Esgotamento profissional e qualidade de vida no trabalho: uma revisão integrativa

Sandra Helena Araújo Mendonça, Lidiane Silva Araújo

Resumo


Este artigo pretendeu caracterizar as publicações nacionais sobre a relação entre os construtos esgotamento profissional e qualidade de vida no trabalho. Realizou-se uma revisão integrativa, desempenhada no portal BVS, por meio dos descritores "esgotamento profissional", "qualidade de vida" e "trabalho", fixando-se as bases de dados MEDLINE, LILACS, BDENF - Enfermagem e INDEX PSICOLOGIA -periódicos técnico-científicos. Foram consideradas as publicações de 2006-2015 com o texto completo disponível. Estabelecidos os critérios de refinamento e de inclusão/exclusão, somente 3 artigos fizeram parte da revisão, representando menos de 1%  do arsenal inicial encontrado (n=316). Os resultados evidenciaram que os artigos foram de autoria múltipla, de natureza empírica e enquadrados dentro de uma metodologia quantitativa. As publicações retrataram a realidade de profissionais vulneráveis ao esgotamento profissional, especialmente professores e profissionais da enfermagem. Em linhas gerais, observou-se uma baixa produção científica nacional sobre o tema, sugerindo a necessidade de desenvolver novas pesquisas.


Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, M. A. B., Gutierrez, G. L., & Marques, R. (2012). Qualidade de vida definição, conceitos e interfaces com outras áreas de pesquisa. São Paulo: Escola de Artes, Ciências e Humanidades – EACH/USP.

Alonso, F. G. (2014). Síndrome de Burnout: manual de medidas preventivas e identificativas para aplicação pelo engenheiro de segurança do trabalho. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) – Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba.

Areias, M. E. Q., & Comandule, A. Q. (2004). Qualidade de vida, estresse no trabalho e síndrome de burnout, Em: Gonçalves, A., Gutierrez, G. L., Vilarta, R. (Org.). Qualidade de vida e fadiga institucional. Campinas: IPES Editorial.

Batista, J. B. V. et al. (2010). Prevalência da Síndrome de Burnout e fatores sociodemográficos e laborais em professores de escolas municipais da cidade de João Pessoa, PB. Revista Brasileira de Epidemiologia, São Paulo, 13(3), 502-512. Recuperado em 26 de janeiro de 2016, de

Benevides-Pereira, A. M. T. (Org.). (2010). Burnout: quando o trabalho ameaça o bem-estar do trabalhador (4a ed). São Paulo, Casa do Psicólogo.

Benke, M. R. P.; Carvalho, E. Estresse x qualidade de vida nas organizações: um estudo teórico. [s. d.]. Recuperado em 15 de janeiro de 2016, de .

Calvetti, P. U., Muller, M. P., & Nunes, M. L. T. (2007). Psicologia da Saúde e Psicologia Positiva: Perspectivas e Desafios. Psicologia: Ciência e Profissão, 27(4), 706-717. Recuperado em 15 de janeiro de 2016, de .

Carlotto, M. S. (2010). Síndrome de Burnout: o estresse ocupacional do professor. Canoas, Editora ULBRA.

Carvalho, G. M. C., & Moraes, R. D. (2011). Sobrecarga de trabalho e adoecimento no Polo Industrial de Manaus. Psicologia em Revista, 17(3), 465-482. Recuperado em 15 de janeiro de 2016, de .

De Marco, P. F. et al. (2008). O impacto do trabalho em saúde mental: transtornos psiquiátricos menores, qualidade de vida e satisfação profissional. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, Rio de Janeiro, 57(3), 178-183. Recuperado em 26 de janeiro de 2016, de .

Dejours, C. A. (1992). Loucura do trabalho: estudo de psicopatologia do trabalho. São Paulo, Cortez.

Ezaias, G. M. et al. (2010). Síndrome de burnout em trabalhadores de saúde em um hospital de média complexidade. Revista Enfermagem UERJ, Rio de Janeiro, 18(4), 524-529.

