As narrativas dos profissionais da atenção básica sobre o atendimento de dependentes químicos

Maria Cecília Leite de Moraes, Simone De Oliveira

Resumo


A dependência química é um importante problema de saúde pública que grassa o mundo atual. O sistema de saúde e profissionais devem amparar os dependentes. Buscou-se conhecer as opiniões dos profissionais que os atendem, por meio de narrativas já publicadas. O levantamento bibliográfico foi feito através de pesquisa na base de dados da BIREME, entre os anos de 1997 a 2012. Utilizou-se como descritores: dependência química, atenção básica, saúde da família e, reabilitação. Foram encontrados dez artigos. As narrativas pontuaram obstáculos, mas aspectos de positividade. Os obstáculos foram: falta de capacitação para o trabalho, condições insatisfatórias dos serviços para acolher e tratar os adictos e, a prevalência do discurso tradicional em saúde mental. Os aspectos positivos narrados estiveram relacionados a proximidade com o dependente e, ao entendimento do problema. Constata-se que a compreensão do fenômeno dependência química pode alterar o cenário geral e, como decorrência os pacientes conquistem o direito de ser atendidos segundo o estabelecido pelo SUS.


Palavras-chave


Dependentes Químicos, Atenção Básica, Programa Saúde da Família, Estratégia Saúde da Família, Políticas Públicas de Saúde

Texto completo:

PDF

Referências


Bertolli Filho C. História da saúde pública no Brasil. Editora Ática, São Paulo, 2008.

Paim J, Travassos C, Almeida C, Bahia L, Macinko J. Saúde no Brasil 1: o sistema de saúde brasileiro: história, avanços e desafios. Veja, v. 6736, n.11, p. 60054-8. 2012.

Botti NCL, Andrade WV. A saúde mental na atenção básica-articulação entre os princípios do SUS e da reforma psiquiátrica. Cogitare Enferm, 13(3), 387-94. 2008.

Brasil. Ministério da Saúde. Pacto pela Saúde: política nacional de atenção básica. Volume 4. 1994.

Brasil. Ministério da Saúde. Saúde da Família: uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial. Ministério da Saúde. 1997.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Coordenação Geral de Saúde Mental. Saúde Mental e a atenção básica: o vínculo e o diálogo necessários. Brasília: MS; 2001.

Pinho PH, De Oliveira MA, De Almeida MM. A reabilitação psicossocial na atenção aos transtornos associados ao consumo de álcool e outras drogas: uma estratégia possível? Revista de psiquiatria clínica, v.35, n. supl1, p 82-88, 2008.

Amarante P. Saúde mental e atenção psicossocial. Rio de Janeiro: Scielo, Editora Fiocruz (2013).

Queiroz LS, Gomes AP, Reis AL, Knupp DFD, Aquino CR. Repertórios interpretativos de profissionais da rede de saúde mental e atenção primária de Belo Horizonte sobre uso de drogas. Saúde Debate. Rio de Janeiro, v.38, N.100, p 80-93, jan.- mar. 2014.

Schneider DR, De Lima DS. Implicações dos modelos de atenção à dependência de álcool e outras drogas na rede básica em saúde. Psico, 42 (2).2011.

Castiel LD, Guilam MCR, Ferreira MS. Correndo o risco: uma introdução aos riscos em saúde. SciELO-Editora FIOCRUZ.2010.

Gonçalves, AM. Cuidados diante do abuso e da dependência de drogas: um desafio da prática do Programa saúde da família. 2002) Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo.

Cordoba, E. SUS e ESF- Sistema único de saúde e estratégia saúde da família. São Paulo: Rideel, 2013.

Silveira OS, Martins LF, Soares RG, Gomide HP, Ronzani TM. Revisão sistemática da literatura sobre estigma social e alcoolismo. Estudos de Psicologia, 16(2), maio-agosto/2011, 131-138.

Gonçalves SSP, Tavares CMM. Atuação do enfermeiro na atenção dos usuários de álcool e outras drogas nos serviços extra hospitalares. Anna Nery Ver Enferm dez. 11 (4): 586-92. 2007.

