ADULTIZAÇÃO DA INFÂNCIA PELA MÍDIA: UMA LEITURA SÓCIO-HISTÓRICA

SANDRA MARIA MOREIRA DE MENEZES

Resumo


Este artigo se propõe a uma leitura conceitual sobre a infância, sob a perspectiva de que a mesma é uma categoria sociologia a partir da qual é possível compreender a relação estabelecida entre a criança e seu contexto sócio-cultural e, como tal, sofre transformações ao longo da história no que tange aos discursos e práticas em torno da criança e da infância. Ao fazer uso da literatura utilizada durante os estudos da Disciplina Infância e Sociedade, buscou-se fazer uma análise crítica do modo como a infância é vista na atualidade, como essa categoria social é utilizada pela mídia, especificamente a televisiva e como, paradoxalmente, os meios de comunicação, com suas ofertas de consumo de produtos e idéias, estão “adultizando” a infância.


Texto completo:

PDF

Referências


Arriès, P. História social da criança e da família (1986). Rio de Janeiro: Zahar Editores.

Castello, L. A (2007). Oculto nas palavras: Dicionário para ensinar e aprender. Belo Horizonte: Autentica.

Castro, L. R. de (org.) (1999). Infância e Adolescência na Cultura do Consumo. Rio de Janeiro, Nau.

Consoni, A. (2012). A influência da mídia no imaginário infantil. Retirado de:

Conversa de Gente Grande. (2012). Programa CGG. Retirado de:

http://www.youtube.com/watch?v=4VpAW PNYts

Delgado, A. C. C. & Muller, F. (2005). Em busca de metodologias investigativas com crianças e suas culturas. Cadernos de Pesquisa. V.35, n.125, p. 161-179.

Ministério Público do Estado do Paraná. (2010). Estatuto da Criança e do Adolescente Anotado e Interpretado. art.3º, p.4-5.

Elkind, D. (1982). O Direito de Ser Criança: Problemas da Criança Apressada. São Paulo, Ed. Fundo Educativo Brasileiro.

Ferreira, A. B. de H. (2010). Novo Dicionário Aurélio (Dicionário eletrônico). Versão 5.0. Positivo Informática.

Ferreira, M. F. Infância e Mídia: reflexões sobre produtos culturais para crianças. Revista Contra-Pontos, v.7, n.2, Itajaí,. p.645-656.

Foucault, M. (1979). A política da saúde no século XVIII. In Microfísica do poder (193-208). 8. ed. Rio de Janeiro: Graal.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2012). Condições de vida do brasileiro, 2012. Retirado de:

http://www.ibge.gov.br/ibgeteen/pesquisas/condicoesdevida.html

Kohan, W. O. (2003). Infância. Entre educação e filosofia. Belo Horizonte, MG: Autêntica.

Pacheco, E. D. (1997). Televisão, Criança e Imaginário: Contribuições para a Integração Escola – Universidade - Sociedade. São Paulo, ECA-USP, 1997.

Perrot, M. (1991). Figuras e papéis. In História da vida privada (p. 121-185). São Paulo: Companhia das Letras.

Perrotti, E. (1990). Confinamento cultural, infância e leitura. São Paulo: Summus.

Pinto, M. A. (1997). Infância como construção social. In Pinto, M. Sarmento, M. J. (coord.). As Crianças: contextos e identidades. (p.33-73.). Braga: Centro de Estudos da Criança, Universidade do Minho.

Postman, N. (1999). O Desaparecimento da Infância. Rio de Janeiro, Graphia.

Sampaio, I. S. V. (2004). Televisão,

publicidade e infância. 2.ed. São Paulo:

Annablume.

Setzer, V. W. (2005). Meios Eletrônicos e Educação: Uma visão alternativa. São Paulo, Escrituras.

Spink, M. J. P. Álbuns de bebê: Reflexões sobre tecnologias que performam pessoalidade. In Souza, S. J. & Moraes, M. (2010). Rio de Janeiro: Ed.: PUC-Rio: 7 Letras.

Superintendência da Zona Franca de Manaus. (2012). Produção e Vendas de TV no pólo industrial de Manaus. Teleco: Inteligência em comunicações. Retirado de: http://www.teleco.com.br/nrTV1.asp.

Telles, L. F. P. (2009). Elementos da comunicação e suas formas de planejamento. In Anuário da Produção Acadêmica Docente. Anhanguera Educacional S.A.: São Paulo. Vol.3, nº.5, p. 149-161.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


CHAMADA DE TRABALHOS PARA PUBLICAÇÃO NA REVISTA PSICOLOGIAS

Em consonância com a política editorial definida pelo comitê científico da revista Psicologias, os textos que podem ser aceitos para publicação devem ser submetidos via plataforma OJS – Open Journal Systems, pelo endereço revistas.ufac.br/revista/index.php/psi, onde o interessado dará início à inserção dos dados, a partir da criação de um perfil, clicando na aba “CADASTRO”. Antes de confirmar o cadastro, verifique se a opção “Autor: pode submeter à revista” está devidamente marcada.

ESTRUTURA PARA SUBMISSÃO DE ART- ARTIGOS ORIGINAIS: artigos científicos, relatos de experiências ou estudos de caso (s).

 

Os textos deverão destacar os seguintes itens:

  1. Título
  2. Autor (es)
  3. Resumo
  4. Abstract
  5. Palavras-chave
  6. Introdução: Justificativa e objetivos
  7. Fundamentação teórica e metodológica
  8. Discussão dos resultados
  9. Conclusão (ões)
  10. Bibliografia
  11. Dados dos autores: currículo resumido, vinculação do (s) autor (es), instituição, telefone, E-mail e foto.

 

São imperativas as seguintes regras:

 

i)                    Os títulos e nomes dos autores devem ser centralizados e separados por espaços duplos entre linhas. Os títulos em letras maiúsculas e minúsculas e em negrito. É permitido incluir dedicação abaixo do título e identificação do autor abaixo de seu nome. Essas inclusões devem ser feitas em letras com tamanho 9,0 pontos.

ii)                  O corpo do texto deve ser apresentado em papel tamanho A4, com margem superior e interior medindo 2,5 cm e margem direita e esquerda medindo 3,0 cm, na fonte Times New Roman, com fonte 12 pontos, espaçamento de linha igual a 1,5 e alinhamento justificado, não excedendo 25 laudas.

iii)                Citações devem figurar entre parênteses e conter o (s) sobrenome (s) do (s) autor (es) em corpo menor, o ano em que o trabalho citado foi publicado e o (s) número (s) da (s) página (s) referente (s) a cada citação de acordo com as normas da American Psychological Association – APA em vigor.   

iv)                As referências bibliográficas devem estar de acordo com as normas da American Psychological Association - APA em vigor.