Fernandes, L. C., & Ferreira, M. C. (2015). Qualidade de vida no trabalho e risco de adoecimento: estudo no poder judiciário brasileiro. Psicologia USP, 26(2), 296-306. Recuperado em 21 de janeiro de 2016, de .

Fernandes, S. R. P., & Vasques-Menezes, I. (2012). Organização do trabalho: implicações para a saúde do trabalhador. In M. C. Ferreira, & H. Mendonça (Orgs.). Saúde e bem-estar no trabalho: dimensões individuais e culturais (pp. 261-275). São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Ferreira, M. C. (2011). A ergonomia da atividade pode promover a qualidade de vida no trabalho? Reflexões de natureza metodológica. Revista Psicologia: Organizações e Trabalho, 11, 8-20. Recuperado em 21 de janeiro de 2016, de .

Ferreira, N. N., & Lucca, S. R. (2015). Síndrome de burnout em técnicos de enfermagem de um hospital público do Estado de São Paulo. Revista brasileira de epidemiologia, São Paulo, 18(1), 68-79. Recuperado em 01 de fevereiro de 2016, de .

Gordia, A. P. et. al. (2011). Qualidade de vida: contexto histórico, definição, avaliação e fatores associados. Revista brasileira de qualidade de vida, 3(1), 40-52.

Holmes, E. S. et al. (2014). Síndrome de burnout em enfermeiros na atenção básica: repercussão na qualidade de vida. Revista de pesquisa: cuidado é fundamental (Online), Rio de Janeiro, 6(4), 1384-1395. Recuperado em 26 de janeiro de 2016, de .

Jodas, D. A., & Haddad, M. C. L. (2009). Síndrome de Burnout em trabalhadores de enfermagem de um pronto socorro de hospital universitário. Acta paulista de Enfermagem, São Paulo, 22(2), 192-197. Recuperado em 21 de dezembro de 2015, de .

Landeiro, B. et. al. (2011). Revisão sistemática dos estudos sobre qualidade de vida indexados na base de dados Scielo. Revista Ciência & Saúde coletiva, 16(10), 4257-4266. Recuperado em 28 de dezembro de 2015, de .

Lima, J. J., Santos JR., G., & Xavier, A. A. P. (2011). Análise de dependência da QVT sobre produtividade: estudo em operadores de caixa de uma praça de pedágio. Anais do I Congresso Brasileiro de Engenharia de Produção (CONBREPRO), Ponta Grossa, PR.

Marcelino Filho, A., & Araújo, T. M. (2015). Estresse ocupacional e saúde mental dos profissionais do centro de especialidades médicas de Aracaju. Trab. educ. saúde, Rio de Janeir, 13(1), 177-199.

Martins. C; C; F., Vieira, A. N., & Santos, V. E. P. (2012). Reflexos do trabalho na qualidade de vida de enfermeiros. Revista de pesquisa: cuidado é fundamental (Online), Rio de Janeiro, 4(4), 2966-2971. Recuperado em 26 de janeiro de 2016, de .

Meeberg, A. G. (1993). Quality of life: a concept analysis. Journal of Advanced Nursing, 18(1), 32-38. Recuperado em 30 de novembro de 2015, de .

Mininel, V., Baptista, P., & Felli, V. (2011). Cargas psíquicas e processos de desgaste em trabalhadores de enfermagem de hospitais universitários brasileiros. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 19(2), 340-347. Recuperado em 26 de janeiro de 2016, de .

Moreira, H. R. et al. (2009). Qualidade de vida no trabalho e síndrome de burnout em professores de educação física do estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde, 14(2), 115-122. Recuperado em 26 de janeiro de 2016, de .

Morin, E. (2001). Os sentidos do trabalho. RAE - Revista de Administração de Empresas, São Paulo, 41(3), Jul./Set., 8-19.

Neffa, J. C.. (2015). O trabalho humano e a sua centralidade. Revista Ciências do Trabalho, 4(1), 7-26.

Padilha, V. (2010). Qualidade de vida no trabalho num contexto de precarização: A panaceia delirante. Trabalho, Educação e Saúde, 7(3), 549-563. Recuperado em 21 de janeiro de 2016, de .

