DEMANDA POR UM CURSO DE LICENCIATURA EM LÍNGUA INDÍGENA NA UFRR

  • Paulo Fernando Borges Ferreira Professor Municipal em Boa Vista RR. Universidade Federal de Roraima (Programa de Mestrado em Letras - PPGL/UFRR) Bolsista CAPES.

Resumo

 

Resumo

Trata-se de um Artigo com a finalidade de compor publicação no Periódico da Universidade do Acre – UFAC, Jamaxi. Tem por finalidade compreender a necessidade da criação de Cursos Superiores de Línguas Indígenas. Para cumprir esse propósito foram selecionados, em perfil bibliográfico qualiquantitativo de pesquisa (misto), autores como Bobbio (1992), Alvim (1995), UFRR (2001), Santos (2004), Canclini (2004), Baniwa (2008), Fernandes, Carvalho e Repetto (2009), Bernardi (2011), Baptaglin (2017), o que possibilitou maior compreensão e contextualização da presente temática. Dentro do modelo quantitativo a pesquisa indica uma demanda real e atual dentro da UFRR: a necessidade de um curso de formação superior em Língua Indígena. Ao passo que novos desafios vão surgindo dentro do fazer e da vivência acadêmica, se faz necessário novas dinâmicas administrativas e de políticas formativas que atendam e garantam direitos de diferentes grupos, inclusive dos indígenas de Roraima e do país, bem como os de todos aqueles que tenham interesse em aprender (de maneira certificada) um curso destas culturas históricas/ atuais diversificadamente constituídas. Dos dados coletados, se pôde perceber que um Curso de Formação Superior em Língua Indígena pelo Insikiran, serviria para superação de obstáculos para a obtenção de uma certificação acadêmica de interessados em aprender uma das línguas indígenas de Roraima, como a exemplo de problemas com deslocamento, moradia e custeio de estudos.

Palavras-chave: Formação Superior. Línguas Indígenas. Multiculturalismo. Universidade Federal de Roraima.

Biografia do Autor

Paulo Fernando Borges Ferreira, Professor Municipal em Boa Vista RR. Universidade Federal de Roraima (Programa de Mestrado em Letras - PPGL/UFRR) Bolsista CAPES.
Indígena do Povo Macuxi de Roraima
Professor Acadêmico do Curso de Pedagogia na FATESP 
Professor Municipal (Boa Vista - RR)

Bacharel em Direito
Pedagogo
Licenciado em Letras/Espanhol
Pós-graduado em Atendimento Educacional Especializado - AEE e Educação Especial
Pós-graduando em Educação Indígena
Pós-graduando em Ensino da Língua Espanhola
Mestrando em Letras - UFRR




Referências

REFERÊNCIAS

ALVIM, G. Autonomia Universitária e Confessionalidade. 2ª edição. Piracicaba-SP: Unimep, 1995.

BRASIL. Lei Nº 6.001, de 19 de dezembro de 1973. Estatuto do Índio. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l6001.htm>. Acesso em: 31 de dez. de 2018.

_______, Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei número 9394, 20 de dezembro de 1996.

_______, Ministério da Educação. Referencial Curricular Nacional para as Escolas Indígenas. Brasília: MEC, 1998.

_______, Parecer 14/99 do Conselho Nacional de Educação. Conselho Nacional de Educação – Câmara de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Escolar Indígena. Brasília – DF, 1999.

_______, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Características gerais dos indígenas no Censo Demográfico 2010 – resultados do Universo. Rio de Janeiro, 2012.

BOBBIO, N. A Era dos Direitos. Tradução: Carlos Nelson Coutinho. Editora Campus. Rio de Janeiro, 1992.

BANIWA, G. J. S. L. Entrevista concedida a Trilhas de Conhecimentos. Brasília, 2008. Disponível em < http://www.trilhasdeconhecimentos.etc.br/mato_grosso_do_sul/index.html. Acesso em: 14 de set. de 2018.

_______, Territórios etnoeducacionais: um novo paradigma na política educacional brasileira. In: CONAE, 2010, Brasília. Anais. Brasília, DF: MEC, 2010.

