AS CONDIÇÕES DE ANÁLISE: TEORIA DA LEITURA E APLICAÇÃO EM “PENÉLOPE”, DE DALTON TREVISAN

João Carlos de Carvalho

Resumo


O presente artigo procura produzir uma teoria da leitura a partir das problematizações já levantadas pela teoria literária ao longo do tempo até os dias de hoje. Tomando quatro vertentes iniciais, transformadas em códigos – formalista, hermenêutico-fenomenológica, sociológica e psicanalítica – o artigo propõe analisar o conto de Dalton Trevisan, “Penélope”, trazendo-o como modelo de aplicação teórica e prática para o trabalho em sala de aula.

Palavras-chave: Teoria literária; Teoria da leitura; Prática de análise.

 

The conditions of analysis: literature theory and application in “Penélope”, by Dalton Trevisan

 Abtract: 

This article aims to formulate a reading theory through already raised concernings by the literary theory over the years until nowadays. Considering four preliminary dimensions, converted onto codes - formalist, phenomenological-hermeneutical, sociological, psychoanalytical - additionally this article proposes analyze the tale "Penélope" written by Dalton Trevisan, oriented as a theoretical and practical approach applied to the classroom setting.

Keywords: literary theory; theory of reading; analysis practice.

 

Las condiciones de análisis: teoría de la literature en “Penélope”, de Dalton Trevisan

 Resumen: 

El presente artículo busca producir una teoría de lectura a partir de las problematizaciones ya levantadas por la teoría literaria a lo largo del tiempo hasta los días de hoy. Tomando cuatro vertientes iniciales; transformadas en códigos―formalista, hermenéutico-fenomenológica, sociológica y psicoanalítica― el artículo propone analizar el cuento de Dalton Trevisan, “Penélope”, trayéndolo como modelo de aplicación teórica y práctica para el trabajo en sala de clase.

Palabras clave: teoría literária; teoría de la lectura; práctica de análisis.


Palavras-chave


Teoria literária; Teoria da leitura; Prática de análise.

Texto completo:

PDF

Referências


BARTHES, R. S/Z. Trad. Maria de Santa Cruz e Ana Mafalda L.C.A.S. Coutinho. Lisboa: Edições 70, 1980.

BLOOM, H. Como e por que ler. Trad. José Roberto O’Shea. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

CHEVALIER, J., GUEERBRANT, A. Dicionário de símbolos: mitos, sonhos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números. 24.ed. Trad. Vera da Costa e Silva et al. Rio de Janeiro: José Olympio, 2009.

COMPAGNON, A. O demônio da teoria: literatura e senso comum. Trad. Cleonice P.B. Mourão e Consuelo F. Santiago. Belo Horizonte: UFMG, 2003.

GREIMAS, A.J. et al. Ensaios de semiótica poética. Trad. Heloysa de Lima Dantas. São Paulo: Cultrix, 1976.

PAVIANI, N.M.S. Leitura e escrita em sala de aula com base nas teorias dos gêneros de textos. Conjectura. V. 16, n. 2, maio/agosto de 2011, Caxias do Sul. Universidade de Caxias do Sul (UCS). Pós-graduação em Educação. P. 13-26. Disponível em: www.ucs.br/etc/revistas/index.php/conjectura/article/viewFile/1192/829. Acesso em maio 2016.

PROSE, F. Para ler como um escritor: um guia para quem gosta de livros e para quem quer escrevê-los. Trad. Maria Luiza X.A. Borges. Rio de Janeiro: Zahar, 2008.

TREVISAN, D. Novelas nada exemplares. Rio de Janeiro/São Paulo: Record, 1979.

VOSSLER, K. Filosofía del linguaje: ensayos. Trad. Amado Alonso e Raimundo lida. Buenos Aires: Losada, 1957.

XAVIER, E.C.F. O conto brasileiro e sua trajetória: a modalidade urbana de 1920 a 1970. Tese (Doutorado em Literatura Brasileira) – Curso de Pós-graduação de Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 1985.

ZAGDANSKI, S. O sexo de Proust. Trad. Fernando Py. Rio de Janeiro: Zahar, 1995.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

     Licença Creative Commons Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

REVISTA COMMUNITAS - ISSN: 2526-5970 - Publicação Semestral do Grupo de Pesquisas em Memórias, Identidades, Currículos e Culturas vinculado ao Centro de Educação e Letras da Universidade Federal do Acre.