Sabadini, A. A. Z. P., Sampaio, M. I. C., & Koller, S. H. (org.). (2009). Publicar em Psicologia: um enfoque para a revista científica. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Seidl, E. M. F., & Zannon, C. M. L. C. (2004). Qualidade de vida e saúde: aspectos conceituais e metodológicos. Cadernos de Saúde Pública [online], 20(2), 580-588. Recuperado em 30 de novembro de 2015, de .

Seligmann-Silva, E. (2011). Trabalho e desgaste mental: o direito de ser dono de sim mesmo. São Paulo, Cortez.

Tabeleao, V. P., Tomasi, E., & Neves, S. F. (2011). Qualidade de vida e esgotamento profissional entre docentes da rede pública de Ensino Médio e Fundamental no Sul do Brasil. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 27(12), 2401-2408. Recuperado em 18 de janeiro de 2016, de .

Tamayo, R. M., Mendonça, H., & Silva, E. N. (2012). Relação entre estresse ocupacional, coping e Burnout. Em M. C. Ferreira, & H. Mendonça (orgs.), Saúde e bem-estar no trabalho: dimensões individuais e culturais (pp. 35-57). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Tavares, K. F. A. et al. (2014). Ocorrência da síndrome de Burnout em enfermeiros residentes. Acta paulista de Enfermagem, São Paulo, 27(3), 260-265. Recuperado em 01 de fevereiro de 2016, de .

Vilan Filho, J. L. (2010). Autoria múltipla em artigos de periódicos científicos das áreas de informação no Brasil. Tese (Doutorado) – Universidade de Brasília, Brasília, DF.

Whoqol Group. (1994). The development of the World Health Organization quality of life assessment instrument (the WHOQOL). Em J. Orley, & W. Kuyken (Eds.), Quality of life assessment: international perspectives (pp. 41-60). Heidelberg: Springer Verlag.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


CHAMADA DE TRABALHOS PARA PUBLICAÇÃO NA REVISTA PSICOLOGIAS

Em consonância com a política editorial definida pelo comitê científico da revista Psicologias, os textos que podem ser aceitos para publicação devem ser submetidos via plataforma OJS – Open Journal Systems, pelo endereço revistas.ufac.br/revista/index.php/psi, onde o interessado dará início à inserção dos dados, a partir da criação de um perfil, clicando na aba “CADASTRO”. Antes de confirmar o cadastro, verifique se a opção “Autor: pode submeter à revista” está devidamente marcada.

ESTRUTURA PARA SUBMISSÃO DE ART- ARTIGOS ORIGINAIS: artigos científicos, relatos de experiências ou estudos de caso (s).

 

Os textos deverão destacar os seguintes itens:

  1. Título
  2. Autor (es)
  3. Resumo
  4. Abstract
  5. Palavras-chave
  6. Introdução: Justificativa e objetivos
  7. Fundamentação teórica e metodológica
  8. Discussão dos resultados
  9. Conclusão (ões)
  10. Bibliografia
  11. Dados dos autores: currículo resumido, vinculação do (s) autor (es), instituição, telefone, E-mail e foto.

 

São imperativas as seguintes regras:

 

i)                    Os títulos e nomes dos autores devem ser centralizados e separados por espaços duplos entre linhas. Os títulos em letras maiúsculas e minúsculas e em negrito. É permitido incluir dedicação abaixo do título e identificação do autor abaixo de seu nome. Essas inclusões devem ser feitas em letras com tamanho 9,0 pontos.

ii)                  O corpo do texto deve ser apresentado em papel tamanho A4, com margem superior e interior medindo 2,5 cm e margem direita e esquerda medindo 3,0 cm, na fonte Times New Roman, com fonte 12 pontos, espaçamento de linha igual a 1,5 e alinhamento justificado, não excedendo 25 laudas.

iii)                Citações devem figurar entre parênteses e conter o (s) sobrenome (s) do (s) autor (es) em corpo menor, o ano em que o trabalho citado foi publicado e o (s) número (s) da (s) página (s) referente (s) a cada citação de acordo com as normas da American Psychological Association – APA em vigor.   

iv)                As referências bibliográficas devem estar de acordo com as normas da American Psychological Association - APA em vigor.