_______, Indígenas no Ensino Superior: Novo Desafio para as Organizações Indígenas e Indigenistas no Brasil. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE AMERICANISTAS, 53., 2009, México. Anais... México, 2009.

BAPTAGLIN, L. A. Aprendizagem na Docência: um olhar ara os cursos técnicos de ensino médio integrado. Apris, 1ª Ed. Curitiba: 2017, 239 p.

BERNARDI, L. T. M. dos Santos. Formação continuada em matemática do professor indígena Kaingang: enfrentamentos na busca de um projeto educativo. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Santa Catarina, 2011. Disponível em: <https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/95735>. Acesso em: 01 de mai. de 2019.

BRAGGIO, S. L. B. Políticas e direitos linguísticos dos povos indígenas brasileiros. (Projeto Contato entre línguas: Línguas indígenas brasileiras em contato com o português). Pós-Doutorado, University of New Mexico, 2001.

CANCLINI, N. G. Diferentes, desiguales y desconectados: mapas de la interculturalidad. Buenos Aires: Gedisa, 2004.

COHEN, G. V.; FONSECA, T.; CARVALHO, C. A. M. (Orgs). Gestão e Pesquisa: caminho e aprendizagem. Ed. UFRR, Boa Vista, 2016, 289 p.

FERNANDES, M. L.; CARVALHO, F., REPETTO, M. Acesso e permanência de indígenas ao ensino superior: O Programa E’ma Pia, UFRR. Boa Vista: Editora da UFRR, 2009.

FERNANDES, M. L. Indígenas no ensino superior: vagas específicas na UFRR. In: REPETTO, M.; FERNANDES, M. L.; NEVES, L. (Org.). Universidade inconclusa: os desafios da desigualdade. Boa Vista: Editora UFRR, 2008.

FRANK, E.H.; CIRINO, A. C. Desteritorialização e Re-territorialização dos Povos Indígenas de Roraima: Uma Revisão Crítica. In: BARBOSA, I. R.MELO F. V. (Org.). Roraima: Homem, Ambiente e Ecologia. Boa Vista: FEMACT, 2010.p.11 – 31.

MAHER, T., M. Do casulo ao movimento: a suspensão das certezas na educação bilíngüe e intercultural. In: CAVALCANTI, M.; BORTONI-RICARDO, S. M. (Orgs.). Transculturalidade, linguagem e educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2007. p. 67-94.

OLIVEIRA, G. M. O que quer a linguística e o que se quer da linguística: a delicada questão da assessoria linguística no movimento indígena. Caderno Cedes, Campinas, v. 19, n. 49, p. 26-38, 1999. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101- 32621999000200004

PALADINO, M. (compiladoras) Educación escolar indígena: investigaciones antropológicas en Brasil y Argentina. Buenos Aires: Antropofagia: 2012, pp. 279-295.

ROMANOWSKI, J. P.; ENS, R. T. As pesquisas denominadas do tipo "estado da arte" em educação. Diálogo Educ., Curitiba, v. 6, n.19, 2006, p.37-50. Disponível em: <http://www.redalyc.org/html/1891/189116275004/>. Acesso em: 01 de out. de 2018.

SANTOS, Boaventura de Sousa (Org.). Conhecimento prudente para uma vida decente. Um discurso sobre as ciências revisitado. São Paulo: Cortez, 2004.

_______, A Universidade no século XXI: para uma reforma democrática e emancipatória da universidade. Cortez, 3ª Ed. São Paulo, 2011, 118 p.

SANTOS, S. C. Educação e sociedades tribais. Porto Alegre: Movimento, 1975.

SCRIPTORI, C. C. (org.) Universidade e Conhecimento: desafios e perspectivas no âmbito da docência, pesquisa e gestão. Campinas, SP: Mercado das Letras, 2004. p. 49 - 63. (Coleção Educação e Psicologia em Debate).

SORIANO AYALA, E. (coord) Identidad cultural y ciudadanía intercultural: su contexto educativo. Editorial La Muralla, S.A. 1ª ed., 1ª imp. Madrid, 2001.

Publicado
2019-12-23
Seção
ARTIGO