Spricigo JS, Alencastre MB. O enfermeiro de unidade básica de saúde e o usuário de drogas: um estudo em Biguaçú-SC. Rev Latino-am Enfermagem 12 (número especial):427-32. 2004

De Oliveira C, De Vargas D. Representações sociais dos enfermeiros de hospital geral diante do paciente alcoolista. Cogitare Enferm jul.-set.; 17 (3); 2012.

Ronazani TM, Ribeiro MS, Amaral MB, Formigoni, MLOS. Implantação de rotinas de rastreamento do uso de álcool e de uma intervenção breve na atenção primária à saúde: dificuldades a serem superadas. Cad Saúde Pública, Rio de Janeiro, 21 (3): 852-861, maio- jun., 2005.

Barros MAD, Pillon, SC. Atitudes dos profissionais do Programa Saúde da Família diante do uso e abuso de drogas. Esc Anna Nery Rev Enferm 11(4), 655-62. 2007.

Meira S, Arcoverde MAM. Representações sociais dos enfermeiros de unidades básicas de um distrito sanitário de Foz do Iguaçu, PR, sobre o alcoolismo. SMAD. 6(1); 2010.

De Oliveira JF, Mccallum CA, Costa HOG. Representações sociais de Agentes Comunitários de Saúde acerca do consumo de drogas. Rev Esc Enferm USP, 44(3), 611-8. 2010.

Scanduto AA, Barbieri V. O discurso sobre a adesão de adolescentes ao tratamento da dependência química em uma instituição de saúde pública. Ciências & Saúde Coletiva 14 (2): 605-614. 2009.

De Vargas D, Luis MAV. Álcool, alcoolismo e alcoolista: concepções e atitudes de enfermeiros de unidades básicas distritais de saúde. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 16 (spe), 543-50. 2008.

Gouvea MF, Silva GHGA. Atuação da enfermagem no tratamento do dependente químico de cocaína e crack. Revista de iniciação científica da Universidade Vale do Rio Verde. 1 (1). 2012

Da Silveira SP, Vieira ALS. Saúde Mental e atenção básica em saúde: análise de uma experiência no nível local. Ciência e saúde coletiva 14 (1): 139-148. 2009.

Cruz OS, Machado C. Consumo não problemático de drogas ilegais. Toxicodependências, v. 16, n. 2, p. 39-47, 2010.

Delboni F, Da Ros V, Ferreira EMA. Avaliação da disponibilização de kits de redução de danos. Saúde e sociedade, v15, n1, p.37048, jan.-abr. 2006.

Gonçalves AM. Cuidados diante do abuso e da dependência de drogas: um desafio da prática do Programa saúde da família. (2002) Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo.

Bucher, R. A abordagem preventiva. In: BUCHER, R (Org). As drogas e a vida: uma abordagem psicossocial. São Paulo: EPU, Cap. 8, p.55-67, 1998.

Seadi SMS, Oliveira MDS. A terapia multifamiliar no tratamento da dependência química: um estudo retrospectivo de seis anos. Psicol Clin 21(2), 363-78. 2009.

Munari DB, Melo TS, Pagotto V, Rocha BS, Soare CB, Medeiros M. Saúde mental no contexto da atenção básica: potencialidades, limitações e desafios do programa saúde da família. Rev Eletr Enf. 10 (3) 784-95. 2008.

Brasil. Ministério da Saúde. Saúde mental: o vínculo e o diálogo necessários. Circular Conjunta nº 01, de 13 de novembro de 2003. Brasília (DF); 2003.

Carraro TE, Rassool, GH, Luis MAV. A formação do enfermeiro e o fenômeno das drogas no sul do Brasil: atitudes e crenças dos estudantes de enfermagem sobre o cuidado. Revista Latino-Americana de Enfermagem. set.-out., 13 (número especial): 863-71. 2005.

Farias FLR. Cuidado de enfermagem ao dependente químico. Programa e Resumos do 6º Encontro de Pesquisadores em Saúde Mental e 5º Encontro de Especialistas em Enfermagem Psiquiátrica, 17. 2000.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.