata-se que a compreensão do fenômeno dependência química pode alterar o cenário geral e, como decorrência os pacientes conquistem o direito de ser atendidos segundo o estabelecido pelo SUS.

Referências

Bertolli Filho C. História da saúde pública no Brasil. Editora Ática, São Paulo, 2008.

Paim J, Travassos C, Almeida C, Bahia L, Macinko J. Saúde no Brasil 1: o sistema de saúde brasileiro: história, avanços e desafios. Veja, v. 6736, n.11, p. 60054-8. 2012.

Botti NCL, Andrade WV. A saúde mental na atenção básica-articulação entre os princípios do SUS e da reforma psiquiátrica. Cogitare Enferm, 13(3), 387-94. 2008.

Brasil. Ministério da Saúde. Pacto pela Saúde: política nacional de atenção básica. Volume 4. 1994.

Brasil. Ministério da Saúde. Saúde da Família: uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial. Ministério da Saúde. 1997.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Coordenação Geral de Saúde Mental. Saúde Mental e a atenção básica: o vínculo e o diálogo necessários. Brasília: MS; 2001.

Pinho PH, De Oliveira MA, De Almeida MM. A reabilitação psicossocial na atenção aos transtornos associados ao consumo de álcool e outras drogas: uma estratégia possível? Revista de psiquiatria clínica, v.35, n. supl1, p 82-88, 2008.

Amarante P. Saúde mental e atenção psicossocial. Rio de Janeiro: Scielo, Editora Fiocruz (2013).

Queiroz LS, Gomes AP, Reis AL, Knupp DFD, Aquino CR. Repertórios interpretativos de profissionais da rede de saúde mental e atenção primária de Belo Horizonte sobre uso de drogas. Saúde Debate. Rio de Janeiro, v.38, N.100, p 80-93, jan.- mar. 2014.

Schneider DR, De Lima DS. Implicações dos modelos de atenção à dependência de álcool e outras drogas na rede básica em saúde. Psico, 42 (2).2011.

Castiel LD, Guilam MCR, Ferreira MS. Correndo o risco: uma introdução aos riscos em saúde. SciELO-Editora FIOCRUZ.2010.

Gonçalves, AM. Cuidados diante do abuso e da dependência de drogas: um desafio da prática do Programa saúde da família. 2002) Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo.

Cordoba, E. SUS e ESF- Sistema único de saúde e estratégia saúde da família. São Paulo: Rideel, 2013.

Silveira OS, Martins LF, Soares RG, Gomide HP, Ronzani TM. Revisão sistemática da literatura sobre estigma social e alcoolismo. Estudos de Psicologia, 16(2), maio-agosto/2011, 131-138.

Gonçalves SSP, Tavares CMM. Atuação do enfermeiro na atenção dos usuários de álcool e outras drogas nos serviços extra hospitalares. Anna Nery Ver Enferm dez. 11 (4): 586-92. 2007.

Spricigo JS, Alencastre MB. O enfermeiro de unidade básica de saúde e o usuário de drogas: um estudo em Biguaçú-SC. Rev Latino-am Enfermagem 12 (número especial):427-32. 2004

De Oliveira C, De Vargas D. Representações sociais dos enfermeiros de hospital geral diante do paciente alcoolista. Cogitare Enferm jul.-set.; 17 (3); 2012.

Ronazani TM, Ribeiro MS, Amaral MB, Formigoni, MLOS. Implantação de rotinas de rastreamento do uso de álcool e de uma intervenção breve na atenção primária à saúde: dificuldades a serem superadas. Cad Saúde Pública, Rio de Janeiro, 21 (3): 852-861, maio- jun., 2005.

Barros MAD, Pillon, SC. Atitudes dos profissionais do Programa Saúde da Família diante do uso e abuso de drogas. Esc Anna Nery Rev Enferm 11(4), 655-62. 2007.

Meira S, Arcoverde MAM. Representações sociais dos enfermeiros de unidades básicas de um distrito sanitário de Foz do Iguaçu, PR, sobre o alcoolismo. SMAD. 6(1); 2010.

De Oliveira JF, Mccallum CA, Costa HOG. Representações sociais de Agentes Comunitários de Saúde acerca do consumo de drogas. Rev Esc Enferm USP, 44(3), 611-8. 2010.

Scanduto AA, Barbieri V. O discurso sobre a adesão de adolescentes ao tratamento da dependência química em uma instituição de saúde pública. Ciências & Saúde Coletiva 14 (2): 605-614. 2009.

De Vargas D, Luis MAV. Álcool, alcoolismo e alcoolista: concepções e atitudes de enfermeiros de unidades básicas distritais de saúde. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 16 (spe), 543-50. 2008.

Gouvea MF, Silva GHGA. Atuação da enfermagem no tratamento do dependente químico de cocaína e crack. Revista de iniciação científica da Universidade Vale do Rio Verde. 1 (1). 2012

Da Silveira SP, Vieira ALS. Saúde Mental e atenção básica em saúde: análise de uma experiência no nível local. Ciência e saúde coletiva 14 (1): 139-148. 2009.

Cruz OS, Machado C. Consumo não problemático de drogas ilegais. Toxicodependências, v. 16, n. 2, p. 39-47, 2010.

Delboni F, Da Ros V, Ferreira EMA. Avaliação da disponibilização de kits de redução de danos. Saúde e sociedade, v15, n1, p.37048, jan.-abr. 2006.

Gonçalves AM. Cuidados diante do abuso e da dependência de drogas: um desafio da prática do Programa saúde da família. (2002) Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo.

Bucher, R. A abordagem preventiva. In: BUCHER, R (Org). As drogas e a vida: uma abordagem psicossocial. São Paulo: EPU, Cap. 8, p.55-67, 1998.

Seadi SMS, Oliveira MDS. A terapia multifamiliar no tratamento da dependência química: um estudo retrospectivo de seis anos. Psicol Clin 21(2), 363-78. 2009.

Munari DB, Melo TS, Pagotto V, Rocha BS, Soare CB, Medeiros M. Saúde mental no contexto da atenção básica: potencialidades, limitações e desafios do programa saúde da família. Rev Eletr Enf. 10 (3) 784-95. 2008.

Brasil. Ministério da Saúde. Saúde mental: o vínculo e o diálogo necessários. Circular Conjunta nº 01, de 13 de novembro de 2003. Brasília (DF); 2003.

Carraro TE, Rassool, GH, Luis MAV. A formação do enfermeiro e o fenômeno das drogas no sul do Brasil: atitudes e crenças dos estudantes de enfermagem sobre o cuidado. Revista Latino-Americana de Enfermagem. set.-out., 13 (número especial): 863-71. 2005.

Farias FLR. Cuidado de enfermagem ao dependente químico. Programa e Resumos do 6º Encontro de Pesquisadores em Saúde Mental e 5º Encontro de Especialistas em Enfermagem Psiquiátrica, 17. 2000.

Publicado
2018-12-14
Seção
Artigo de Revisão